Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Indústria de bicicletas cresce no segundo semestre de 2009

Indústria de bicicletas cresce no segundo semestre de 2009

07/12/2009 Divulgação

Mercado reagiu no segundo semestre, mas não foi o suficiente para zerar a queda de 30% registrada durante os primeiros seis meses do ano.

Qualquer análise que venha a ser feita sobre o comportamento do mercado de bicicletas durante o ano de 2009 deve levar em consideração dois momentos: 40% das vendas são realizadas no primeiro semestre e 60% no segundo, sendo que a maior percentagem dos negócios fica concentrada no último trimestre do ano.

Uma vez apresentada a sazonalidade, vejamos: os primeiros seis meses do ano foram bem abaixo da expectativa levando o setor a registrar uma queda em suas vendas da ordem de 30%. “A indústria foi altamente castigada, uma vez que iniciou 2009 com estoques extremamente altos. Tínhamos nos preparados para vender muito no último trimestre de 2008 já que o mercado estava altamente comprador e anunciava vendas recordes. Qual não foi nossa surpresa, quando fomos surpreendidos pela crise econômica mundial”, declara Eduardo Musa, vice-presidente do SIMEFRE (Sindicato Interestadual da Indústria de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviários).

Segundo ele, o comércio - que também havia se preparado para terminar com vendas excelentes e estoques baixos também foi pego de surpresa. Houve cancelamento de encomendas, mas o estoque era alto para toda a rede (fornecedores de peças e partes, indústria e varejistas). Com isso, o primeiro semestre de 2009, que tradicionalmente é mais fraco sofreu ainda mais. No início de julho, o mercado começou a apresentar uma pequena melhora, que deve resultar em crescimento de 5% até dezembro de 2009.

Musa conta que o crescimento poderia ter sido maior, mas a indústria não se preparou para um reaquecimento na proporção que aconteceu, a partir do mês de setembro. “No levantamento de perdas e ganhos, porém, deveremos terminar o exercício com uma queda de 9% quando comparado ao volume de negócios registrados em 2008”, diz. Em unidades, o setor deve terminar 2009 com 5,2 milhões de bicicletas comercializadas, ante as 5,8 milhões vendidas em 2008.

Fatores impactantes

No entender do vice-presidente do SIMEFRE, Eduardo Musa, além da crise econômica, outros fatores influíram negativamente no desempenho do setor em 2009. Apesar de ser um produto “verde” (ecológico), ele não foi beneficiado com incentivos do governo, “muito pelo contrário”. “O setor que tem grande parte dos fabricantes atuando na informalidade, sofreu também este ano com a implementação da substituição tributária em vários estados e o aumento da fiscalização, seja ela, tributária ou do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial) nas bicicletas infantis”, explica Musa.

Segundo ele, o dólar baixo favorece as atividades das montadoras, mas atrapalha os fabricantes de partes e peças, que concorrem diretamente com os produtos importados da China, os quais chegam no mercado brasileiros com preços bastante competitivos.

Cenário para 2010

Eduardo Musa, vice-presidente do SIMEFRE, diz que a indústria de bicicleta trabalha com perspectiva de fechar 2010 com vendas 5% maiores do que as registradas em 2009. Em outras palavras, o setor retornaria aos 5,5 milhões de unidades comercializadas. “Visualizamos um cenário macroeconômico muito positivo, com dólar baixo e o nosso produto está entrando na moda. Hoje existem várias ações de fomento que beneficiam o setor e tudo indica que é um caminho sem volta”.

Além disso, a bicicleta continua sendo o sonho de consumo das crianças em relação a outros brinquedos e também dos adultos (muitos utilizam como meio de transporte).

Um grande desafio que tem pautado a indústria da área nos últimos anos e que permanece é a falta de infraestrutura logística e os incentivos às inovações tecnológicas para peças, componentes e produto final. “O nosso País continua um grande importador de componentes”, afirma Musa.

Fonte: Digital Assessoria



Venda de veículos elétricos dispara em 2021

Nissan Leaf foi o carro totalmente elétrico mais vendido do Brasil.

Venda de veículos elétricos dispara em 2021

A mobilidade conectada a um carregador

A eletricidade está invadindo o setor automobilístico. E isso porque há um abismo de vantagens separando as opções de fontes de energia hoje disponíveis.

A mobilidade conectada a um carregador

2022: um ano para a aviação brasileira decolar

Setor no Brasil apresenta melhora no ambiente de negócio com aquecimento da atividade turísticas, privatizações de aeroportos e mudanças na legislação.

2022: um ano para a aviação brasileira decolar

Mobilidade elétrica: como o setor elétrico se adapta à tendência

Nos tempos atuais, é cada vez mais nítida a ideia de que os veículos do futuro serão elétricos.

Mobilidade elétrica: como o setor elétrico se adapta à tendência

Emplacamentos em 2021 crescem 10,5%, diz Fenabrave

Para 2022, a Fenabrave prevê um crescimento de 5,2% do setor.

Emplacamentos em 2021 crescem 10,5%, diz Fenabrave

Uma boa nova para pessoas com deficiência começarem 2022

A proposta surgiu durante as observações que fiz em minhas viagens de trabalho pelo Brasil.

Uma boa nova para pessoas com deficiência começarem 2022

Voltam a valer regras antigas para remarcação de passagens

Agora, o passageiro que fizer o cancelamento do voo pode ter que pagar multa.

Voltam a valer regras antigas para remarcação de passagens

Motorista não pagará DPVAT pelo segundo ano seguido

Excedente de recursos cobrirá indenizações em 2022.

Motorista não pagará DPVAT pelo segundo ano seguido

Prepare seu carro para uma viagem segura

Usando veículo próprio ou alugado, é preciso tomar alguns cuidados para não ficar na estrada.

Prepare seu carro para uma viagem segura

Os novos furgões elétricos Citroën Ë-Jumpy e Peugeot e-Expert

O e-Expert e Ë-Jumpy são o mesmo carro, diferenciado apenas os logos e alguns detalhes visuais de acabamento.

Os novos furgões elétricos Citroën Ë-Jumpy e Peugeot e-Expert

A ferrovia de volta às suas origens

O Marco Legal das Ferrovias, aprovado em outubro pelo Senado e na segunda-feira (13/12) pela Câmara dos Deputados, tende a recolocar a ferrovia brasileira no lugar de onde nunca deveria ter saído.

A ferrovia de volta às suas origens

Rodovias contarão com eletropostos para carros híbridos e elétricos em 2022

Parceria da EcoRodovias com a Volvo Car Brasil levará para rodovias que atendem oito estados brasileiros novos pontos de carga para veículos elétricos e híbridos.

Rodovias contarão com eletropostos para carros híbridos e elétricos em 2022