Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como resolver a complexidade da infraestrutura de TI em Nuvem?

Como resolver a complexidade da infraestrutura de TI em Nuvem?

09/12/2019 Michael Allen

Uma importante mudança está acontecendo agora em algumas das principais organizações de todo o mundo: independentemente de seus setores e mercados, elas estão transformando suas operações em verdadeiras empresas de software.

Isso acontece porque, à medida que as companhias se esforçam para oferecer experiências digitais únicas, mais os ecossistemas de Nuvem corporativa precisam oferecer agilidade e eficiência às equipes de TI e negócios.

Ou seja: quanto mais as administrações avançam para atender seus usuários e para criar soluções melhores, mais elas dependem dos sistemas e ferramentas digitais.

No entanto, essa transformação está criando um nível de complexidade que os líderes de negócios digitais e de TI nunca experimentaram antes.

Pesquisas revelam, por exemplo, que as equipes de TI estão gastando cerca de um terço do tempo lidando apenas com problemas de performance, custando aos seus empregadores uma média de US$ 3,3 milhões a cada ano.

Os custos de se gerenciar a performance de redes de maneira recorrente estão sendo impulsionados, em grande parte, pela crescente complexidade das aplicações corporativas e pela natureza dinâmica dos ecossistemas híbridos e baseados em múltiplas Nuvens.

Novas aplicações em Nuvem estão sendo criadas e integradas diariamente às infraestruturas críticas de negócios.

Esse cenário é fundamental para permitir a agilidade necessária para acelerar a inovação nas empresas. Por outro lado, essas mudanças também resultam em um ambiente de TI com bilhões de ligações e dependências, em que uma única transação via Web ou dispositivo móvel precisa atravessar, em média, 37 sistemas ou componentes diferentes.

Estamos falando, portanto, de uma rede extremamente complexa – e que a equipe de TI deve ser capaz de gerenciar de forma completa.

Afinal de contas, ao não conseguirem entender a complexidade de seus ambientes em Nuvem, as organizações estão se vendo diante de uma infinidade de possíveis problemas, que poderão atrapalhar os negócios na era atual, na qual a experiência digital é fundamental.

Essa dificuldade em monitorar e gerenciar as redes de forma proativa e inteligente está causando uma preocupação real para os Chief Information Officer (CIOs).

Hoje, pesquisas indicam que 44% dos CIOs acreditam que a incapacidade de gerenciar a performance de TI pode representar uma grave ameaça à própria existência de suas companhias.

Seja impedindo os consumidores de comprar uma passagem de avião ou acessar o banco on-line, os problemas de performance podem ter graves consequências no nível dos negócios, por danos à reputação ou perda de receita, o que nenhuma empresa pode pagar.

Para aliviar essas preocupações, as organizações chegaram a responder com um conjunto misto de ferramentas de monitoramento, cada uma delas fornecendo sua própria peça do quebra-cabeças sobre o que está ocorrendo na Nuvem corporativa.

No entanto, embora essas ferramentas tenham sido adotadas para facilitar o monitoramento, elas tiveram, de várias maneiras, o efeito oposto.

Muitas dessas soluções obrigaram as equipes de TI a agregar e correlacionar manualmente dados de várias fontes para criar e manter uma imagem completa de seu ecossistema em Nuvem.

Isso tornou-se impossível de acompanhar em meio à enxurrada constante de dados que são veiculados em uma variedade de painéis a cada minuto.

Como resultado, está se tornando mais difícil fornecer serviços de maneira confiável, pois a TI luta para manter a visibilidade das experiências do usuário.

Os problemas com várias ferramentas de monitoramento são agravados ainda mais pela natureza cada vez mais dinâmica da infraestrutura em Nuvem.

Apesar das arquiteturas nativas do modelo Cloud trazerem um nível fenomenal de agilidade aos ecossistemas corporativos de TI, ajudando as organizações a acelerar a inovação, essas inovações tornaram impossível monitorar a performance.

Por exemplo: a natureza da “caixa preta” dos contêineres está criando pontos cegos em que as equipes de TI precisam confiar em suposições e intuição para identificar e resolver problemas de performance.

