Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O metaverso vem aí e está mais próximo do que você imagina

O metaverso vem aí e está mais próximo do que você imagina

02/05/2022 Mauro Inagaki

Você, assim como eu, já deve ter ouvido falar no Metaverso.

Essa expressão que está correndo o mundo ficou popular ainda em 2021, quando o Facebook se transformou na “Meta” e anunciou que seria uma empresa presente no metaverso em até cinco anos.

O metaverso é uma espécie de realidade paralela e, em algumas situações, ficcional, onde é possível vivenciar experiências de imersão, com o objetivo de reproduzir a sensação de realidade.

Em níveis maiores ou menores, muitos de nós já experimentamos, de certa forma, essa sensação por meio dos games.

O que as torna mais ou menos próximas da experiência do metaverso é o grau de imersão e a forma como transmitem o realismo para os usuários.

Diferente do que muita gente imagina, esse conceito não é tão novo como parece. A ideia surgiu lá em 1980 com o livro Snow Crash, na época da literatura cyberpunk.

Ao ler algumas reportagens sobre o assunto, encontrei uma matéria com Paulo Ossamu, diretor executivo de tecnologia da Accenture na América Latina concedida à Reuters. Em uma das declarações, ele disse que o metaverso causará impactos no Brasil já nos próximos dois anos.

Você deve ter se questionado: em quais aspectos? Neste artigo, optei por me concentrar apenas na forma como trabalharemos.

O que eu posso contar e adiantar é que trabalhar será diferente. Um fato que comprova essa tendência de mudanças é que, em muitas organizações, os processos de recrutamento e entrevista no metaverso já são uma realidade.

Para o bilionário e fundador da Microsoft, Bill Gates, em dois ou três anos, a maior parte das reuniões online acontecerá dentro do metaverso.

A Meta, que deu o pontapé inicial nessa história toda, já criou escritórios infinitos que, por meio de avatares, aproxima todas e todos que, mesmo distantes, podem estar no mesmo ambiente ouvindo e falando como se estivessem no escritório físico.

As multinacionais Samsung e Hyundai, por exemplo, já realizaram feiras de emprego em um programa no metaverso chamado “Gather Town”, que, além de alcançar novos públicos, permitiu que pessoas de diferentes lugares do mundo participassem do evento.

E esse cenário vai muito além disso. Marcas como Tik Tok, Amstel, Big Brother Brasil e muitas outras já criaram suas próprias experiências no metaverso, o que pode abrir espaço para novas profissões e novos formatos de trabalho no mundo digital.

O CEO da JobConvo, startup de recrutamento e seleção por meio de inteligência artificial, Ronaldo Bahia, foi muito feliz ao dizer que “tecnologias semelhantes ao metaverso podem ajudar as empresas e pessoas a organizarem a maneira como trabalhamos, e a sociedade, de maneira mais produtiva.

O caminho das pedras

Embora o metaverso possa trazer grandes benefícios para a sociedade, muito se fala sobre os desafios que ainda estão por vir.

Entre eles, posso citar um bastante relevante que é o contato de grandes empresas com o público que vai utilizar o metaverso.

Atualmente, a média de idade dos CEOs no Brasil é de 58 anos. Já a geração que mais investe no metaverso tem a média de 24 anos.

Ou seja, existe um longo caminho a percorrer nesse sentido. Há a necessidade clara de uma integração do mercado e isso depende das pessoas.

São elas que vão abrir as portas para que essa vivência no mundo digital aconteça da melhor forma possível.

Para Jansen Moreira, CEO da Incetive.me, o metaverso é uma camada diferente da realidade que estamos vivendo e está nascendo agora.

Esse é o momento para as pessoas aprenderem mais sobre ele e isso vai muito além dos ambientes imersivos.

Estamos falando de tecnologia, de inovação, de criatividade, de acessibilidade, segurança, investimento, conhecimento e socialização.

Uma frase da revista de tecnologia Wired definiu bem que “falar sobre o que significa ‘o metaverso’ é um pouco como ter uma discussão sobre o que significava ‘internet’ nos anos 1970”.

São poucas certezas, mas muitas especulações e muitas apostas. Ficar de olho no assunto, nesse momento, é a melhor opção.

Afinal, até mesmo quem estuda o assunto está buscando conhecimento para compreender melhor como todo esse universo irá mexer com as nossas vidas.

Foi assim com a internet, está sendo assim com o metaverso e, muito provavelmente, em alguns anos estaremos falando sobre o que vem por aí.

* Mauro Inagaki é fundador e CEO da b2finance.

Para mais informações sobre metaverso clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Trópico Comunicação



Low-code: força motriz para agilizar negócios

O low-code pode ser definido como uma plataforma de desenvolvimento de código mínimo.

Low-code: força motriz para agilizar negócios

Por um marketing mais responsável

A responsabilidade socioambiental não é mais uma tendência.

Por um marketing mais responsável

As 3 melhores moedas de baixa capitalização para metaversos em 2022: Mushe (XMU), Mist (MIST) e Highstreet (HIGH)

O melhor momento para adquirir qualquer ativo é quando seus preços estão baixos.

As 3 melhores moedas de baixa capitalização para metaversos em 2022: Mushe (XMU), Mist (MIST) e Highstreet (HIGH)

Governo lança portal com informações sobre o FGTS Digital

Versão digital entra em operação até final do ano.

Governo lança portal com informações sobre o FGTS Digital

A promessa da Enjin Coin (ENJ) caiu por terra. As perspectivas de Mushe (XMU) continuam crescendo

A Enjin Coin (ENJ) trouxe uma forma interessante de integrar partes anteriormente díspares do espaço dos criptoativos. Porém, será que sua valorização se manterá consistente ao longo do tempo?

A promessa da Enjin Coin (ENJ) caiu por terra. As perspectivas de Mushe (XMU) continuam crescendo

Como a inteligência de dados auxilia o Open Finance

Imagine que a sua televisão está com defeito. Você busca um modelo um pouco melhor na internet (afinal, você merece) e decide comprá-la em algumas suaves prestações.


Wax (WAXP) e Mushe (XMU): as melhores criptomoedas eco-friendly

Existe uma forma para as finanças descentralizadas se tornarem mais sustentáveis. Aqui estão as empresas que estão pavimentando o caminho.

Wax (WAXP) e Mushe (XMU): as melhores criptomoedas eco-friendly

A importância da Educação para uma internet segura para todos

Há uma série de leis, regulamentos e normas técnicas que reforçam o valor da informação.

A importância da Educação para uma internet segura para todos

6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Como fazer em caso de PIX em conta errada?

No caso das pessoas que fez o pagamento, a alternativa é buscar a sua agência bancária para resolver a situação.

Como fazer em caso de PIX em conta errada?

Metaverso na construção civil: o futuro é virtual

O metaverso que constrói o mundo virtual de Snow Crash, livro de Neal Stephenson de 1992, é daqueles shows de ficção que enredam o leitor do começo ao fim.

Metaverso na construção civil: o futuro é virtual

Na pista de decolagem, BIM alça importante voo

O uso da tecnologia BIM – sigla de Modelagem da Informação da Construção, em inglês – vai alcançando novos ares e expandindo sua aplicabilidade para as mais diversas áreas da construção civil.

Na pista de decolagem, BIM alça importante voo