Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Bioeconomia e reindustrialização no Brasil

Bioeconomia e reindustrialização no Brasil

26/03/2023 Maurício Antônio Lopes

A baixa performance da indústria no Brasil é um problema que vem se arrastando há anos, e os números comprovam isso.

Bioeconomia e reindustrialização no Brasil

Enquanto o país registrou um crescimento de 2,9% em 2022, a indústria de transformação teve uma queda de 0,3%, repetindo o mesmo resultado negativo pela sexta vez em uma década. É preciso reverter essa situação urgentemente, pois sem uma indústria forte e competitiva, dificilmente conseguiremos estimular a produtividade e o desenvolvimento sustentável de longo prazo no país.

A reindustrialização do Brasil, tema tão discutido atualmente, é uma empreitada complexa, de acordo com análise recente do IEDI - Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial. Não basta apenas investir em modernização e avanço tecnológico da indústria. É preciso também reduzir custos sistêmicos, melhorar o ambiente de negócios, buscar uma integração mais efetiva com o mercado global e adotar estratégias industriais sustentáveis e atualizadas, algo que já é uma realidade em outros países.

A reinvenção da indústria nacional não pode, portanto, ser um objetivo isolado, mas parte de uma rede complexa de ações, que precisam ser cuidadosamente planejadas e executadas. Se o Brasil realmente deseja se tornar uma potência industrial, é necessário um esforço conjunto, envolvendo governo, empresas e sociedade civil, para atingir esses objetivos e colocar o país na rota da competitividade e do desenvolvimento sustentável.

As principais economias globais estão enxergando a necessidade de repensar a abordagem industrial tradicional, para não apenas alcançar o crescimento econômico, mas também garantir um desenvolvimento sustentável e uma qualidade de vida mais equilibrada para as gerações presentes e futuras. É hora de o Brasil seguir esse exemplo e incorporar essas práticas em sua economia, levando em consideração o impacto social e ambiental de sua base industrial.

Mais de 50 países já estão trabalhando para substituir gradualmente matérias-primas de origem fóssil por matérias-primas de origem biológica, com o objetivo de fazer a transição para uma economia mais limpa e renovável, que se convencionou chamar bioeconomia. Diferente de transições anteriores, em que a madeira foi substituída pelo carvão e, depois, pelo petróleo, a bioeconomia é uma resposta a desafios complexos, de natureza ambiental e social, que exigem reinvenção dos conceitos de produtividade, crescimento e competitividade.

É importante destacar que esta transição vai muito além da questão ambiental, sendo também uma oportunidade para a inovação e a criação de novos modelos de negócios. A bioeconomia pode ajudar a reduzir as emissões de gases de efeito estufa, diminuir a dependência de recursos finitos e gerar novos empregos e oportunidades econômicas. É importante que o Brasil, como um dos países mais biodiversos do mundo, se engaje nessa transição e aproveite todo o potencial da bioeconomia para enfrentar os desafios do século 21, promovendo um desenvolvimento mais sustentável e inclusivo para todos.

Já é consenso que a dependência extrema de recursos fósseis é uma ameaça para o meio ambiente e a saúde pública.  Fontes como o vento, o sol e a biomassa estão disponíveis em praticamente todo o planeta, o que torna possível um modelo industrial oposto ao da economia fóssil, baseado em recursos concentrados e controlados por poucos. No entanto, essa transição não é simples nem automática.  A adoção de uma economia de base biológica, limpa e renovável requer investimentos em infraestrutura, tecnologia e conhecimento, além de mudanças culturais e políticas.

O potencial brasileiro é, no entanto, inequívoco e expressivo. Um estudo recente, desenvolvido pela Associação Brasileira de Bioinovação (ABBI) em parceria com a Embrapa Agronergia, SENAI CETIQT, CNPEM/MCTI e Laboratório Cenergia da UFRJ, revelou que a bioeconomia pode gerar um aumento de quase US$ 290 bilhões ao PIB brasileiro, além de reduzir as emissões de carbono em cerca de 550 milhões de toneladas, nos próximos 27 anos. O potencial econômico e ambiental da bioeconomia no Brasil é tão grande que o estudo está sendo aprofundado, com a inclusão de tecnologias emergentes, o que poderá indicar benefícios ainda maiores nos horizontes de 2030 e 2050.

