Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Conhecimento de causa, e não mágicas, para combater o desemprego

Conhecimento de causa, e não mágicas, para combater o desemprego

04/08/2021 Humberto Casagrande

Estudo recente do Insper mostra que o Brasil perde 283 bilhões de reais por ano com a evasão escolar.

Conhecimento de causa, e não mágicas, para combater o desemprego

Em um país com tantos e tão urgentes problemas a resolver, ganha destaque uma prioridade: a empregabilidade dos jovens. Não é mais possível conviver com a indiferença do governo frente à taxa recorde de desemprego de 14,7%, índice que salta para  31% quando se trata de jovens, ainda mais com a curva ascendente desses dois indicadores - segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os óbvios impactos econômicos e sociais desse quadro devastador levam  diferentes níveis do governo, principalmente nos períodos que precedem eleições, a buscar soluções mágicas que carecem de fundamento e que são adotadas de maneira açodada . Foi o que aconteceu com pontos da Medida Provisória 1.045 que está no Congresso. Em meio a outras medidas legislativas supostamente voltadas à redução do desemprego, foram enxertadas à proposta original da MP sugestões do relator da matéria, deputado Christino Áureo (PP-RJ). Entre essas “novidades” que carregam vícios de origem, o parlamentar propôs a criação dos programas Priore (Programa Primeira Oportunidade e Reinserção no Emprego) e Requip (Regime Especial de Trabalho Incentivado, Qualificação e Inclusão Produtiva).

A proposta do parlamentar é inadequada e desnecessária. Ao lerem o texto, ao menos nove entidades que somam décadas de atuação na assistência social, capacitação e inclusão de jovens no mundo do trabalho e na criação de ações voltadas ao público em vulnerabilidade social, decidiram repudiar a criação dos programas propostos no relatório. Essas entidades consideram que a sugestão do parlamentar, em vez de encaminhar soluções para reduzir o desemprego, cria formas de trabalho desprotegido e representam grande incentivo à evasão escolar.

Para as entidades, são tantos os malefícios que a criação desses programas trariam que foi difícil enumerá-los. Mas nessa longa lista de impactos negativos, o grupo destacou:

Evasão Escolar. Qualquer programa de ocupação dos jovens, ainda que em caráter emergencial, deve ter o ensino acoplado às atividades laborais. Não se pode negligenciar mais com a formação de milhões de jovens. Obter um emprego isoladamente para um jovem é a melhor maneira de incentivar o abandono dos estudos. Ao conseguir um emprego, o jovem, incentivado pela família, evade da escola para possivelmente nunca mais retornar. Estudo recente do Insper mostra que o Brasil perde 283 bilhões de reais por ano com a evasão escolar. Mais: junto da perda financeira vem a maior delas, que é a má formação do jovem.

Não atende as necessidades das empresas. Os programas sugeridos pelo parlamentar, além de não oferecerem aos jovens garantias de qualificação profissional, não asseguram às empresas a contratação de mão de obra preparada para ser absorvida de imediato. Não é porque há um subsídio que necessariamente as empresas irão contratar.

Não traz segurança jurídica às empresas. Por não estarem ancorados na legislação já existente para a contratação, os programas sugeridos pelo relatório do deputado não dão respaldo jurídico às empresas e não as protege de futuros processos trabalhistas referentes a benefícios que foram negados aos funcionários à época da contratação. Há dúvidas importantes quanto à constitucionalidade da criação dos programas Requip e Priore.

Destrói a estrutura de formação de jovens: Sob pretexto de financiar os programas com recursos do Sistema S, a proposta destrói a estrutura existente hoje que separa as Escolas Técnicas, as Escolas do Sistema S, o Programa Aprendiz e os estagiários. Existe hoje uma arquitetura de formação dos jovens que, se não funciona melhor, é por falta de incentivo, atenção e recursos. A maneira de consertar as falhas não é a destruição total do que existe para ser substituído por algo de resultado duvidoso. No Brasil, não raramente, deixa-se de prestigiar estruturas consagradas (como a Lei do Aprendiz) que têm anos de existência, para abandonar tudo em prol de uma nova construção.

