Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Deep Fake está cada vez mais comum e assusta com o poder da tecnologia

O Deep Fake está cada vez mais comum e assusta com o poder da tecnologia

28/06/2019 Da Redação

Ferramenta tecnológica é utilizada principalmente em vídeos

O Deep Fake está cada vez mais comum e assusta com o poder da tecnologia

Uma nova tecnologia no mundo da internet tem tirado o sono de muita gente: o Deep Fake. O recurso — disponibilizado inclusive de forma gratuita — é muito utilizado para colocar digitalmente o rosto de qualquer pessoa em outra. A tecnologia é utilizada principalmente em vídeos.

Criada por um usuário do Reddit (uma rede social em que os participantes podem votar no conteúdo que julgam mais relevante), trata-se de uma tecnologia que faz uso da inteligência artificial para proporcionar essa troca do rosto das pessoas, e até proporcionando uma certa realidade à nova face, com sincronização de movimentos dos lábios e outras expressões. São resultados impressionantes — tanto que ninguém pode se considerar livre da possibilidade de ter seu rosto incluído em um vídeo editado.

Tudo começou no ano de 2017, mais precisamente em dezembro, quando um usuário do Reddit chamado “deepfakes” utilizou inteligência artificial e aprendizado de máquina para criar algoritmos com o objetivo de “treinar” uma rede neural. Essa rede mapeia o rosto de uma pessoa no corpo de outra. Isso seria feito quadro a quadro.

No início, era necessário ter conhecimentos avançados para utilizar o Deep Fake. Entretanto, após a criação de diversos apps, os processos foram automatizados, tornando-se mais acessíveis e aumentando a utilização criminosa da ferramenta. Começaram a surgir diversos vídeos pornográficos estrelados por personalidades diversas. Uma das falhas que pode ser observada nesses vídeos é que os coadjuvantes quase não piscam.

Além dos filmes pornográficos, algumas personalidades estão sendo colocadas em locais e situações em que nunca estiveram, trazendo inúmeros constrangimentos. Infelizmente é possível, inclusive, criar um álibi, forjar um momento e colocar, por exemplo, um CEO ou mesmo um político em situações de difícil reparação — principalmente frente ao imediatismo das pessoas em não entender que determinado vídeo pode ser falso e que a manipulação depende da criatividade do editor e de quantos vídeos da celebridade (ou mesmo seus) estejam disponíveis facilmente na internet.

Um caso recente envolveu o partido político da Bélgica Socialistische Partij, anders (Partido Socialista, Mas Diferente) que criou e divulgou o Deep Fake. Nesse caso, um falso Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, solicitava à população do país belga o voto pela renúncia ao Acordo de Paris, um tratado que rege políticas climáticas. O vídeo utilizou-se de psicologia reversa, já que concluiu-se que a maioria do povo votaria contra somente para contrariar a mensagem do presidente americano.

Uma das maneiras de nos protegermos dessas ferramentas de manipulação é evitar o compartilhamento de vídeos com desconhecidos, ou mesmo não postá-los em redes sociais, dificultando assim o trabalho do editor em pegar seu rosto e colocá-lo em outro vídeo comprometedor.

Além dos vídeos, vemos constantemente nas notícias questões sobre assuntos que viralizaram nas redes sociais, como áudios e textos atribuídos a famosos, mas que na verdade são #FAKE.

O maior problema é o discernimento do que é verdadeiro e falso. Portanto, recomenda-se evitar a distribuição de textos, áudios e vídeos sem o conhecimento da fonte original. Fazendo isso, pode-se facilmente cometer o erro de distribuir notícias falsas e atender aos interesses de criminosos.

Texto: Armando Kolbe Júnior - professor do curso de Investigação Profissional do Centro Universitário Internacional Uninter.



Aplicativo facilita carregamento de dispositivos eletrônicos

Keep Charged permite localizar pontos de carregamento de celular, banheiros públicos e até sinal de Wi-fi.

Aplicativo facilita carregamento de dispositivos eletrônicos

Brasil sofreu 15 bilhões de ataques cibernéticos em 3 meses, diz estudo

Ameaças cibernéticas estão crescendo em ritmo alarmante, tanto em quantidade quanto em sofisticação.

Brasil sofreu 15 bilhões de ataques cibernéticos em 3 meses, diz estudo

Como o uso de drones vem transformando a construção civil

Tecnologia é capaz de otimizar o tempo, reduzir custos e aceleração dos resultados.

Como o uso de drones vem transformando a construção civil

Living Lab – como será o futuro das cidades?

“Além de uma vitrine para que prefeitos possam ver o funcionamento das tecnologias num ambiente real, o Living Lab é um grande local de testes”.

Living Lab – como será o futuro das cidades?

Brasil cai duas posições no principal ranking internacional de inovação

Desempenho no Índice Global de Inovação reforça necessidade de investir em inovação no país.

Brasil cai duas posições no principal ranking internacional de inovação

Hub de inovação em bionegócios lança nova oportunidade para startups

BiotechTown abre inscrições para a 2ª edição de Programa de Desenvolvimento de Negócios, com investimentos de R$ 150 mil por empresa.


Rumo e Senai lançam edital de inovação para o setor ferroviário

Processo irá selecionar projetos de inovação para o desenvolvimento de soluções tecnológicas em materiais e estruturas para a logística ferroviária.

Rumo e Senai lançam edital de inovação para o setor ferroviário

Cinco inovações que surgiram de um erro

Conheça os produtos que hoje são sucesso mas que nasceram de erros.

Cinco inovações que surgiram de um erro

Os desafios da integração homem-máquina

Um dos maiores medos da atualidade é a inteligência artificial.

Os desafios da integração homem-máquina

Missão Apolo, 50 anos do homem na lua

Dia 16 de julho de 1969 foi a data de partida da missão Apolo 11 com destino à lua.

Missão Apolo, 50 anos do homem na lua

Concurso Desafio IoT promove visibilidade para startups

Vencedores serão remunerados e participarão da Technology Hub Brasil 2019.


Brasileiros confiam mais na tecnologia do que em seres humanos

Estudo mostra que mais da metade dos brasileiros prefere que suas informações estejam nas mãos da tecnologia

Brasileiros confiam mais na tecnologia do que em seres humanos