Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A crise no boicote ao Facebook

A crise no boicote ao Facebook

22/07/2020 Maria Carolina Avis

O problema disso é que a única forma de monetização do Facebook é com anúncios.

A crise no boicote ao Facebook

Há quem pense que os discursos de ódio racial são "potencializados" pelo Facebook, em suas redes sociais (Facebook, Instagram e WhatsApp), que não toma as devidas providências para que essa ação tenha fim. É o caso de grandes empresas, antes anunciantes do Facebook, que resolveram fazer um boicote ao império de Mark Zuckerberg.

Incentivadas pela organização não governamental Stop Hate for Profit, importantes marcas passaram a redirecionar suas verbas de anúncio para outras mídias digitais, como o Google.

O problema disso é que a única forma de monetização do Facebook é com anúncios. Funciona assim: os usuários podem usar a rede social gratuitamente, mas em troca disso permitem ter seus interesses analisados pela rede social. As empresas podem anunciar um produto para as pessoas de acordo com seus interesses, hábitos e preferências (por isso eu costumo dizer que na internet, o que é gratuito, a mercadoria é você). Isso não é negativo, pois os dados são usados apenas para o direcionamento de anúncios mais segmentados para o melhor público.

E é aí que o Facebook sai perdendo: se os grandes anunciantes saem, as possibilidades de monetização ficam menores. Por enquanto, marcas brasileiras seguem apenas analisando a situação, enquanto marcas globais suspenderam o direcionamento de verba publicitária para o Facebook, como: Coca-Cola, Heineken, Microsoft, Volkswagen, Nívea, Starbucks e outras mais de 400 marcas.

Este protesto fala muito sobre a sociedade, e sobre como o Facebook lida com os discursos de ódio racial disseminados na rede social, e também com as famosas fake news. 

Além de deixar de lucrar com estes anunciantes, a decisão ainda deixa a empresa com um gigante prejuízo: as ações caíram mais de 8%, o que resulta em mais de R$ 300 bilhões do seu valor de mercado.

O Facebook conta com a ajuda da inteligência artificial para banir a disseminação deste tipo de conteúdo falso e promovendo o ódio racial, o que, de acordo com a empresa, consegue filtrar 90% disso tudo. Algoritmos são programados para que nenhum conteúdo como estes, bem como os de nudez ou propagando informações de armas e drogas, sejam mostrados.

* Maria Carolina Avis é professora do curso de Marketing Digital do Centro Universitário Internacional Uninter

Fonte: Página 1 Comunicação




Dez dicas de etiqueta nas redes sociais

Quando beber, fique longe das redes sociais. Confira essa e outras dicas!

Dez dicas de etiqueta nas redes sociais

Novos termos de privacidade do WhatsApp desrespeitam a LGPD

Além de ferir a legislação, o aplicativo coloca em risco as informações pessoais dos usuários.

Novos termos de privacidade do WhatsApp desrespeitam a LGPD

5 formas da sua empresa ser invadida e como se prevenir

Especialista chama a atenção para erros básicos que podem acontecer nas empresas, como a violação física de dados, e dá algumas dicas sobre como estar sempre alerta.

5 formas da sua empresa ser invadida e como se prevenir

As piores senhas do mundo que você nunca deve usar

Pelo quinto ano consecutivo, as senhas mais populares do mundo são “123456” e “password” (senha).

As piores senhas do mundo que você nunca deve usar

Tecnoestresse – como evitar o lado negativo do excesso de conectividade

O termo é entendido como o vínculo psicológico negativo entre as pessoas e a introdução de tecnologias.

Tecnoestresse – como evitar o lado negativo do excesso de conectividade

E-commerce deve fortalecer comércio exterior em 2021

Setor deve ter saldo positivo com produtos vendidos online.

E-commerce deve fortalecer comércio exterior em 2021

Como funcionam os algoritmos das redes sociais?

O que dá para saber sobre seu funcionamento é que são baseados em relacionamento, temporalidade e engajamento.

Como funcionam os algoritmos das redes sociais?

Brasil está entre os 30 países que pagam mais caro pela internet

País cobra cerca de R$113,70 pelo acesso à rede mundial de computadores.

Brasil está entre os 30 países que pagam mais caro pela internet

Brasil e Reino Unido assinam cooperação sobre inovação digital

Digitalização e a transparência serão enfatizadas.

Brasil e Reino Unido assinam cooperação sobre inovação digital

Especialista alerta sobre cuidados no uso do QR Code

Ao acessar QR Code falso, usuário pode ter dados roubados.

Especialista alerta sobre cuidados no uso do QR Code

Crimes cibernéticos aumentaram 75% na pandemia

Técnicas como spam, vishing e smishing foram as mais utilizadas para atingir computadores de maneira remota.

Crimes cibernéticos aumentaram 75% na pandemia

Panorama de 2020 e destino do e-commerce no Brasil, o que esperar para o próximo ano

Para manter este crescimento é importante os negócios digitais manterem os investimentos nos canais para que a performance seja positiva.

Panorama de 2020 e destino do e-commerce no Brasil, o que esperar para o próximo ano