Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Gregos antigos, redes sociais e mercado editorial

Gregos antigos, redes sociais e mercado editorial

01/03/2020 Tânia Lins

Na Grécia Antiga, entre os séculos 8 a.C. e 2 a.C., os gregos recorriam ao Oráculo de Delfos para receber previsões sobre o futuro, orientações e conselhos.

Na atualidade, de forma prática, consultamos o Google para todas as nossas indagações ou, pelo menos, parte delas.

Perguntamos tudo para o site de busca mais popular do mundo, desde o significado de uma palavra até se devemos adquirir determinado produto.

Quem diria que, em tão pouco tempo, nos tornaríamos tão adaptados à tecnologia oriunda do advento da internet? E, mais, pautaríamos nossas escolhas e determinaríamos nossa relação de consumo nas pesquisas que realizamos diariamente no mundo virtual?

Essa estreita relação que temos com a internet e as redes sociais ultrapassou a esfera da pessoa física para alcançar a pessoa jurídica.

Diante da crise que se instaurou no mercado editorial, marcada principalmente pelo pedido de recuperação, em 2018, das duas principais livrarias do país –  Cultura e Saraiva – grande parte das editoras decidiu buscar novos modelos de negócios para a visibilidade de seu produto, que não podia mais contar apenas com as vitrines e gôndolas das grandes redes comerciais.

Agora, mais do que nunca, é necessário apostar nas mídias sociais como ferramenta de marketing e divulgação de produtos e para identificar o perfil de leitores, que estão atentos aos comentários de outros internautas, lendo resumos e críticas sobre autores e suas obras.

Porém, frente a essa nova realidade, não basta criar conteúdo e despejá-lo nas redes sociais; é preciso que ele seja relevante e esteja relacionado a assuntos de interesse do stakeholder da casa editorial.

As mudanças ocorrem diariamente; mais e mais editoras têm apostado em conteúdo digital para conhecer os hábitos e o gosto de leitura de seus clientes e para estreitar os laços de interação entre eles e os autores.

Há alguns anos, por exemplo, a única forma de um fã conhecer seu autor predileto era por meio de eventos no mundo “real”, hoje, no entanto, essa interação ocorre no mundo virtual por meio das redes sociais e de outras ferramentas on-line.

É tempo de abandonar velhos conceitos, descartar ideias ultrapassadas e caminhar rumo ao futuro, utilizando ferramentas digitais e tornando sua editora participativa nas redes sociais, pois o leitor está cada vez mais ativo e vai atrás das informações nos canais em que confia.

Aposte em conteúdo de qualidade, compartilhe informações relevantes, engaje sua editora em ações sociais e lembre-se de que o seu produto não é somente o livro, pois o mundo carece de conhecimento e de pessoas que propaguem boas ideias.

Esse é seu papel na construção de um mundo mais inclusivo. E aí, convencido? Então responda: você já alimentou suas redes hoje?

* Tânia Lins é formada em Administração de Empresas e pós-graduada em Língua Portuguesa e Comunicação Empresarial e Institucional.

Fonte: Frida Luna Boutique de Comunicação



Melhores técnicas para humanizar seu conteúdo GPT de bate-papo em 2024

Quer humanizar seu texto escrito GPT? Leia este guia e colete todas as dicas e truques importantes que podem ajudá-lo a simplificar o texto robótico e ignorar as detecções avançadas….

Autor: Divulgação

Melhores técnicas para humanizar seu conteúdo GPT de bate-papo em 2024

Ferramenta gratuita vai revolucionar o ensino da ciência geológica

Seequent lança um aplicativo na web para ajudar a combater a escassez global de geocientistas.

Autor: Divulgação

Ferramenta gratuita vai revolucionar o ensino da ciência geológica

Por que a integração do OCR é essencial para locais de trabalho modernos?

O local de trabalho moderno prospera com eficiência e acessibilidade.

Autor: Divulgação

Por que a integração do OCR é essencial para locais de trabalho modernos?

Brasil registra R$ 3,5 bilhões em tentativas de fraude em 2023

No período, ocorreram 3,7 milhões de tentativas de fraudes, redução de 28,3% em relação ao ano anterior.

Autor: Divulgação

Brasil registra R$ 3,5 bilhões em tentativas de fraude em 2023

Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes,.

Autor: Claudia Machado


Como são as fraudes no Pix e o que os bancos precisam assegurar

Um dos métodos comuns envolve a criação de perfis falsos em aplicativos de mensagens ou redes sociais, além de outros.

Autor: Denis Furtado

Como são as fraudes no Pix e o que os bancos precisam assegurar

A importância da segurança cibernética na manufatura

Estimativas indicam que mais de 60% das empresas de manufatura esperam sofrer tentativas de ataques este ano.

Autor: Ricardo Macchiavelli

A importância da segurança cibernética na manufatura

Como evitar fraudes e vazamentos no WhatsApp

De acordo com dados do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente 2023, mais de 1 bilhão de interações pelo chat foram registradas no país.

Autor: Divulgação

Como evitar fraudes e vazamentos no WhatsApp

Como prevenir, detectar e combater eventuais ataques cibernéticos

O armazenamento de dados e informações em nuvem é uma solução rápida e eficaz para organizações de diferentes portes e ramos de atividade.

Autor: Wellington Monaco

Como prevenir, detectar e combater eventuais ataques cibernéticos

5 passos simples para se proteger na web em 2024

Em um relatório divulgado pela Kaspersky, o Brasil é o país mais afetado por golpes financeiros.

Autor: Paula Renata Nogueira de Souza,

5 passos simples para se proteger na web em 2024

Segurança digital e o tempo de reação

A crescente interconexão e dependência de tecnologia no mundo corporativo tornam organizações de todos os tamanhos suscetíveis a ataques cibernéticos.

Autor: Denis Furtado

Segurança digital e o tempo de reação

Inteligência em gestão de redes e segurança de dados

Abrimos o ano de 2024 com cenários mais complexos e desafiadores para segurança de dados, iniciando um novo capítulo na corrida contra a indústria do cibercrime.

Autor: Alexandre Armellini

Inteligência em gestão de redes e segurança de dados