Outra boa notícia é que o Governo Brasileiro está criando secretarias e instâncias em vários ministérios, com o objetivo de transversalizar e fortalecer o desenvolvimento da bioeconomia no país. Destaca-se a criação da Secretaria de Economia Verde, Descarbonização e Bioindústria, no Ministério da Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), com a missão de viabilizar uma reindustrialização de baixo carbono, ajudando a projetar o Brasil como líder na produção e exportação de materiais e insumos biológicos estratégicos para a economia do futuro.

Finalmente, é preciso que líderes e formuladores de políticas não se contentem com a visão equivocada de que a transição para uma economia mais sustentável ocorrerá naturalmente no tempo. As crises econômicas, ambientais e sociais que enfrentamos atualmente são um sinal claro de que precisamos agir com mais urgência e esforços em inteligência estratégica, planejamento e gestão. Essa transição não pode mais ser deixada ao acaso. Precisamos agir agora para que o país possa modernizar seu setor industrial, ganhando capacidade de competir e prosperar em um mundo cada vez mais exigente em responsabilidade socioambiental.

* Maurício Antônio Lopes - Pesquisador da Embrapa Agroenergia.

Para mais informações sobre desenvolvimento sustentável clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Embrapa



Celeiro do mundo, agro precisa debater mais pautas sobre o clima

Governos e instituições globais devem reconhecer a urgência de apoiar startups que endereçam soluções ao setor e produtores que querem realizar a transição para uma agricultura regenerativa.

Autor: Henrique Galvani

Celeiro do mundo, agro precisa debater mais pautas sobre o clima

Cemig lança programa que beneficia produtores rurais mineiros

Criação de canais de atendimento exclusivos e especializados e melhorias na rede elétrica no interior integram série de ações previstas no Cemig Agro.

Autor: Divulgação

Cemig lança programa que beneficia produtores rurais mineiros

Volkswagen lança campanha com Luan Santana para o agronegócio

A Volkswagen Caminhões e Ônibus acaba de lançar uma nova campanha focada no agronegócio com o cantor Luan Santana.

Autor: Frota News

Volkswagen lança campanha com Luan Santana para o agronegócio

Embrapa vai coordenar evento que reúne instituições dos cinco continentes

Especialistas do Brasil e exterior, incluindo um Nobel da Paz, vão discutir sustentabilidade do agro e segurança alimentar.

Autor: Divulgação

Embrapa vai coordenar evento que reúne instituições dos cinco continentes

Como a automação permite ao agronegócio superar desafios climáticos

O perfil de risco das alterações climáticas na indústria alimentar e no agronegócio é complexo.

Autor: Fernando Cesar Rocha

Como a automação permite ao agronegócio superar desafios climáticos

De olho no futuro do agro brasileiro

O Brasil passou de importador a um dos principais exportadores mundiais de alimentos em apenas quatro décadas.

Autor: Fábio Torquato

De olho no futuro do agro brasileiro

Tecnologia e inovação no agro: as tendências para o setor em 2024

Utilização de inteligência artificial, e principalmente, a maior redução do impacto de emissões de carbono ao meio ambiente tornam-se aliados ao mercado agrícola.

Autor: Divulgação

Tecnologia e inovação no agro: as tendências para o setor em 2024

Estratégias de marketing na internacionalização de empresas agrícolas

O Brasil é um dos maiores produtores e exportadores de soja, café, açúcar, carne bovina, e uma série de outros produtos agrícolas essenciais.

Autor: Ricardo Martins

Estratégias de marketing na internacionalização de empresas agrícolas

Transformação digital no agro brasileiro: inovações em 2024

As tendências de inovação no agro brasileiro e as tecnologias que impulsionam a eficiência e promovem práticas agrícolas sustentáveis.

Autor: Divulgação

Transformação digital no agro brasileiro: inovações em 2024

Agronegócio: a importância de mais investimentos e crédito para o setor em 2024

Não há dúvidas que a agricultura evoluiu muito, afinal, em 40 anos.

Autor: Henrique Galvani

Agronegócio: a importância de mais investimentos e crédito para o setor em 2024

O agronegócio precisa se preparar para os impactos da mudança climática

A mudança climática está afetando o mundo e a forma como vivemos. Basta acompanharmos as notícias, que podemos ver esses impactos de forma clara e nítida.

Autor: James Hodge

O agronegócio precisa se preparar para os impactos da mudança climática

Reforma tributária e o agronegócio

No panorama econômico brasileiro, o agronegócio ocupa espaço de alta relevância.

Autor: Angelo Ambrizzi

Reforma tributária e o agronegócio