Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Agro é vida – Adube um meio ambiente melhor

Agro é vida – Adube um meio ambiente melhor

20/01/2021 Valter Casarin

Os adubos são caminho seguro para aumentar a produção das culturas e, assim, colocar mais alimento à mesa.

Contudo, há certo preconceito fundado em suspeitas equivocadas sobre eles, principalmente quanto aos efeitos para o meio ambiente.

Podemos afirmar que o fertilizante não possui moléculas tóxicas em sua composição. É uma substância mineral ou orgânica fornecedora de um ou mais nutrientes às plantas.

Por sua vez, os nutrientes são essenciais para a vida de qualquer vegetal. Aliás, distintos dos nutrientes contidos em adubos são essenciais a nós.

Assim, nutrindo as plantas, nutrimos as pessoas. Vale lembrar que a maioria dos solos brasileiros é caracterizada por alta acidez e baixos teores de nutrientes. O fertilizante, juntamente com calcário e gesso agrícola, ajuda a resolver essa carência nutricional.

É essencial para o produtor rural equilibrar nutricionalmente o solo, criando ambiente favorável para que as plantas possam se desenvolver saudáveis.

Erosão

Embora a precipitação forneça umidade para o crescimento das plantas e o bem-estar humano, é também, sem dúvida, uma das principais causas da degradação do solo, ameaçando seriamente o equilíbrio do planeta.

O solo é uma fina camada de matéria mineral e orgânica que permite a retenção e a circulação da água e do ar na superfície da Terra.

Essa fina camada, que varia em espessura de alguns centímetros a alguns metros, sustenta praticamente toda a vida no planeta.

O solo é um importante recurso não renovável que, quando sujeito a forte erosão, se perde ao longo de milênios.

A causa da erosão pode ser a água, o vento ou o próprio trabalho do solo. A erosão provoca o deslocamento da camada superficial do solo para outro lugar, onde se acumula com o tempo.

A camada perdida com a erosão é a mais fértil, viva e rica em matéria orgânica. A erosão do solo reduz a produtividade da terra e contribui, principalmente, o assoreamento de rios, o que é responsável pelas enchentes.

O risco de erosão aumenta se o solo não for suficientemente protegido por cobertura vegetal e/ou pela camada de resíduos de colheita da cultura anterior (palha).

Resíduos e vegetação protegem o solo do impacto das gotas de chuva e respingos de água. Eles também tendem a reduzir a velocidade do fluxo de água e promover a infiltração da água no solo.

As plantas somente poderão recobrir o solo com rapidez e eficiência quanto maior for a sua velocidade de desenvolvimento.

Isso é possível quando a planta encontra no solo as condições adequadas, principalmente a disponibilidade de nutrientes.

Em função dos solos tropicais apresentarem baixa fertilidade, ou seja, baixa disponibilidade de nutrientes, é o fertilizante quem contribuirá para o fornecimento de nutrientes fundamentais para o crescimento das plantas.

Da mesma forma, quanto maior o desenvolvimento da planta, maior será a quantidade de resíduos vegetais que ficará sobre o solo.

O uso de fertilizante favorece a maior produção de massa vegetal, o que irá criar uma maior massa de resíduo, protegendo o solo com maior eficiência contra o impacto das gotas de chuva e, consequentemente, do processo erosivo do solo.

É evidente a importância do fertilizante no recobrimento vegetal do solo e a maior produção de palha. Esses dois fatores contribuem para reduzir o processo erosivo do solo e conservar as propriedades químicas, físicas e biológicas do solo.

Essa preservação ajuda o solo a manter seu potencial produtivo, mas acima de tudo contribui para reduzir o assoreamento de rios e lagos e a conservação da água.

Fertilizante no controle do efeito estufa

O efeito estufa é um processo natural que ocorre na atmosfera e que tem como principal função manter a temperatura do planeta amena e sem grandes variações.

