Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Começou ruim, mas com boas perspectivas para melhorar

Começou ruim, mas com boas perspectivas para melhorar

25/07/2022 Marcos Gonzalez

Esse primeiro semestre de 2022 foi de causar arrepios em toda cadeia automotiva.

Começou ruim, mas com boas perspectivas para melhorar

Mais uma vez, quando tudo parecia caminhar para um ano de recuperação mais sustentável, veio a terrível notícia, em 22 de fevereiro, da invasão da Ucrânia por tropas russas. Um desastre humanitário, social e econômico que as pessoas civilizadas não imaginavam que poderia se repetir neste Século bem nas bordas da Europa.

Com todo mundo se esforçando para se recuperar dos inúmeros problemas gerados pela Covid, veio, então, a barbárie retrógrada de uma guerra. Para o setor automotivo, fortemente globalizado, as consequências foram terríveis. Os problemas logísticos, já ruins em função da pandemia, ficaram colapsados com o advento de uma guerra entre duas nações de grande peso econômico em todo mundo.

Os preços das commodities, como esperado, foram às alturas. O barril de petróleo ultrapassou a marca dos 100 dólares e só agora, no segundo semestre, com receio de uma onda global de recessão, se estabilizou. Mas a alta tensão gerada por uma logística global sempre sujeita a problemas de todas as ordens misturada com a compreensão de difícil solução entre os dois beligerantes países, reforça uma estratégia automotiva que já havia sido traçada com a pandemia: é preciso localizar mais componentes e depender o menos possível das instabilidades externas.

Um exemplo bem emblemático está aqui mesmo aqui no Brasil. Os consumidores entraram neste ano dispostos a comprar carro zero quilômetro. O problema foi que a oferta não conseguiu atender a demanda. De acordo com a Anfavea, neste primeiro semestre aconteceram mais de 20 paradas nas montadoras por conta da falta de peças. Muitas das quais, obviamente, importadas.

A falta de oferta teve reflexo direto no recuo dos licenciamentos. Em junho eles totalizaram 178,1 mil unidades, queda de 4,8% em relação a maio e de 2,4% sobre junho de 2021. Descontado o feriado prolongado de Corpus Christi, a média mensal de vendas se manteve em 8,5 mil unidades, mesmo valor de maio. No acumulado do semestre, a redução foi de 14,5%. Márcio de Lima Leite, presidente da Anfavea, disse que “esse é um fenômeno global, com números de queda muito semelhantes aos dos principais mercados do planeta”.

A boa notícia do semestre foi e recuperação das exportações, a despeito da crise na Argentina. Graças ao aumento dos envios a países como Colômbia, Chile, Peru, México e Uruguai, as montadoras exportaram 246 mil unidades entre janeiro e junho deste ano, sendo 47,3 mil somente no mês passado, melhor resultado mensal desde agosto de 2018. O crescimento sobre o primeiro semestre de 2021 chegou a 23%. Em valores exportados, a alta já é de 33,7%, em função dos embarques de autoveículos de maior valor agregado.

Como a média mensal de licenciamentos subiu em maio e junho e levando-se em conta o bom momento dos veículos produzidos no Brasil nos mercados sul-americanos, as projeções para o segundo semestre são mais animadoras. Para a produção, a nova expectativa é de fechar o ano com 2.340 mil unidades, alta de 4,1% sobre 2021. Para vendas internas, espera-se chegar a 2.140 milhões de autoveículos licenciados, crescimento de 1% sobre o ano passado.

Já a expectativa para exportação é de 460 ml unidades embarcadas até o fim do ano, alta de 22,2% na comparação com 2021.

Poderia, naturalmente, ser ainda melhor não fosse a elevação dos juros no Brasil aliada às restrições ao acesso de crédito que prejudicam aquele grupo de pessoas que busca veículos de entrada.

* Marcos Gonzalez é o diretor responsável pelo segmento automotivo da Becomex. 

Para mais informações sobre Setor Automotivo clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: MM Editorial



O atual cenário do setor de transportes na logística

Nos últimos anos, as empresas de transportes estão enfrentando turbulências provocadas por instabilidades econômicas, sociais ou até mesmo políticas.

O atual cenário do setor de transportes na logística

Home office alivia o peso do preço do combustível

As empresas e os trabalhadores aprenderam nos últimos anos como tornar o home office eficaz e funciona.

Home office alivia o peso do preço do combustível

Produção de motocicletas aumenta 18% no primeiro semestre de 2022

Segundo a Abraciclo, a categoria mais vendida foi a de uso em cidades.

Produção de motocicletas aumenta 18% no primeiro semestre de 2022

Vendas de veículos caem 4,8% em junho, diz Anfavea

Produção recua 1,1% e exportação cresce 2,7%.

Vendas de veículos caem 4,8% em junho, diz Anfavea

Comprar ou alugar carro: o que vale mais a pena?

Especialista ajuda a decidir qual a melhor opção no atual momento da economia brasileira.

Comprar ou alugar carro: o que vale mais a pena?

Frota própria, transportadora e/ou primarização logística?

Era uma vez, um fazendeiro que vivia no litoral e tinha dificuldades de encontrar empregados.

Frota própria, transportadora e/ou primarização logística?

Nova pesquisa: escassez de motoristas aumenta, devendo saltar até 40% em 2022

A escassez crônica de motoristas comerciais está piorando, com milhões de vagas ainda não preenchidas


Por que as baterias trabalham mais no inverno?

As baterias são mais exigidas em temperaturas baixas.

Por que as baterias trabalham mais no inverno?

BB reduz taxa para financiamento de carro híbrido e elétrico

Medida pretende incentivar a compra de carros sustentáveis.

BB reduz taxa para financiamento de carro híbrido e elétrico

Emplacamento de veículos sobe 25,09% em maio, diz Fenabrave

Automóveis e comerciais leves têm alta de 27,15% e são destaque.

Emplacamento de veículos sobe 25,09% em maio, diz Fenabrave

Cartilha dá dicas para turistas em viagens de carro

Publicação também aborda direitos do consumidor durante a viagem.

Cartilha dá dicas para turistas em viagens de carro

Saiba reconhecer os danos causados pelo uso de combustível adulterado

A mistura incorreta impede a queima correta do combustível e ocasiona perdas de rendimento, maior consumo, desgaste acelerado de componentes e danos no sistema de injeção do veículo.

Saiba reconhecer os danos causados pelo uso de combustível adulterado