Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Saiba como funciona uma clínica de reabilitação

Saiba como funciona uma clínica de reabilitação

18/03/2020 Divulgação

Muitas pessoas possuem dúvidas na hora de internar um de seus familiares.

Saiba como funciona uma clínica de reabilitação

Não é fácil decidir pelo bem de seu filho ou parente, mas é ainda mais complicado escolher a clínica de reabilitação certa para o tratamento necessário.

Primeiramente, um centro de reabilitação é um local especializado para a recuperação de pessoas com doenças, sobretudo, a dependência química. Nela, são estabelecidos diversos métodos para um tratamento especializado de acordo com o paciente.

Além de oferecer serviços que auxiliam o paciente a superar vícios, a clínica oferece também meios para ressocialização. Mas, você sabia que existem tipos de tratamento e internações?

Saiba mais sobre como é o funcionamento de uma clínica de tratamento de drogas e os serviços oferecidos por ela.

Quais são os tipos de tratamento?

Existem três classificações de tratamento para dependentes químicos: interno, externo e parcial.

Durante o tratamento interno, o dependente fica internado 24 horas com assistência médica. A internação pode ser de 28 dias até 60 dias. Geralmente, os pacientes que passam por esse tipo de tratamento possuem um grau de dependência química alto.

Quando o paciente não é internado, o tipo de tratamento fornecido é o externo. Nesse caso, o paciente participa de grupos de apoio, terapia e consultas médicas, mas volta para sua casa. O tratamento externo é recomendado para quando a dependência é leve.

Já o tratamento parcial é uma combinação dos outros tratamentos, ou seja, o paciente passa por um tratamento para drogas intenso durante o dia e retorna para a casa.

Como é realizado o tratamento?

A abordagem utilizada varia de acordo com a dependência e estado de saúde mental do paciente. Mas, geralmente as clínicas adotam como procedimentos a psicoterapia, medicamentos para amenizar os sintomas da abstinência e a terapia ocupacional.

O dependente químico conta com profissionais a sua disposição 24 horas, sendo eles psicólogos, psiquiatras, enfermeiros, terapeutas e nutricionistas, a fim de auxiliar sua recuperação.

Como funciona uma clínica de recuperação?

Uma clínica de recuperação atua de acordo com a internação do paciente. Existem casos que o dependente se interna com a consciência de estar doente, mas infelizmente são raros. É comum que a família faça a intervenção e o interne.

Por esse motivo, existem três tipos de internação. Uma delas é a voluntária, que é quando o paciente assume seu distúrbio, enquanto a internação involuntária é feita a pedido da família sem o consenso do dependente.

Outra possibilidade é a internação compulsória. Nesse caso, a justiça determina que o indivíduo seja internado, caso ele ponha em risco sua vida e de outras pessoas.

O que uma clínica de reabilitação deve ter?

Para o funcionamento de um centro de recuperação, a Secretaria de Políticas sobre Drogas (SenaD) exige que a instituição possua em sua equipe um responsável técnico formado na área social ou da saúde.

Esse profissional deve ser capacitado para o tratamento oferecido e a clínica deve ter também um membro da equipe presente durante a noite.

Em relação à infraestrutura, cada alojamento deve acomodar no máximo 30 pacientes, além de conter uma beliche ou cama individual, guarda-roupa, banheiro e lavatório. Salas específicas para televisão, terapia individual, terapia ocupacional e área externa também são requisitos.

Portanto, é preciso lembrar que o vício em drogas podem causar danos físicos permanentes e, nesse caso, a internação pode ser a melhor opção.



O perigo do uso indiscriminado dos antibióticos

Estudos apontam que 700 mil mortes por ano são causadas em todo o mundo por infecções resistentes aos medicamentos.

O perigo do uso indiscriminado dos antibióticos

O repique da Covid-19; que não se repiquem os erros

Chegamos a uma nova encruzilhada na questão da Covid-19 em território brasileiro.

O repique da Covid-19; que não se repiquem os erros

A corrida para a vacina: quando os riscos valem a pena?

Os insumos necessários precisarão ser produzidos em uma escala inédita.

A corrida para a vacina: quando os riscos valem a pena?

Consumo de bebidas alcoólicas cresce entre as mulheres

O corpo leva de 1 a 3 horas para metabolizar uma dose de álcool no organismo.

Consumo de bebidas alcoólicas cresce entre as mulheres

Milhões de mortes por ano podem ser evitadas com atividade física

Combate ao sedentarismo deve ser praticado em todas as idades, diz OMS.

Milhões de mortes por ano podem ser evitadas com atividade física

Redes sociais e games em excesso causam tanta dependência quanto as drogas

A informação torna-se preocupante quando se verifica o quanto a internet está presente no cotidiano. Brasil é o segundo país onde se permanece mais tempo conectado durante o dia.

Redes sociais e games em excesso causam tanta dependência quanto as drogas

Pré-diabetes: como reverter o problema por meio de hábitos saudáveis

O diabetes é uma das principais doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) que acometem os brasileiros.

Pré-diabetes: como reverter o problema por meio de hábitos saudáveis

Gravidez depois dos 35: o que você precisa saber

Especialista explica principais mitos e verdades para mulheres que querem engravidar depois dos 35 anos.

Gravidez depois dos 35: o que você precisa saber

Low carb pode ser adotada por diferentes tipos de pessoas conforme necessidades e objetivos

Estratégia alimentar é recomendada para quem sofre de obesidade, diabetes e síndrome metabólica.

Low carb pode ser adotada por diferentes tipos de pessoas conforme necessidades e objetivos

Prematuros podem apresentar dificuldades no processamento sensorial

Especialista alerta para as morbidades que resultam do nascimento prematuro.

Prematuros podem apresentar dificuldades no processamento sensorial

Asma atinge 20 milhões de brasileiros

Pacientes com asma grave podem ter qualidade de vida com imunobiológicos.

Asma atinge 20 milhões de brasileiros

E se eu não quiser me vacinar? Eis a dúvida do “eu” e do “nós”

É fato que a pandemia colocou uma lupa nas desigualdades sociais e econômicas que já existiam.