Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Gregos antigos, redes sociais e mercado editorial

Gregos antigos, redes sociais e mercado editorial

01/03/2020 Tânia Lins

Na Grécia Antiga, entre os séculos 8 a.C. e 2 a.C., os gregos recorriam ao Oráculo de Delfos para receber previsões sobre o futuro, orientações e conselhos.

Na atualidade, de forma prática, consultamos o Google para todas as nossas indagações ou, pelo menos, parte delas.

Perguntamos tudo para o site de busca mais popular do mundo, desde o significado de uma palavra até se devemos adquirir determinado produto.

Quem diria que, em tão pouco tempo, nos tornaríamos tão adaptados à tecnologia oriunda do advento da internet? E, mais, pautaríamos nossas escolhas e determinaríamos nossa relação de consumo nas pesquisas que realizamos diariamente no mundo virtual?

Essa estreita relação que temos com a internet e as redes sociais ultrapassou a esfera da pessoa física para alcançar a pessoa jurídica.

Diante da crise que se instaurou no mercado editorial, marcada principalmente pelo pedido de recuperação, em 2018, das duas principais livrarias do país –  Cultura e Saraiva – grande parte das editoras decidiu buscar novos modelos de negócios para a visibilidade de seu produto, que não podia mais contar apenas com as vitrines e gôndolas das grandes redes comerciais.

Agora, mais do que nunca, é necessário apostar nas mídias sociais como ferramenta de marketing e divulgação de produtos e para identificar o perfil de leitores, que estão atentos aos comentários de outros internautas, lendo resumos e críticas sobre autores e suas obras.

Porém, frente a essa nova realidade, não basta criar conteúdo e despejá-lo nas redes sociais; é preciso que ele seja relevante e esteja relacionado a assuntos de interesse do stakeholder da casa editorial.

As mudanças ocorrem diariamente; mais e mais editoras têm apostado em conteúdo digital para conhecer os hábitos e o gosto de leitura de seus clientes e para estreitar os laços de interação entre eles e os autores.

Há alguns anos, por exemplo, a única forma de um fã conhecer seu autor predileto era por meio de eventos no mundo “real”, hoje, no entanto, essa interação ocorre no mundo virtual por meio das redes sociais e de outras ferramentas on-line.

É tempo de abandonar velhos conceitos, descartar ideias ultrapassadas e caminhar rumo ao futuro, utilizando ferramentas digitais e tornando sua editora participativa nas redes sociais, pois o leitor está cada vez mais ativo e vai atrás das informações nos canais em que confia.

Aposte em conteúdo de qualidade, compartilhe informações relevantes, engaje sua editora em ações sociais e lembre-se de que o seu produto não é somente o livro, pois o mundo carece de conhecimento e de pessoas que propaguem boas ideias.

Esse é seu papel na construção de um mundo mais inclusivo. E aí, convencido? Então responda: você já alimentou suas redes hoje?

* Tânia Lins é formada em Administração de Empresas e pós-graduada em Língua Portuguesa e Comunicação Empresarial e Institucional.

Fonte: Frida Luna Boutique de Comunicação



Governo lança portal com informações sobre o FGTS Digital

Versão digital entra em operação até final do ano.

Governo lança portal com informações sobre o FGTS Digital

A promessa da Enjin Coin (ENJ) caiu por terra. As perspectivas de Mushe (XMU) continuam crescendo

A Enjin Coin (ENJ) trouxe uma forma interessante de integrar partes anteriormente díspares do espaço dos criptoativos. Porém, será que sua valorização se manterá consistente ao longo do tempo?

A promessa da Enjin Coin (ENJ) caiu por terra. As perspectivas de Mushe (XMU) continuam crescendo

Como a inteligência de dados auxilia o Open Finance

Imagine que a sua televisão está com defeito. Você busca um modelo um pouco melhor na internet (afinal, você merece) e decide comprá-la em algumas suaves prestações.


Wax (WAXP) e Mushe (XMU): as melhores criptomoedas eco-friendly

Existe uma forma para as finanças descentralizadas se tornarem mais sustentáveis. Aqui estão as empresas que estão pavimentando o caminho.

Wax (WAXP) e Mushe (XMU): as melhores criptomoedas eco-friendly

A importância da Educação para uma internet segura para todos

Há uma série de leis, regulamentos e normas técnicas que reforçam o valor da informação.

A importância da Educação para uma internet segura para todos

O metaverso vem aí e está mais próximo do que você imagina

Você, assim como eu, já deve ter ouvido falar no Metaverso.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Comportamento digital: 10 destinos internacionais mais buscados no último ano

Orlando, nos Estados Unidos, e Cancún, no México, foram os destinos mais hypados, aponta ViajaNet.

Comportamento digital: 10 destinos internacionais mais buscados no último ano

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Como fazer em caso de PIX em conta errada?

No caso das pessoas que fez o pagamento, a alternativa é buscar a sua agência bancária para resolver a situação.

Como fazer em caso de PIX em conta errada?

Metaverso na construção civil: o futuro é virtual

O metaverso que constrói o mundo virtual de Snow Crash, livro de Neal Stephenson de 1992, é daqueles shows de ficção que enredam o leitor do começo ao fim.

Metaverso na construção civil: o futuro é virtual

Melhores Cryptos 2022: Mushe (XMU) e Fantom (FTM)

Mushe (XMU) e Fantom (FTM): Por que os analistas dizem que você deve comprar e manter na carteira.

Melhores Cryptos 2022: Mushe (XMU) e Fantom (FTM)