Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Somos mal-educados dentro e fora do WhatsApp?

Somos mal-educados dentro e fora do WhatsApp?

17/04/2019 Acedriana Vicente Vogel

Vivemos numa era em que a internet empoderou a todos, indistinta e simultaneamente.

Somos mal-educados dentro e fora do WhatsApp?

Uma conversa entre amigos com filhos em idade escolar, ou então uma rápida busca na internet são suficientes para mostrar o quão controversos se tornaram os grupos de WhatsApp de pais (sobretudo, mães!) da escola. A questão abre espaço para refletir sobre como as redes sociais, em especial o WhatsApp, têm contribuído para escancarar comportamentos precipitados e insensatos. Vivemos numa era em que a internet empoderou a todos, indistinta e simultaneamente. E assim, no auge dessa sensação de poder, a falta de educação fica evidenciada e a intolerância é, infelizmente, a palavra que revela o comportamento em alta na sociedade de hoje. Ela brota, silenciosa e invisível, em mensagens ou ‘emojis’ e, rapidamente, evolui no mundo real chegando até as páginas policiais. A velocidade com que algumas reações e julgamentos se espalham assusta quando se observa o potencial de estragos que são capazes de provocar e a quantidade de provas que são produzidas.

Trazendo a discussão para o universo escolar, temos os grupos de pais do WhatsApp, que nascem vocacionados para melhorar a comunicação entre a escola e família. O fato é que tais grupos se multiplicam entre si, ganham vertentes paralelas e se transformam em tribunais inquisidores. Pequenos detalhes são aumentados, fatos são deturpados, gerando um barulho muitas vezes descabido e desnecessário. Bastam um ‘emoji’ ou palavra mal interpretados, desencadeados por nota baixa ou uma bronca do professor - às vezes necessária, ou mesmo um conteúdo abordado em sala de aula que não seja do agrado de um pai ou mãe, e tudo vira combustível que inflama pessoas, revelando a incapacidade de transitar com educação diante da divergência.

Historicamente, o ato coletivo sempre confere mais poder que o gesto individual. Por isso, pais preferem se articular antes nos grupos de WhatsApp, reunindo outras vozes em torno de si e só então levar a questão para o colégio. O problema dessa estratégia é que, em boa parte das vezes, as situações poderiam ser fácil e amigavelmente resolvidas com uma boa conversa com coordenadores e direção da escola em vez de jogar o assunto para debates acalorados nas redes sociais. Um pequeno erro ou um mal-entendido tomam a proporção de crise. Falta serenidade para conseguir enxergar que toda história tem dois lados e mais de uma parte interessada. Praticar a empatia (capacidade de se colocar no lugar do outro) e a alteridade (entender que o outro é o outro, portanto diferente de nós) é que nos permite avaliar a situação com calma e, porque não dizer, rever posições que julgávamos imutáveis.

Sabemos que, quando se trata de nossos filhos, temos a tendência a nos deixar arrebatar pela correnteza do instinto de proteção, atropelando normas e convenções sociais em nome do amor e também das crenças que cultivamos depois que nos tornamos pais e mães. Mas precisamos, obrigatoriamente, enxergar que nossos filhos não são únicos no mundo. Felizmente, eles estão cercados por outras crianças e adultos e, desde cedo, devem aprender que se relacionar bem com as pessoas requer controle, desprendimento e generosidade. E cabe a nós dar o exemplo e ensiná-los essa importante lição de vida.

* Acedriana Vicente Vogel é diretora pedagógica da Editora Positivo.

Fonte: Central Press



Está na hora de trocar a transformação digital por inovação contínua

As organizações estão em uma esteira de inovação contínua.


RH Digital

Como a tecnologia pode revolucionar a área de recursos humanos?


Apenas 20% dos pequenos negócios com acesso à internet fazem vendas online

Feira do Empreendedor terá palestras gratuitas, com transmissões ao vivo, sobre marketing digital e estratégias para aumentar as vendas pela internet.

Apenas 20% dos pequenos negócios com acesso à internet fazem vendas online

Serviços bancários por celular são acessados por 65% dos brasileiros

Mais da metade dos consumidores usa smartphones para abrir contas bancárias ou adquirir produtos ou serviços financeiros.

Serviços bancários por celular são acessados por 65% dos brasileiros

Enfrentando a tempestade digital

Os líderes empresariais assumem seus postos depois de muito empenho.


Tentativa de espionagem cresce 228% no Brasil

Estatísticas são parte do relatório ‘A situação do stalkerware em 2019’, desenvolvido pela Kaspersky para apoiar o combate à espionagem.

Tentativa de espionagem cresce 228% no Brasil

WhatsApp é a maior ferramenta de comunicação da classe C

Estudo inédito traz dados sobre consumo de mídia e indica que uso de celular já está consolidado entre o segmento.

WhatsApp é a maior ferramenta de comunicação da classe C

As distâncias diminuíram

O PayPal é a primeira estrangeira com licença de pagamento na China.


Brasil já tem mais de 145 milhões de celulares 4G

Desde o início do ano, 160 municípios já receberam as redes de 4G.

Brasil já tem mais de 145 milhões de celulares 4G

A inteligência voltada para a transformação digital

Quem trabalha com tecnologia certamente já teve a impressão de que as coisas estão mudando cada vez mais rapidamente.


Ferramenta de cálculos previdenciários registra mais de 12 mil “downloads” por mês

Previdenciarista conta com mais de 9 mil advogados de todo Brasil como clientes e otimiza tempo de trabalho de profissionais do setor.


Amo Beagá é o novo APP de benefícios exclusivos da cidade

Startup mineira movimenta mercado premium em Belo Horizonte.

Amo Beagá é o novo APP de benefícios exclusivos da cidade