Canibalização de vagas. Os programas, como propostos, não garantem a criação de novas oportunidades de trabalho. Pelo contrário, criam uma concorrência insustentável de trabalho desprotegido com modalidades já existentes e consolidadas - que continuam a enfrentar inexplicável resistência dos governos.

Segregação entre os candidatos e precarização. Os critérios estabelecidos para a criação dos programas de empregos propostos pelo relatório são inadequados e aprofundam a precarização da mão de obra jovem em situação de vulnerabilidade. O jovem é negativamente qualificado e em seguida oferecido ao mundo do trabalho.

Trata-se, portanto, de uma proposta que trará muitos problemas e nenhuma solução. Por isso, as entidades repudiam a sugestão e propõem que se prestigie propostas como, por exemplo, o Estatuto do Aprendiz, que está no Congresso, entre outras medidas legislativas. Além disso, sugerem a criação de um amplo programa de apoio à criação de empregos ancorados nas consagradas experiências de Estágio e de Aprendizagem, que depois de anos têm um legado de sucesso comprovado e respeitam a identidade única do jovem brasileiro.

Não se pode errar novamente em um tema tão vital. Para que se chegue a propostas na direção correta é preciso envolver quem conhece a fundo a precária situação do emprego e sabe os caminhos que levam à inserção correta de jovens não só no mercado de trabalho, mas também como cidadãos. O momento é de agir aproveitando as experiências que deram certo e usando essa expertise para desenhar um futuro melhor com uma visão acurada e abrangente, que pense em soluções de verdade. Criar novos problemas é tudo o que o Brasil não precisa no momento, ainda mais quando se trata do futuro de seus jovens.

* Humberto Casagrande é CEO do CIEE São Paulo.

Para mais informações sobre o Desemprego clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Tamer



Kanban ainda é pouco explorado, mas pode revolucionar o cotidiano das empresas

Como trazer soluções efetivas em condições de fluxo de atividade em escala?

Kanban ainda é pouco explorado, mas pode revolucionar o cotidiano das empresas

Por que brasileiros são escolhidos para cargos de chefia em outros países?

Desde janeiro, executivos brasileiros têm assumido cargos globais em companhias multinacionais, inclusive nas gigantes alemãs.


Gerencianet abre vagas para diversas áreas

As oportunidades são para atuar na matriz de Ouro Preto-MG, no escritório de São Paulo ou em regime remoto.


Fintech Zoop oferece 11 vagas para trabalho remoto

Oportunidades são para a área de tecnologia.


Como escolher um bom síndico

O síndico exerce um papel fundamental dentro de qualquer condomínio. Isso porque ele é o responsável por administrar as contas conjuntas e por em prática as melhorias dos prédios.

Como escolher um bom síndico

Startup abre 50 novas vagas de tecnologia até o final do ano

Seleção para atuar na área de tecnologia vai começar por Campo Grande (MS), região com grande potencial de talentos em tecnologia.


Empregos para pessoas com mais de 60 anos

Entenda como esse fenômeno pode ser benéfico e enriquecedor para empregados e empregadores.

Empregos para pessoas com mais de 60 anos

Verisure oferece 241 vagas em abril

São 190 oportunidades para vendas e mais de 50 nas áreas administrativa e financeira.


Emprego na terceira idade? Não, na melhor idade!

As vantagens de buscar um profissional mais experiente e quais as áreas que mais contratam.

Emprego na terceira idade? Não, na melhor idade!

Deixar o emprego e iniciar um novo negócio: vale à pena? Quando é a hora?

Largar o certo pelo duvidoso requer coragem e disposição - mas, muitas vezes, traz consigo a felicidade que o profissional não encontrava no antigo trabalho.

Deixar o emprego e iniciar um novo negócio: vale à pena? Quando é a hora?

Alerta de vagas: Gateware recruta para oportunidades SAP

Empresa de tecnologia se destaca por ter 40% dos cargos ocupados por mulheres.


Canadá tem mais de 800 mil oportunidades de emprego em aberto

País enfrenta escassez de bons profissionais; vagas são para diversos setores.

Canadá tem mais de 800 mil oportunidades de emprego em aberto