O problema é o lançamento cada vez maior de gás carbônico (CO2), que é liberado na queima de combustíveis fósseis, tais como os derivados de petróleo.

As plantas têm a capacidade de fixar o CO2 atmosférico durante o processo da fotossíntese. É exatamente o carbono do CO2, que as plantas fixam durante a fotossíntese, que compõem o nosso corpo. Lembrando que 18,5% do nosso peso corporal é composto por carbono.

A agricultura é um caminho perfeito para reduzir parte do CO2 da atmosfera e armazená-lo no solo. O processo de remoção do CO2 da atmosfera e guardá-lo no solo é conhecido como sequestro de carbono.

Uma das formas mais eficazes é através do sistema de plantio direto. Esse sistema usa a rotação de cultura como base do manejo das culturas, a qual permite maior produção de matéria orgânica, material rico em carbono.

Solos de baixa disponibilidade de nutrientes limitam a produção das culturas, prejudicam o bom funcionamento da fotossíntese, produzindo pouco alimento e resíduo vegetal. Em outras palavras, afetam o sequestro de carbono.

Uma planta bem alimentada, com disponibilidade de nutrientes, irá ter maior desenvolvimento, maior captação de CO2 da atmosfera.

Sendo assim, é através do estabelecimento adequado da fertilidade do solo, fornecendo os nutrientes que estão faltando no solo que os vegetais produzirão adequadamente.

Esta é a função que o fertilizante apresenta para proporcionar ganhos produtivos e, indiretamente, diminuir o efeito negativo das altas concentrações de CO2 na atmosfera.

Fertilizante e a redução do desmatamento

A demanda por alimento no mundo tem crescido a cada ano, isso se deve principalmente pelo crescimento da população mundial. Ao mesmo tempo, as áreas agrícolas disponíveis no planeta têm reduzido.

As áreas mais aptas para a agricultura, aquelas com maior fertilidade, já estão praticamente esgotadas, mas vale lembrar que essas áreas têm sido usadas por longos anos, o que já consumiu parte considerável de sua fertilidade.

Para aumentar a produção de alimentos há dois caminhos possíveis: abertura de novas áreas agrícolas ou aumento do rendimento das culturas nas áreas existentes.

A primeira opção vai contra a sustentabilidade do planeta, pois haverá a necessidade de derrubar florestas. Assim, a segunda opção é a mais viável.

Para aumentar a produtividade das culturas é necessário pensar que os solos agrícolas já se encontram com baixa disponibilidade de muitos nutrientes, isso é decorrente de vários processos como a exportação de nutrientes pela colheita, erosão, entre outros.

É através do uso de fertilizante que poderemos repor os nutrientes ao solo e, assim, permitir a nutrição adequada para conquistar o aumento de produtividade. Tirar mais alimento de uma mesma área é o que o fertilizante tem feito nas últimas décadas.

Entre 1975 e 2017, a produção de grãos, que era de 38 milhões de toneladas, cresceu mais de seis vezes, atingindo 236 milhões, enquanto a área plantada apenas dobrou.

Um fator fundamental que contribuiu para o ganho de produtividade na agricultura brasileira foi a correção e adubação de solos.

O consumo de fertilizantes passou de dois milhões de toneladas, em 1975, para 15 milhões de toneladas, em 2016.

Se o Brasil estivesse produzindo, atualmente, a mesma produtividade de 1975 haveria necessidade de abrir, ou desmatar, uma área aproximada de 150 milhões de hectares.

Podemos concluir que o uso de fertilizante é responsável pela maior produtividade das culturas, gerando a produção de alimentos, mas também contribuindo para a preservação de florestas, em consequência para a preservação da fauna e da flora dos diversos biomas.

As informações divulgadas pela Nutrientes para a Vida (NPV) são baseadas em dados científicos. A NPV tem como missão melhorar a percepção da população urbana em relação às funções e os benefícios dos fertilizantes. A NPV possui visão, missão e valores análogos aos da coirmã americana, a Nutrients For Life.

