Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Você desconfia que já não ouve tão bem quanto antes?

Você desconfia que já não ouve tão bem quanto antes?

04/09/2019 Divulgação

Aprenda a reconhecer, por meio de dez sintomas, os primeiros indícios de perda de audição.

Você desconfia que já não ouve tão bem quanto antes?

Falar sobre perda auditiva nunca é fácil. Em geral, as pessoas têm dificuldades para admitir que começam a ter dificuldades para ouvir. Isso ocorre porque na maioria dos casos, a perda de audição acontece gradualmente e os sintomas são difíceis de serem identificados. Além disso, a falta de informação e o preconceito fazem com que a consulta ao médico seja protelada.

O fato é que aproximadamente uma em cada dez pessoas, a partir dos 40 anos, já tem algum grau de perda auditiva. Com o envelhecimento natural do corpo, as células ciliadas do ouvido interno começam a morrer e não se regeneram. É um processo contínuo que aos poucos vai agravando a deficiência. Por isso, na Terceira Idade, a perda de audição tende a ser mais severa.

"O primeiro passo é aceitar que já há dificuldades para ouvir em certas situações do dia a dia, o que pode levar um tempo. Reconhecer a deficiência é importante, já que vários estudos comprovam que o tratamento adequado para recuperar a audição, geralmente com o uso de aparelhos auditivos, resulta em melhoras significativas na qualidade de vida, garantindo mais alegria e disposição para interagir com amigos e familiares", afirma a fonoaudióloga Marcella Vidal, da Telex Soluções Auditivas.

O indivíduo já pode notar os primeiros indícios de surdez pela dificuldade em ouvir o que as pessoas estão falando. Outros dez outros sintomas também devem acender o sinal amarelo.

- Assistir TV em volume mais alto do que as outras pessoas da casa, pedindo com frequência para aumentar o som

- Comunicar-se com dificuldade quando está junto a um pequeno grupo ou em uma reunião

- Pedir com freqüência que as pessoas repitam o que disseram

- Ouvir as pessoas falando como se elas estivessem sussurrando

- Dificuldade em comunicar-se em ambientes ruidosos, como no carro, no ônibus ou em uma festa

- Se concentrar muito para entender o que as pessoas falam ou cochicham.

- Fazer uso de leitura labial durante uma conversa

- Não ouvir quando é chamado por uma pessoa que não está à sua frente ou que se encontra em outro cômodo

- Ouvir com dificuldade o toque da campainha ou do telefone; ou mesmo ficar embaraçado ao não entender o que outro diz durante conversa pelo telefone.

- Família e amigos comentam que você não está ouvindo bem.

O diagnóstico de perda auditiva deve ser feito por um médico otorrinolaringologista. A Telex Soluções Auditivas também oferece um check-up auditivo gratuito, feito por fonoaudiólogos, em suas lojas. Cabe ao fonoaudiólogo também decidir qual tipo e modelo de aparelho auditivo são indicados para atender às necessidades de cada pessoa.

"Dificuldades de audição podem afetar a vida social e prejudicar as relações de trabalho. A perda auditiva acontece de maneira lenta e progressiva. Com o decorrer dos anos, se não houver tratamento, a deficiência atinge um estágio mais avançado. Por isso, o uso diário do aparelho e o apoio da família são essenciais para que o indivíduo resgate a autoestima", explica a fonoaudióloga da Telex.

A tecnologia tem sido uma grande aliada dos deficientes auditivos. Além da melhoria na qualidade do som, o design da maioria dos aparelhos auditivos atuais garante discrição e elegância. Atualmente, há uma diversidade de modelos de aparelhos, adequados para diferentes graus de perda de audição.

Fonte: Telex Soluções Auditivas / Ex-Libris Comunicação Integrada



Ministério da Saúde lança campanha nacional de combate à sífilis

Gestantes representaram mais da metade dos casos contraídos em 2020.


Pandemia afetou em 35% número de consultas oftalmológicas em 2020

Cerca de 3,7 milhões de atendimentos deixaram de ser feitos.

Pandemia afetou em 35% número de consultas oftalmológicas em 2020

Nomofobia: Você tem medo de ficar longe do celular?

Uma pesquisa recente publicada pela Digital Turbine mostra que 20% dos brasileiros não ficam mais de 30 minutos longe do celular.

Nomofobia: Você tem medo de ficar longe do celular?

Dor crônica na região lombar pode ser sinal de ‘bico de papagaio’

A região lombar costuma ser a mais afetada pela osteofitose

Dor crônica na região lombar pode ser sinal de ‘bico de papagaio’

Livro inédito comemora centenário da descoberta da insulina

A renda obtida com a venda dos livros será doada ao Instituto Correndo Pelo Diabetes para incentivar a prática da atividade física.

Livro inédito comemora centenário da descoberta da insulina

10 curiosidades sobre o crânio e o cérebro que irão te surpreender

Ainda estamos longe de conhecer todo o mistério que envolve a interligação do cérebro com o nosso organismo como um todo, mas já temos importantes achados.


Quase 3 milhões de mulheres deixaram de rastrear o câncer de mama na pandemia

Com medo do contágio pelo coronavírus, as mulheres deixaram de lado a rotina de cuidados.

Quase 3 milhões de mulheres deixaram de rastrear o câncer de mama na pandemia

Bons hábitos de saúde podem evitar doenças cardiovasculares

Em 2021, Brasil registra 299.304 pessoas mortas por doenças cardiovasculares.

Bons hábitos de saúde podem evitar doenças cardiovasculares

Uso de lentes de contato por crianças deve ser cauteloso

Conheça os riscos e benefícios de crianças e adolescentes usar lentes de contato.

Uso de lentes de contato por crianças deve ser cauteloso

Pandemia aumenta uso de ansiolíticos, antidepressivos e estabilizadores de humor

Medicações têm efeitos danosos, inclusive com risco de morte.

Pandemia aumenta uso de ansiolíticos, antidepressivos e estabilizadores de humor

Por que roncamos ao dormir de barriga para cima?

Entenda como as diferentes posições para dormir interferem no funcionamento do organismo.

Por que roncamos ao dormir de barriga para cima?

Dia Mundial do Alzheimer visa desmistificar o preconceito sobre a doença

"Conhecer demência é conhecer Alzheimer" é tema de campanha em 2021.

Dia Mundial do Alzheimer visa desmistificar o preconceito sobre a doença