Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O uso de dados e a vida depois da pandemia

O uso de dados e a vida depois da pandemia

07/07/2020 Paulo Padrão

Para muita gente, a pandemia do coronavírus tem gerado uma sensação de que nada mais será como antes.

É um pensamento aparentemente justo, uma vez que todos nós estamos, em alguma medida, aprendendo a viver uma vida diferente, à espera do que muitos já se habituaram a chamar de “o novo normal”.

De fato, muita coisa mudou e ainda mudará, mas também é verdade que alguns conceitos já existentes serão reforçados com a crise. É o caso, por exemplo, do papel dos dados digitais na sociedade.

Nos últimos meses, vimos que o valor dos registros vai muito além da área de tecnologia das empresas.

A capacidade de análise inteligente de dados ganhou espaço como um fator utilizado por governos dos mais diversos países, em busca de formas de combater e aplacar as ondas de contágio, e por laboratórios, universidades e empresas, trabalhando arduamente para consolidar pesquisas e desenvolver soluções no combate à COVID-19. Os dados, portanto, foram e estão sendo utilizados para salvar vidas.

Evidentemente, todo esse movimento global só foi possível por conta de um sólido ajuste de colaboração, unindo diferentes propósitos para garantir a segurança das pessoas.

Mas também foi essencial a existência de tecnologias para agrupar, organizar, catalogar, cruzar e recuperar informações úteis para a definição das ações que serviriam de base para os avanços em cada uma das áreas.

Ainda assim, as iniciativas com o uso de dados digitais ganharam os holofotes globais não apenas como um caminho positivo e imune às dúvidas.

A utilização dos registros e conteúdos virtuais serviu também para realimentar as discussões sobre o limite da privacidade na era digital.

Na China, por exemplo, o governo criou uma série de soluções para estimular o isolamento social e a busca por saídas do surto a partir da consolidação de informações da população.

Entre as ações, destaque para o desenvolvimento de aplicativos capazes de rastrear e monitorar os cidadãos em todas as tarefas do dia a dia – do ato de sair às ruas até onde cada um dos chineses utilizava seus cartões de crédito.

O mesmo aconteceu na Coreia do Sul, país que recebeu vários elogios em relação ao controle de casos e mortes por coronavírus.

Lá, a aplicação em uso permite o monitoramento dos indivíduos, principalmente aqueles que foram infectados pelo vírus ou que tiveram contato com pessoas doentes.

O controle seria, a princípio, anônimo – mas era possível saber se alguém na sua vizinhança estava contaminado, o que poderia representar, portanto, algum grau de invasão de privacidade.

No Brasil, o uso de ferramentas desse tipo foi aparentemente menor. Digo aparentemente pois é fato que diversos Estados usaram dados de geolocalização para monitorar o nível de isolamento social e diversos aplicativos e lojas virtuais também se renderam às ferramentas desse mercado para garantir a comunicação com os clientes.

Neste contexto, é válido destacar que ninguém duvida de que a “intenção” por trás dos apps da China e da Coreia do Sul ou das iniciativas de gestão governamental no Brasil eram boas.

Entretanto, também deixam evidente que a disponibilidade de nossas informações pessoais leva ao fim da privacidade de cada um de nós.

É neste cenário que a nova Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) ganha total sentido em tempos de pandemia – e depois dela.

Além disso, não importa mais se a legislação foi ou será oficialmente adiada - a verdade é que hoje em dia poucos indivíduos ou grupos ainda conseguem duvidar dos ganhos práticos que essa lei poderá trazer aos cidadãos de nosso País.

De acordo com estudos internacionais, o uso de soluções em Nuvem cresceu mais de 30% desde o início da pandemia, alimentado pelo avanço das ferramentas de e-commerce, novos métodos de atendimento virtual e, ainda, pelo trabalho remoto.

Como consequência, o tráfego de dados está em alta, com mais informação valiosa circulando por aí.

Vale salientar que, embora o crescimento dessas cargas tenha ocorrido de surpresa, muitas vezes sem planejamento algum, nada sugere que essa perspectiva de aumento no volume de dados em rede mudará após a pandemia.