Sua principal missão é destacar e informar a população a respeito da relevância dos fertilizantes para o aumento da qualidade e segurança da produção alimentar, colaborando com melhores quantidades de nutrientes nos alimentos e, consequentemente, com uma melhor nutrição e saúde humana.

* Valter Casarin é engenheiro agrônomo e coordenador científico da Nutrientes para a Vida.

Fonte: Acontece Comunicação e Notícias



Embrapa vai coordenar evento que reúne instituições dos cinco continentes

Especialistas do Brasil e exterior, incluindo um Nobel da Paz, vão discutir sustentabilidade do agro e segurança alimentar.

Autor: Divulgação

Embrapa vai coordenar evento que reúne instituições dos cinco continentes

Como a automação permite ao agronegócio superar desafios climáticos

O perfil de risco das alterações climáticas na indústria alimentar e no agronegócio é complexo.

Autor: Fernando Cesar Rocha

Como a automação permite ao agronegócio superar desafios climáticos

De olho no futuro do agro brasileiro

O Brasil passou de importador a um dos principais exportadores mundiais de alimentos em apenas quatro décadas.

Autor: Fábio Torquato

De olho no futuro do agro brasileiro

Tecnologia e inovação no agro: as tendências para o setor em 2024

Utilização de inteligência artificial, e principalmente, a maior redução do impacto de emissões de carbono ao meio ambiente tornam-se aliados ao mercado agrícola.

Autor: Divulgação

Tecnologia e inovação no agro: as tendências para o setor em 2024

Estratégias de marketing na internacionalização de empresas agrícolas

O Brasil é um dos maiores produtores e exportadores de soja, café, açúcar, carne bovina, e uma série de outros produtos agrícolas essenciais.

Autor: Ricardo Martins

Estratégias de marketing na internacionalização de empresas agrícolas

Transformação digital no agro brasileiro: inovações em 2024

As tendências de inovação no agro brasileiro e as tecnologias que impulsionam a eficiência e promovem práticas agrícolas sustentáveis.

Autor: Divulgação

Transformação digital no agro brasileiro: inovações em 2024

Agronegócio: a importância de mais investimentos e crédito para o setor em 2024

Não há dúvidas que a agricultura evoluiu muito, afinal, em 40 anos.

Autor: Henrique Galvani

Agronegócio: a importância de mais investimentos e crédito para o setor em 2024

O agronegócio precisa se preparar para os impactos da mudança climática

A mudança climática está afetando o mundo e a forma como vivemos. Basta acompanharmos as notícias, que podemos ver esses impactos de forma clara e nítida.

Autor: James Hodge

O agronegócio precisa se preparar para os impactos da mudança climática

Reforma tributária e o agronegócio

No panorama econômico brasileiro, o agronegócio ocupa espaço de alta relevância.

Autor: Angelo Ambrizzi

Reforma tributária e o agronegócio

Energia solar é aposta do agronegócio para garantir produtividade e economia

O agronegócio tem sido um forte impulsionador da energia solar no Brasil, visto que encontrou nesta fonte a solução para superar os desafios no suprimento de energia.

Autor: Rodrigo  Marcolino

Energia solar é aposta do agronegócio para garantir produtividade e economia

As biossoluções e as transformações possíveis na agricultura brasileira

A crescente demanda por alimentos coloca pressão sobre a agricultura para aumentar a produção.

Autor: William Yassumoto

As biossoluções e as transformações possíveis na agricultura brasileira

Conectividade no campo e o futuro da indústria de máquinas agrícolas no Brasil

O Brasil é uma nação de vastas terras férteis e um setor agrícola que desempenha um papel crucial em sua economia.

Autor: José Velloso

Conectividade no campo e o futuro da indústria de máquinas agrícolas no Brasil