Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A crise no boicote ao Facebook

A crise no boicote ao Facebook

22/07/2020 Maria Carolina Avis

O problema disso é que a única forma de monetização do Facebook é com anúncios.

A crise no boicote ao Facebook

Há quem pense que os discursos de ódio racial são "potencializados" pelo Facebook, em suas redes sociais (Facebook, Instagram e WhatsApp), que não toma as devidas providências para que essa ação tenha fim. É o caso de grandes empresas, antes anunciantes do Facebook, que resolveram fazer um boicote ao império de Mark Zuckerberg.

Incentivadas pela organização não governamental Stop Hate for Profit, importantes marcas passaram a redirecionar suas verbas de anúncio para outras mídias digitais, como o Google.

O problema disso é que a única forma de monetização do Facebook é com anúncios. Funciona assim: os usuários podem usar a rede social gratuitamente, mas em troca disso permitem ter seus interesses analisados pela rede social. As empresas podem anunciar um produto para as pessoas de acordo com seus interesses, hábitos e preferências (por isso eu costumo dizer que na internet, o que é gratuito, a mercadoria é você). Isso não é negativo, pois os dados são usados apenas para o direcionamento de anúncios mais segmentados para o melhor público.

E é aí que o Facebook sai perdendo: se os grandes anunciantes saem, as possibilidades de monetização ficam menores. Por enquanto, marcas brasileiras seguem apenas analisando a situação, enquanto marcas globais suspenderam o direcionamento de verba publicitária para o Facebook, como: Coca-Cola, Heineken, Microsoft, Volkswagen, Nívea, Starbucks e outras mais de 400 marcas.

Este protesto fala muito sobre a sociedade, e sobre como o Facebook lida com os discursos de ódio racial disseminados na rede social, e também com as famosas fake news. 

Além de deixar de lucrar com estes anunciantes, a decisão ainda deixa a empresa com um gigante prejuízo: as ações caíram mais de 8%, o que resulta em mais de R$ 300 bilhões do seu valor de mercado.

O Facebook conta com a ajuda da inteligência artificial para banir a disseminação deste tipo de conteúdo falso e promovendo o ódio racial, o que, de acordo com a empresa, consegue filtrar 90% disso tudo. Algoritmos são programados para que nenhum conteúdo como estes, bem como os de nudez ou propagando informações de armas e drogas, sejam mostrados.

* Maria Carolina Avis é professora do curso de Marketing Digital do Centro Universitário Internacional Uninter

Fonte: Página 1 Comunicação



Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Como são as fraudes no Pix e o que os bancos precisam assegurar

Um dos métodos comuns envolve a criação de perfis falsos em aplicativos de mensagens ou redes sociais, além de outros.

Autor: Denis Furtado

Como são as fraudes no Pix e o que os bancos precisam assegurar

A importância da segurança cibernética na manufatura

Estimativas indicam que mais de 60% das empresas de manufatura esperam sofrer tentativas de ataques este ano.

Autor: Ricardo Macchiavelli

A importância da segurança cibernética na manufatura

Como evitar fraudes e vazamentos no WhatsApp

De acordo com dados do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente 2023, mais de 1 bilhão de interações pelo chat foram registradas no país.

Autor: Divulgação

Como evitar fraudes e vazamentos no WhatsApp

Como prevenir, detectar e combater eventuais ataques cibernéticos

O armazenamento de dados e informações em nuvem é uma solução rápida e eficaz para organizações de diferentes portes e ramos de atividade.

Autor: Wellington Monaco

Como prevenir, detectar e combater eventuais ataques cibernéticos

5 passos simples para se proteger na web em 2024

Em um relatório divulgado pela Kaspersky, o Brasil é o país mais afetado por golpes financeiros.

Autor: Paula Renata Nogueira de Souza,

5 passos simples para se proteger na web em 2024

Segurança digital e o tempo de reação

A crescente interconexão e dependência de tecnologia no mundo corporativo tornam organizações de todos os tamanhos suscetíveis a ataques cibernéticos.

Autor: Denis Furtado

Segurança digital e o tempo de reação

Inteligência em gestão de redes e segurança de dados

Abrimos o ano de 2024 com cenários mais complexos e desafiadores para segurança de dados, iniciando um novo capítulo na corrida contra a indústria do cibercrime.

Autor: Alexandre Armellini

Inteligência em gestão de redes e segurança de dados

Golpes virtuais: como as empresas podem se proteger?

Especialista oferece dicas de boas práticas para organizações se protegerem contra golpes e invasões virtuais.

Autor: Divulgação

Golpes virtuais: como as empresas podem se proteger?

Criminosos lavaram mais de US$22 bilhões em criptomoedas em 2023

Volume representa queda de 30% ante 2022; a maior parte dos fundos (72%) foram enviados para apenas 5 serviços de off-ramping.

Autor: Divulgação

Criminosos lavaram mais de US$22 bilhões em criptomoedas em 2023

VPN móvel: como garantir segurança e privacidade no celular?

Ao utilizar redes wi-fi domésticas, pontos de acesso públicos ou redes móveis, qualquer pessoa está exposta a ameaças cibernéticas.

Autor: Marijus Briedis

VPN móvel: como garantir segurança e privacidade no celular?

Apple adota RCS: o que muda para as empresas?

A entrada da Apple deve aumentar em 900 milhões os usuários de RCS em todo mundo nos próximos dois anos, atingindo a marca de 2,1 bilhões de usuários globalmente.

Autor: Thiago Gomes

Apple adota RCS: o que muda para as empresas?