Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Ninguém está a salvo: Coronavírus e cibersegurança

Ninguém está a salvo: Coronavírus e cibersegurança

02/03/2020 Anderson França

O Coronavírus colocou o mundo inteiro em estado de alerta máximo.

Ninguém está a salvo: Coronavírus e cibersegurança

Motivos, de fato, não faltam: a contaminação que se espalha pela China e que atinge diversos países de todo o planeta tem mostrado que o vírus é mais veloz e letal do que poderíamos imaginar. O que pouca gente sabe, porém, é que o Coronavírus tem representado cada vez mais uma ameaça digital.

Os cibercriminosos estão se aproveitando do estado de alerta da população mundial, principalmente nos países que têm maior risco de contaminação, para enviarem mensagens com conteúdos falsos que disseminam diversos agentes maliciosos especialmente criados para roubar dados bancários e ter acesso irrestrito aos arquivos (corporativos e pessoais).

Por meio de e-mails com links falsos ou de arquivos anexos perigosos que, aparentemente, trazem apenas as instruções de proteção e identificação do novo vírus, os criminosos estão atacando eletronicamente a população. Ao clicar no conteúdo de uma mensagem, os usuários têm seus computadores invadidos e seus dispositivos infectados com malwares, como o Trojan Emotet (eficaz em ataques a governos e instituições financeiras); Cavalo de Troia (capaz de espionar e roubar dados confidenciais, além de obter acesso ao sistema do dispositivo); e os Ransomwares (cuja função é restringir o acesso ao sistema e cobrar seu resgate em criptomoedas).

Vale destacar, porém, que não estamos diante de nenhuma grande novidade, pois hackers sempre enviam e-mails e conteúdos falsos para ‘fisgar’ os dados das pessoas. Porém, o que causa surpresa é a quantidade de ataques e a sofisticação das armadilhas.

Por isso, é importante ter em mente que estamos em uma era hiperconectada, na qual grande parte da população se informa e comunica pela Internet. Em outras palavras, estamos sujeitos a ser alvo desses ataques a cada clique que damos. A questão estratégica é o que podemos fazer para mitigar essas ameaças?

A primeira resposta é trabalhar a cautela. As empresas podem começar suas ações, limitando o acesso a links estranhos e orientando seus funcionários a não abrirem anexos de desconhecidos. É importante repensar de forma contínua os índices e as medidas de segurança a partir de planos específicos para capacitar e qualificar todos os colaboradores, como um mantra a ser seguido por todos. É preciso compartilhar melhores práticas de proteção na Web – inclusive em aplicativos de mensagens instantâneas. Os líderes devem acompanhar essa jornada de perto, buscando caminhos para orientar as equipes e alertar continuamente sobre a importância de parar e pensar antes de abrir links estranhos ou arquivos anexos suspeitos.

Além da formação de uma cultura orientada à cibersegurança, é preciso investir no uso de tecnologias capazes de identificar vulnerabilidades e prevenir os ataques, com filtros de conteúdo e firewalls que limitem o acesso de informações e mantenham todos os dispositivos protegidos, usando antivírus e, também, por programas certificados de proteção e detecção de ataques.

Outra forma de se proteger é ter soluções específicas para cada equipamento. Utilizar ferramentas adequadas e sempre atualizadas ajuda a evitar o roubo de dados, espionagem, exposições indevidas ou a danificação de bases de dados estratégicas para o negócio. Contar com soluções de última geração - que permitam uma análise inteligente, proativa e em tempo real – é importante para impedir que vírus atualizados entrem na rede corporativa, causando danos irreparáveis. Essa proteção deve estar presente em PC, servidores e em smartphones, pois esses aparelhos estão entre os mais usados pelos brasileiros.

Além da mudança de hábito do usuário, que deve desconfiar sempre do remetente desconhecido e não abrir qualquer arquivo recebido, a tecnologia de proteção já está disponível no Brasil e pode ser encarada como um fator imprescindível para aumentar a segurança digital das empresas. O Coronavírus tem nos mostrado que combater epidemias exige trabalho conjunto, coordenação e muito controle. Hoje, todos nós queremos ter informação rápida e global, mas vale a pergunta: sua organização está realmente preparada para trabalhar com segurança? A resposta começa pela tecnologia que utiliza e pelas políticas de cibersegurança. Manualmente é impossível proteger os ataques.

* Anderson França, CEO da Blockbit

Fonte: Planin



O que fazer ao cair em um golpe virtual?

A pandemia foi um prato cheio para crimes cibernéticos. Desde março, a quantidade de golpes virtuais cresceu exponencialmente.

O que fazer ao cair em um golpe virtual?

Seis propostas de aplicativos do CEFET-MG são aprovadas em maratona nacional

Protótipos, selecionados entre 314 propostas de todo o país, usam tecnologia para auxiliar aprendizagem de Química, Energia Sustentável, História e Biologia nas escolas públicas.

Seis propostas de aplicativos do CEFET-MG são aprovadas em maratona nacional

Pós-pandemia: 30% das empresas devem manter home office, diz pesquisa

O estudo foi realizado em 17 países e contou com a participação de diretores de TI de empresas com mais de 2.500 funcionários.

Pós-pandemia: 30% das empresas devem manter home office, diz pesquisa

Vendas por aplicativo ganham força com Super-App da Zanthus

O Zapp agrega praticidade à rotina do consumidor, com self scan que permite escanear os produtos, gerar carrinho e finalizar a compra sem passar no caixa.

Vendas por aplicativo ganham força com Super-App da Zanthus

O que você tem feito para ingressar em um mercado mutante cada vez mais digital?

Bem-vindo (a) ao novo momento do mercado mutante digital e suas amplas possibilidades.

O que você tem feito para ingressar em um mercado mutante cada vez mais digital?

Startup unicórnio: saiba o que é e como criar uma

Menos de 10 anos atrás, os jovens pensavam em ser médicos, advogados e engenheiros.

Startup unicórnio: saiba o que é e como criar uma

Número de lojas exclusivamente virtuais cresce 40,7% em 2020

Isolamento e quarentena impulsionaram formas digitais de comércio.

Número de lojas exclusivamente virtuais cresce 40,7% em 2020

Sete motivos para jogar xadrez on-line

Além da estratégia, jogo reforça respeito, resiliência, desenvolvimento, foco e concentração. Saiba por onde começar e por que é tão benéfico para crianças.

Sete motivos para jogar xadrez on-line

Qual será o futuro do TikTok?

Os dias parecem estar contados para o TikTok nos Estados Unidos.

Qual será o futuro do TikTok?

Pesquisa revela que 84,1% dos produtores rurais acessam tecnologias digitais

O estudo realizado pelo Sebrae, em parceria com Embrapa e Inpe, mostrou que o processo produtivo da agricultura brasileira conta com participação ativa de insumos tecnológicos.

Pesquisa revela que 84,1% dos produtores rurais acessam tecnologias digitais

Mercado Livre triplica lucro no 2º trimestre de 2020

Mercado Livre mantém para 2020 o plano de investimentos de 4 bilhões de reais no país.

Mercado Livre triplica lucro no 2º trimestre de 2020

Cultura organizacional e o sucesso das estratégias de segurança digital

As pessoas são o maior patrimônio de uma empresa.