Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Setor automotivo tenta minimizar danos relacionados à escassez de matéria-prima

Setor automotivo tenta minimizar danos relacionados à escassez de matéria-prima

12/11/2021 Carlos Gallani

A indústria no Brasil está sofrendo com a falta de matérias-primas em diversos setores.

Setor automotivo tenta minimizar danos relacionados à escassez de matéria-prima

O problema afeta a quantidade e a qualidade da produção em diferentes segmentos, como o automotivo, a construção civil, roupas, peças e maquinários. A escassez de insumos já é responsável por reajustes de preços no mercado global, atinge toda a cadeia industrial e o consumidor. Falta aço, resina, entre outros produtos indispensáveis no dia a dia das empresas.

A escassez gera o aumento de preços e a inflação: o consumidor já sente no bolso o impacto das restrições. O problema começou com a pandemia da covid-19 e abala as cadeias de suprimentos no mundo todo. Aqui no Brasil, o óleo, o arroz e a carne bovina são alguns dos alimentos que ficaram bem mais caros.

O congestionamento logístico e o encarecimento da energia também impactam nos custos de produção. As importações e exportações são assoladas por motivos variados, como a redução de contêineres. As instabilidades podem ser sentidas de forma global. Na China, por exemplo, já há o racionamento de energia elétrica nas indústrias.

No setor automotivo, também é possível sentir as consequências da crise sanitária, mas há quem aproveitou o momento para revisitar as estratégias e ganhar espaço competitivo na produção de fábrica, como a Bosch de Curitiba. A empresa não apenas minimizou os danos, mas também aumentou a produtividade, mesmo enfrentando dificuldades logísticas em função do aumento de custos dos fornecedores internacionais. A fábrica investiu em conectividade e seguiu a tendência da indústria 4.0 ao investir em inteligência artificial, que otimiza os negócios ao informar, em tempo real, possíveis problemas na cadeia de produção. O faturamento do grupo Bosch mundial tem uma previsão de crescimento de 3% até o final de 2021, comparado ao mesmo período de 2019, sendo que as divisões automotivas ainda não recuperaram os níveis pré-pandemia, impactadas pela falta de insumos, associado a uma transformação da mobilidade que ganhou velocidade nesse período.

Investir em pesquisa, desenvolvimento e inovação é a solução para manter a competitividade no setor automobilístico. A escassez mundial de semicondutores impacta diretamente no preço dos carros, caminhões, máquinas agrícolas, outros veículos e componentes eletrônicos. Também é necessário pensar na mobilidade urbana, com foco na sustentabilidade e na redução de CO2, cujas emissões devem ser zeradas até 2050 na Europa e Estados Unidos, e até 2060 na China. Todos esses fatores exigem que haja uma expansão tecnológica nas empresas para que se cumpram essas metas. A crise dos semicondutores também está impulsionando investimentos em capacidade interna, para mitigar problemas e futuros gargalos na produção. Uma estratégia de impacto a médio e longo prazo.

Ainda não é possível falar em pós-pandemia, pois vivemos sob restrições impostas por ela, mas é preciso que nos adaptemos às novas formas de gestão. É necessário o cuidado ininterrupto para manter as operações em alto nível, envolvendo todos os colaboradores e criando um ambiente empreendedor, com autonomia, confiança e responsabilidade. Assim nos mantemos como protagonistas do nosso futuro, deixando de ser parte do problema e nos apresentando como parte da solução no enfrentamento de instabilidades do mercado, que certamente irão nos desafiar ao longo de 2022. 

* Carlos Gallani é conselheiro da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná) e diretor técnico da Bosch em Curitiba.

Para mais informações sobre Setor Automotivo clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Smartcom Inteligência em Comunicação



Aeroporto Regional do Vale do Aço retoma operações de voos comerciais

A volta das operações foi autorizada pela Anac após a conclusão das obras na pista de pouso e decolagem.

Aeroporto Regional do Vale do Aço retoma operações de voos comerciais

Lei que incentiva combustível sustentável na aviação é publicada

Objetivo é estimular pesquisa e produção de bioquerosene.

Lei que incentiva combustível sustentável na aviação é publicada

Fábrica de motos elétricas dobra número de postos de trabalho em Minas Gerais

A mobilidade elétrica não é mais o futuro das cidades. Ela já é o presente.

Fábrica de motos elétricas dobra número de postos de trabalho em Minas Gerais

Embarcadores apostam no caminhão a gás e Amazon compra 1.064 Iveco S-Way GNC

No Brasil há fabricantes de caminhões que não acreditam no gás como alternativa menos poluente em relação ao diesel.

Embarcadores apostam no caminhão a gás e Amazon compra 1.064 Iveco S-Way GNC

Engenheiro lança e-book sobre “Peças do Carro e Economia de Combustível”

Neste e-book, o motorista (iniciante ou não), vai encontrar informações valiosas.


O Programa BR do Mar

A infraestrutura, o transporte e a logística são imprescindíveis para o desenvolvimento de qualquer país e seu comércio exterior.

O Programa BR do Mar

Venda de veículos novos cai 17% em outubro, informa Fenabrave

Estoques estão baixos, e espera por alguns modelos pode demorar.

Venda de veículos novos cai 17% em outubro, informa Fenabrave

Derrapada irresponsável do Senado no marco das ferrovias

Foi um duro golpe para quem defende o resgate do sistema ferroviário nacional.

Derrapada irresponsável do Senado no marco das ferrovias

Infraestrutura de transporte pode receber R$23,5 bi de investimentos

Com o investimento privado, será possível reduzir em até 35% o valor do pedágio.

Infraestrutura de transporte pode receber R$23,5 bi de investimentos

Cinco mil quilômetros de ferrovias que dependem do Senado

A ferrovia foi grande indutora do desenvolvimento brasileiro que, na primeira metade do século passado, se deu nas regiões mais próximas ao litoral.

Cinco mil quilômetros de ferrovias que dependem do Senado

Infraero entrega Aeroporto de Uberlândia modernizado

Foram investidos R$ 29,75 milhões, com recursos oriundos do Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac).

Infraero entrega Aeroporto de Uberlândia modernizado

Mais competitividade para a aviação

No momento da retomada, ANP amplia escopo do querosene de aviação no país; para especialista, medida era um pleito do setor e trará melhores condições ao mercado.