Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Gregos antigos, redes sociais e mercado editorial

Gregos antigos, redes sociais e mercado editorial

01/03/2020 Tânia Lins

Na Grécia Antiga, entre os séculos 8 a.C. e 2 a.C., os gregos recorriam ao Oráculo de Delfos para receber previsões sobre o futuro, orientações e conselhos.

Na atualidade, de forma prática, consultamos o Google para todas as nossas indagações ou, pelo menos, parte delas.

Perguntamos tudo para o site de busca mais popular do mundo, desde o significado de uma palavra até se devemos adquirir determinado produto.

Quem diria que, em tão pouco tempo, nos tornaríamos tão adaptados à tecnologia oriunda do advento da internet? E, mais, pautaríamos nossas escolhas e determinaríamos nossa relação de consumo nas pesquisas que realizamos diariamente no mundo virtual?

Essa estreita relação que temos com a internet e as redes sociais ultrapassou a esfera da pessoa física para alcançar a pessoa jurídica.

Diante da crise que se instaurou no mercado editorial, marcada principalmente pelo pedido de recuperação, em 2018, das duas principais livrarias do país –  Cultura e Saraiva – grande parte das editoras decidiu buscar novos modelos de negócios para a visibilidade de seu produto, que não podia mais contar apenas com as vitrines e gôndolas das grandes redes comerciais.

Agora, mais do que nunca, é necessário apostar nas mídias sociais como ferramenta de marketing e divulgação de produtos e para identificar o perfil de leitores, que estão atentos aos comentários de outros internautas, lendo resumos e críticas sobre autores e suas obras.

Porém, frente a essa nova realidade, não basta criar conteúdo e despejá-lo nas redes sociais; é preciso que ele seja relevante e esteja relacionado a assuntos de interesse do stakeholder da casa editorial.

As mudanças ocorrem diariamente; mais e mais editoras têm apostado em conteúdo digital para conhecer os hábitos e o gosto de leitura de seus clientes e para estreitar os laços de interação entre eles e os autores.

Há alguns anos, por exemplo, a única forma de um fã conhecer seu autor predileto era por meio de eventos no mundo “real”, hoje, no entanto, essa interação ocorre no mundo virtual por meio das redes sociais e de outras ferramentas on-line.

É tempo de abandonar velhos conceitos, descartar ideias ultrapassadas e caminhar rumo ao futuro, utilizando ferramentas digitais e tornando sua editora participativa nas redes sociais, pois o leitor está cada vez mais ativo e vai atrás das informações nos canais em que confia.

Aposte em conteúdo de qualidade, compartilhe informações relevantes, engaje sua editora em ações sociais e lembre-se de que o seu produto não é somente o livro, pois o mundo carece de conhecimento e de pessoas que propaguem boas ideias.

Esse é seu papel na construção de um mundo mais inclusivo. E aí, convencido? Então responda: você já alimentou suas redes hoje?

* Tânia Lins é formada em Administração de Empresas e pós-graduada em Língua Portuguesa e Comunicação Empresarial e Institucional.

Fonte: Frida Luna Boutique de Comunicação



O que fazer ao cair em um golpe virtual?

A pandemia foi um prato cheio para crimes cibernéticos. Desde março, a quantidade de golpes virtuais cresceu exponencialmente.

O que fazer ao cair em um golpe virtual?

Seis propostas de aplicativos do CEFET-MG são aprovadas em maratona nacional

Protótipos, selecionados entre 314 propostas de todo o país, usam tecnologia para auxiliar aprendizagem de Química, Energia Sustentável, História e Biologia nas escolas públicas.

Seis propostas de aplicativos do CEFET-MG são aprovadas em maratona nacional

Pós-pandemia: 30% das empresas devem manter home office, diz pesquisa

O estudo foi realizado em 17 países e contou com a participação de diretores de TI de empresas com mais de 2.500 funcionários.

Pós-pandemia: 30% das empresas devem manter home office, diz pesquisa

Vendas por aplicativo ganham força com Super-App da Zanthus

O Zapp agrega praticidade à rotina do consumidor, com self scan que permite escanear os produtos, gerar carrinho e finalizar a compra sem passar no caixa.

Vendas por aplicativo ganham força com Super-App da Zanthus

O que você tem feito para ingressar em um mercado mutante cada vez mais digital?

Bem-vindo (a) ao novo momento do mercado mutante digital e suas amplas possibilidades.

O que você tem feito para ingressar em um mercado mutante cada vez mais digital?

Startup unicórnio: saiba o que é e como criar uma

Menos de 10 anos atrás, os jovens pensavam em ser médicos, advogados e engenheiros.

Startup unicórnio: saiba o que é e como criar uma

Número de lojas exclusivamente virtuais cresce 40,7% em 2020

Isolamento e quarentena impulsionaram formas digitais de comércio.

Número de lojas exclusivamente virtuais cresce 40,7% em 2020

Sete motivos para jogar xadrez on-line

Além da estratégia, jogo reforça respeito, resiliência, desenvolvimento, foco e concentração. Saiba por onde começar e por que é tão benéfico para crianças.

Sete motivos para jogar xadrez on-line

Qual será o futuro do TikTok?

Os dias parecem estar contados para o TikTok nos Estados Unidos.

Qual será o futuro do TikTok?

Pesquisa revela que 84,1% dos produtores rurais acessam tecnologias digitais

O estudo realizado pelo Sebrae, em parceria com Embrapa e Inpe, mostrou que o processo produtivo da agricultura brasileira conta com participação ativa de insumos tecnológicos.

Pesquisa revela que 84,1% dos produtores rurais acessam tecnologias digitais

Mercado Livre triplica lucro no 2º trimestre de 2020

Mercado Livre mantém para 2020 o plano de investimentos de 4 bilhões de reais no país.

Mercado Livre triplica lucro no 2º trimestre de 2020

Cultura organizacional e o sucesso das estratégias de segurança digital

As pessoas são o maior patrimônio de uma empresa.