Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Criatividade e inovação – pense fora da caixa

Criatividade e inovação – pense fora da caixa

04/01/2021 Fabiana Kadota Pereira

Como exigir proatividade e liberdade de pensamento quando há um salto entre a educação infantil e a universidade?

Criatividade e inovação – pense fora da caixa

Atualmente, as organizações, universidades e o mercado de trabalho exigem e valorizam a criatividade e a inovação, habilidades que são poucos trabalhadas e incentivadas durante os ensinos fundamental e médio.

Entretanto, ironicamente, na educação infantil os professores estimulam a criatividade e o famoso “pense fora da caixa”, que é uma rotina nas salas dos pequenos e passa a ser exceção entre os maiores. Basta observarmos a disposição das carteiras, a estrutura das salas de aula e as metodologias aplicadas nas séries iniciais para percebermos que a ludicidade, a liberdade de pensamento e o incentivo à criatividade e inovação são marcas registradas das aulas.

Com o avanço na escolaridade, as salas e suas carteiras mudam a disposição e o objetivo principal passa a ser colocar os estudantes dentro das “caixinhas” – carteiras -, com pouca liberdade de pensamento e espaço para criar. Inicia-se um processo de acúmulo de conteúdo, com pouco ou nenhum estímulo à criatividade.

Isso permanece até o ensino médio, que agrava a situação com a pressão no adolescente para a escolha de uma carreira e a aprovação no vestibular. Então o jovem, agora universitário, começa a ser incentivado a sair da caixinha, a pensar de forma criativa, a produzir conteúdo, produto e/ou serviço – preferencialmente inovadores. Como exigir proatividade e liberdade de pensamento quando há um salto entre a educação infantil e a universidade no que diz respeito ao processo criativo?

O que começa muito bem é interrompido por anos e exigido instantaneamente na chegada a tão sonhada universidade. Um grande desafio para os professores universitários, aos quais cabe a missão e responsabilidade de despertar em seus alunos o potencial criativo há tanto tempo trancado na “caixinha”.

O empreendedorismo é uma disciplina que busca retomar este processo criativo, além de diferentes metodologias de ensino e trabalhos como estudos de caso, portfólios, criação de protótipos, galerias, startups, entre outras estratégias. São recursos utilizados para buscar despertar a criatividade adormecida desses alunos.

Podemos dizer, então, que criatividade e inovação se aprendem na escola?

A “escola design Thinking echos” propõe importantes conceitos e definições. “A criatividade existe como uma habilidade que libera um potencial que nossa mente tem. Ela existe dentro da nossa mente e pode ser canalizada para a ação. Já a inovação está mais ligada à ação. Inovação é criar ou propor mudanças em sistemas considerados estáveis”.

Nunca é tarde demais para despertar a criatividade que está dentro de nós. Basta incentivo e promoção de cenários que estimulem e valorizem o pensamento livre e criativo, a liberdade de testar, acertar ou errar e avançar para novos modelos, estruturas, produtos, serviços e tecnologias.

Cada vez mais o mercado de trabalho valoriza e prioriza pessoas criativas, inovadoras e proativas, que vão além do simples domínio dos conteúdos.

Respondendo à pergunta, sim!! Criatividade se aprende na escola e deve ser estimulada ao longo dos anos e em todos os níveis da escolaridade.

* Fabiana Kadota Pereira é especialista em Recreação e Lazer e professora nos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Pg1 Comunicação



Startup de educação cresce 157% e oferece vagas de trabalho em diversas áreas

SWA, do Paraná, desenvolve softwares acadêmicos e ampliará a equipe em 25%.

Startup de educação cresce 157% e oferece vagas de trabalho em diversas áreas

Qual o papel dos investidores na hora de avançar o negócio para outro país?

Discussões sobre a importância de internacionalizar startups têm se tornado assunto frequente nos últimos anos.

Qual o papel dos investidores na hora de avançar o negócio para outro país?

Dez startups mineiras seguem para a etapa de mentorias do Capital Empreendedor

Empresas vão receber orientações personalizadas para melhorias e adequações no modelo de negócios e outros processos.


15 startups japonesas buscam oportunidades para emplacar negócios e parceiros no Brasil

Selecionadas pelo ScaleUp in Brazil, startups são das áreas de energia, tecnologia limpa, agritech, fintech, healtech.

15 startups japonesas buscam oportunidades para emplacar negócios e parceiros no Brasil

Startups trazem inovação e transformam o setor automotivo

De acordo com o Google, mais de 90% das pessoas iniciam a sua busca pelo seu novo automóvel a partir de pesquisas na internet.

Startups trazem inovação e transformam o setor automotivo

Como a chegada do 5G deve impactar startups no Brasil

A expectativa é que a tecnologia ofereça velocidade de conexão até 10 vezes mais rápida que a 4G.

Como a chegada do 5G deve impactar startups no Brasil

Demissões em startups: vale a pena buscar um emprego nessas empresas?

Startup mineira Price Survey anuncia expansão para sete países

Especializada em pesquisa de mercado, empresa quebra fronteira e atuará no segmento de bebidas em nove cidades internacionais.

Startup mineira Price Survey anuncia expansão para sete países

Startup lança solução para criação de anúncios com filtro de realidade aumentada

Com a nova ferramenta, marcas como a Hyundai tem acesso a inteligência, design e desempenho de publicidade em AR.

Startup lança solução para criação de anúncios com filtro de realidade aumentada

Startup lança selo de impacto social que reconhece profissionais e empresas tech

Selo premiará os profissionais e empresas que mais investiram em educação e contratação de talentos de tecnologia.

Startup lança selo de impacto social que reconhece profissionais e empresas tech

App de alimentação para centros universitários é criado no CEUB

Para eliminar filas, estudantes criam sistema digital de "encomenda" de refeições para o intervalo das aulas

App de alimentação para centros universitários é criado no CEUB

30 startups de Minas Gerais participam do Programa Capital Empreendedor

Mais da metade das selecionadas têm mulheres como fundadoras.