Revelando a extensão desse desafio específico, quase três quartos dos CIOs dizem que estão achando muito difícil monitorar a performance dos microsserviços.

Apesar dos investimentos significativos para gerenciar a performance digital, muitas organizações ainda não conseguem identificar a causa raiz de uma falha ou, tampouco, remediar os problemas com rapidez suficiente para impedir que clientes e usuários finais sejam impactados.

Isso deixa essas companhias vulneráveis, sobretudo em um mundo onde os consumidores têm opções aparentemente ilimitadas e é mais fácil do que nunca mudar para um provedor alternativo que pode oferecer uma experiência melhor.

Nesse contexto, os líderes de TI e de negócios devem perceber que lançar mão-de-obra adicional para lidar com os problemas não funciona mais.

As organizações de hoje precisam combinar uma visão em tempo real de seu ambiente de Nuvem híbrida e a utilização de soluções de Inteligência Artificial determinística, que forneça insights acionáveis sobre a performance das aplicações, a infraestrutura virtual subjacente e os impactos à experiência dos usuários.

Isso pode permitir a aplicação de uma verdadeira inteligência de software, abrindo caminho para operações de TI autônomas e negócios modernos de software.

Somente ao adotar as ferramentas mais eficazes e inteligentes para lidar com o acúmulo de dependências e ligações é que as companhias serão capazes de dominar verdadeiramente a performance de suas redes e de fornecer experiências digitais únicas, mesmo em meio à complexidade da Nuvem corporativa.

* Michael Allen é VP Worldwide Partners da Dynatrace.

Fonte: PLANIN



Brasil já tem mais de 151 milhões de celulares 4G

Ao todo já são 4.651 municípios com cobertura de quarta geração

Brasil já tem mais de 151 milhões de celulares 4G

Seis passos para quem deseja empreender como influenciador digital

Sucesso nessa atividade às vezes leva tempo e dá trabalho, mas é viável e vale a pena.

Seis passos para quem deseja empreender como influenciador digital

Os desafios na Gestão de TI

A vida do gestor de TI não é fácil ou simples.


Pesquisa indica efeitos negativos causados por videogames

Depressão, dificuldade para dormir, demissão são alguns dos efeitos negativos indicados pelo estudo.

Pesquisa indica efeitos negativos causados por videogames

Ser on-line é saber da importância do off-line

“É lindo ver o mundo se tornar digital, mas todos nós precisamos vigiar para que ele nunca deixe de ser humano e pessoal.”


Cresce o número de consumidores que devem comprar na Black Friday se preços valerem a pena

Pesquisa mostra que houve um aumento sete pontos percentuais entre os que vão avaliar ofertas antes de fechar negócio, apontam CNDL/SPC Brasil.

Cresce o número de consumidores que devem comprar na Black Friday se preços valerem a pena

O que falta para o Brasil avançar na área de cibersegurança?

Links suspeitos, malwares, vazamento de dados, privacidade digital.


WhatsApp baniu 400 mil contas do Brasil nas últimas eleições

As contas foram banidas entre 15 de agosto e 28 de outubro de 2018.

WhatsApp baniu 400 mil contas do Brasil nas últimas eleições

Google e Facebook lançam serviços financeiros

Não apenas uma, mas duas gigantes de tecnologia lançaram serviços financeiros nesta semana.

Google e Facebook lançam serviços financeiros

Aplicativo brasileiro permite fazer doações sem gastar dinheiro

Tecnologia criada pela Ribon já realizou mais de cinco milhões de doações com apoio de empresas nacionais que beneficiam pessoas em todo planeta.

Aplicativo brasileiro permite fazer doações sem gastar dinheiro

Celulares pré-pagos desatualizados são bloqueados em 17 estados

Segundo a Anatel, o objetivo da iniciativa é assegurar uma base cadastral correta e atualizada.

Celulares pré-pagos desatualizados são bloqueados em 17 estados

TSE traça estratégias de combate à desinformação nas Eleições 2020

TSE reúne-se com Google, Facebook, WhatsApp e Twitter para alinhar combate a fakes news.

TSE traça estratégias de combate à desinformação nas Eleições 2020