Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A crise no boicote ao Facebook

A crise no boicote ao Facebook

22/07/2020 Maria Carolina Avis

O problema disso é que a única forma de monetização do Facebook é com anúncios.

A crise no boicote ao Facebook

Há quem pense que os discursos de ódio racial são "potencializados" pelo Facebook, em suas redes sociais (Facebook, Instagram e WhatsApp), que não toma as devidas providências para que essa ação tenha fim. É o caso de grandes empresas, antes anunciantes do Facebook, que resolveram fazer um boicote ao império de Mark Zuckerberg.

Incentivadas pela organização não governamental Stop Hate for Profit, importantes marcas passaram a redirecionar suas verbas de anúncio para outras mídias digitais, como o Google.

O problema disso é que a única forma de monetização do Facebook é com anúncios. Funciona assim: os usuários podem usar a rede social gratuitamente, mas em troca disso permitem ter seus interesses analisados pela rede social. As empresas podem anunciar um produto para as pessoas de acordo com seus interesses, hábitos e preferências (por isso eu costumo dizer que na internet, o que é gratuito, a mercadoria é você). Isso não é negativo, pois os dados são usados apenas para o direcionamento de anúncios mais segmentados para o melhor público.

E é aí que o Facebook sai perdendo: se os grandes anunciantes saem, as possibilidades de monetização ficam menores. Por enquanto, marcas brasileiras seguem apenas analisando a situação, enquanto marcas globais suspenderam o direcionamento de verba publicitária para o Facebook, como: Coca-Cola, Heineken, Microsoft, Volkswagen, Nívea, Starbucks e outras mais de 400 marcas.

Este protesto fala muito sobre a sociedade, e sobre como o Facebook lida com os discursos de ódio racial disseminados na rede social, e também com as famosas fake news. 

Além de deixar de lucrar com estes anunciantes, a decisão ainda deixa a empresa com um gigante prejuízo: as ações caíram mais de 8%, o que resulta em mais de R$ 300 bilhões do seu valor de mercado.

O Facebook conta com a ajuda da inteligência artificial para banir a disseminação deste tipo de conteúdo falso e promovendo o ódio racial, o que, de acordo com a empresa, consegue filtrar 90% disso tudo. Algoritmos são programados para que nenhum conteúdo como estes, bem como os de nudez ou propagando informações de armas e drogas, sejam mostrados.

* Maria Carolina Avis é professora do curso de Marketing Digital do Centro Universitário Internacional Uninter

Fonte: Página 1 Comunicação



Cultura organizacional e o sucesso das estratégias de segurança digital

As pessoas são o maior patrimônio de uma empresa.


Empreendedores menos escolarizados têm mais dificuldade de digitalizar os negócios

Pesquisa mostra resistência ou desinformação desses empresários sobre vendas pela internet.

Empreendedores menos escolarizados têm mais dificuldade de digitalizar os negócios

Faça backup das conversas do WhatsApp de Android para iPhone

Você comprou um novo iPhone e pretende copiar todas as suas conversas do seu antigo android para este novo smartphone?

Faça backup das conversas do WhatsApp de Android para iPhone

Startups em logística: um novo negócio

No meio acadêmico, universidades já orientam os estudantes para essa tendência.

Startups em logística: um novo negócio

Brasil, o país do podcast

Já sabemos que podcasts estão em alta.

Brasil, o país do podcast

Twitter lança ferramenta de combate à violência doméstica

Recurso pode ser usado por vítimas e por testemunhas.

Twitter lança ferramenta de combate à violência doméstica

Inbound x Outbound: qual o melhor para o seu negócio

Venha descobrir neste post sobre as maiores vantagens e desvantagens do Inbound e Outbound Marketing para o seu negócio!

Inbound x Outbound: qual o melhor para o seu negócio

Brasil teve mais de 1,6 bilhão de ataques cibernéticos em três meses

OMS, Departamento de Saúde dos Estados Unidos e outras organizações também foram alvos dos hackers nos últimos meses.

Brasil teve mais de 1,6 bilhão de ataques cibernéticos em três meses

Consumidores que compraram alimentos pela internet chegam a 53%

Isolamento social causado pela covid-19 influencia pesquisa.

Consumidores que compraram alimentos pela internet chegam a 53%

TikTok, Covid-19 e Cyberwar: nunca fomos tão vigiados

Como no filme “A vida de Truman”, o cidadão comum é cada dia mais vigiado, não só no Brasil, mas, de modo geral, em todos os lugares do mundo.


Os avanços da tecnologia antifraude para as transações on-line

Em tempos de coronavírus e de isolamento social, estamos utilizando mais do que nunca o comércio eletrônico.

Os avanços da tecnologia antifraude  para as transações on-line

Hackers russos são pegos atacando empresas farmacêuticas e universidades

Alvos são pesquisas sobre o desenvolvimento da vacina contra o COVID-19.

Hackers russos são pegos atacando empresas farmacêuticas e universidades