Pelo contrário: muitos empreendedores finalmente perceberam que é que possível, sim, usar o mundo on-line para gerar negócios.

A tendência, portanto, é que os índices de uso de informações e registros virtuais siga se expandindo diariamente.

Por isso, a questão é: o que pode ser feito para agregar mais inteligência e segurança ao enorme volume de operações e dados digitais que estão crescendo nesse “novo normal”, com o mundo a cada dia mais on-line?

O futuro nos indica que será essencial ampliar a capacidade de proteção às informações e, além disso, a implementação de ferramentas práticas para automatizar e potencializar a utilização dos registros armazenados.

Para tanto, é fato que a LGPD ajudará a nortear as organizações, estipulando diretrizes. A inteligência de dados e o gerenciamento de conteúdo são chaves desse novo mundo.

É assim que poderemos unir os ganhos relativos à inovação tecnológica das estratégias orientadas por dados e, ao mesmo tempo, impedir que a utilização indevida das informações pessoais aconteça e coloque em risco a satisfação de clientes e cidadãos.

É preciso ter cuidado, mas é fundamental seguir em frente – afinal, assim como na pandemia, estamos tentando buscar uma vida mais saudável, segura e, com certeza, melhor.

* Paulo Padrão é Vice-Presidente Sênior & General Manager LATAM da ASG Technologies.

Fonte: PLANIN



Como evitar o desperdício de energia durante o inverno?

É necessário levar em consideração o atual momento socioeconômico do país, que enfrenta uma inflação desenfreada.

Como evitar o desperdício de energia durante o inverno?

App brasileiro de mensagens instantâneas chega ao mercado com novas funcionalidades

Entre os diferenciais, SayMe Messenger permite escolher quem pode ou não compartilhar mensagens.

App brasileiro de mensagens instantâneas chega ao mercado com novas funcionalidades

Facebook renova feed principal para atrair usuários mais jovens

Concorrência com rival TikTok motivou mudança.

Facebook renova feed principal para atrair usuários mais jovens

Brasil tem 10,5 milhões de influenciadores no Instagram e lidera ranking mundial

Dados são do Relatório Anual de Marketing da Nielsen.

Brasil tem 10,5 milhões de influenciadores no Instagram e lidera ranking mundial

Startup lança software que facilita a implementação da LGPD

Com o nome de Octo, ferramenta descomplica a proteção de dados para empresas de todos os segmentos.

Startup lança software que facilita a implementação da LGPD

Aplicativo mobile é a principal porta de entrada para empresas no ambiente digital

Companhias que estão estagnadas em procedimentos de comunicação tradicionais devem apostar na tecnologia em busca de inovação e proximidade com clientes.

Aplicativo mobile é a principal porta de entrada para empresas no ambiente digital

Google lança novo design para o Gmail

Novo layout do Gmail será disponibilizado de maneira gradual.

Google lança novo design para o Gmail

Xsolla expande ofertas de soluções de distribuição móvel e digital

A Xsolla está comprometida em fornecer os melhores serviços e suporte para desenvolvedores em todo o mundo.

Xsolla expande ofertas de soluções de distribuição móvel e digital

No-code e low-code como propulsores na transformação digital

O low-code está em alta e deve permanecer.

No-code e low-code como propulsores na transformação digital

Em 2021, 82% dos domicílios brasileiros tinham acesso à internet

País ainda contabiliza 35,5 milhões de pessoas sem acesso à rede.

Em 2021, 82% dos domicílios brasileiros tinham acesso à internet

Indústria de games sofrerá 40% de alta de ataques hackers ainda este ano

A previsão é que o aumento no Brasil aconteça até dezembro.

Indústria de games sofrerá 40% de alta de ataques hackers ainda este ano

Chegou a hora do adeus aos “brokers do WhatsApp”?

Estamos diante de um momento que pode ser crucial para a definição dos caminhos da comunicação entre empresas e consumidores.

Chegou a hora do adeus aos “brokers do WhatsApp”?