Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como investir com segurança em uma startup?

Como investir com segurança em uma startup?

24/11/2021 Vinícius Laureano

As startups continuam trazendo resultados surpreendentes e estão movimentando aplicações bilionárias, atraindo cada vez mais o interesse de investidores.

Como investir com segurança em uma startup?

Somente em 2021, foram investidos no Brasil cerca de R $33,5 bilhões até setembro, segundo estudo realizado pela consultoria KPMG junto com a Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP).

Por se tratar de atividades disruptivas e conter inúmeros riscos envolvidos, muitas vezes as previsões acabam ficando de lado e o negócio pode ser um sucesso ou um fracasso.

De um lado, ninguém quer fazer parte de uma atividade que quebrou e deixou dívidas em aberto. Afinal, imagine o investidor que não estava à frente da operação tendo que lidar com as dívidas deixadas?

Mas e se o empreendimento for um grande sucesso? Da mesma forma, ninguém quer ficar de fora do momento mais importante: aquele em que a empresa efetivamente vingou! Contudo, a ausência de formalização jurídica pode se tornar um problema, como ocorreu, por exemplo, no caso do Facebook retratado no filme A Rede Social.

Dessa forma, uma dúvida recorrente é: como investir com segurança?

Ocorre que o Marco Legal das Startups traz o conforto necessário para quem aplica recursos se resguardar quanto a responsabilização pelo passivo porventura existente, assim como promove a segurança jurídica para garantir que o investidor não seja passado para trás.

Esse instrumento jurídico é o Contrato de Mútuo Conversível, que nada mais é do que um contrato de empréstimo. Com esta formatação, o capital aplicado é considerado “dívida” e, assim, está sujeito a um pagamento futuro, correção monetária, juros etc.

A particularidade da “conversibilidade” do empréstimo é que o investidor pode receber o pagamento da dívida com parte ou totalidade das quotas/ações da startup, passando, desta forma, a se tornar efetivamente sócio/acionista, ao invés de receber o dinheiro emprestado.

Ainda, como em qualquer contrato de empréstimo, o credor pode exigir uma garantia ao valor emprestado para não ser deixado de lado caso o negócio não vá adiante, como, por exemplo, um carro, um imóvel ou qualquer outro bem.

Então, para que haja maior proteção aos investidores, costuma ser recomendada a formatação da operação com um Contrato de Mútuo Conversível, além de ser outorgada uma garantia pela startup ou seus sócios ao investidor, trazendo maior segurança financeira e jurídica à operação. De qualquer forma, é essencial realizar uma análise de cada caso para entender a melhor estrutura aplicável.

* Vinícius Laureano é advogado pós-graduado em Direito Societário pela FGV/SP, com extensão em Planejamento Tributário e em Direito Imobiliário pela com mais de 15 anos de atuação em Direito Empresarial.

Para mais informações sobre Startups clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Startup lança app que facilita o modelo híbrido de trabalho

O aplicativo OOND reúne espaços de coworking em diferentes regiões do Brasil e visa facilitar a localização e reserva para os usuários.

Startup lança app que facilita o modelo híbrido de trabalho

Startup lança solução para integrar a cadeia de frutas, legumes e verduras

OpenSolo desenvolve ferramenta ágil e completa para produtores, varejistas, distribuidores, importadores e exportadores que responda ao dinamismo do mercado de FLV.

Startup lança solução para integrar a cadeia de frutas, legumes e verduras

Como tornar uma startup atraente para investidores

Especialista em investimentos indica os principais passos a serem seguidos pelas empresas que estão em busca de captação.

Como tornar uma startup atraente para investidores

Startup abre inscrições para curso gratuito para formar profissionais de tecnologia

Interessados podem se inscrever até 22/12 e os melhores alunos serão selecionados para programa de trainee.


Cinco startups mineiras estão na etapa final do programa Capital Empreendedor

Nos dias 24 e 25 de novembro, as empresas participam do Circuito de Investimentos, em São Paulo. Ao todo, 50 startups de todo o Brasil foram selecionadas.


Travel Tech mineira é reconhecida entre as 25 startups mundiais mais promissoras

Desde a sua fundação, em setembro de 2018, empresa vem revolucionando o mercado de viagens corporativas do Brasil.

Travel Tech mineira é reconhecida entre as 25 startups mundiais mais promissoras

Startup lança plataforma de contratação para mulheres em vulnerabilidade

{reprograma} aumenta a empregabilidade feminina na área tech.


Dez startups investidas pelo BMG UpTech estão entre as mais atraentes do mercado

BMG UpTech identifica as startups cujos negócios sejam viáveis, investe no seu desenvolvimento e as coloca em contato com o mercado.

Dez startups investidas pelo BMG UpTech estão entre as mais atraentes do mercado

Startup de logística Uello expande operação para Minas Gerais

Logtech realiza mais de 7 mil entregas por dia para mais de 150 clientes, entre eles MMartan, Petz, Polishop e Etna.


Como uma PME ou startup pode vender para grandes empresas?

Investir no relacionamento com tomadores de decisão e utilizar novos canais para prospecção é o primeiro passo para ter êxito nas negociações.

Como uma PME ou startup pode vender para grandes empresas?

BlackRocks Startups anuncia selecionadas mineiras para o Grow Startups 2021

Grow Startups é um programa aceleração de startups voltado para o crescimento econômico e escalável dos negócios liderados por empreendedores negros.

BlackRocks Startups anuncia selecionadas mineiras para o Grow Startups 2021

Startup gaúcha investe em sistema antifraude

Com análise em duas etapas, Appmax utiliza tecnologia híbrida para analisar fraudes levantadas por sistemas comuns e elevar resultados em até 50% na taxa de aprovação.

Startup gaúcha investe em sistema antifraude