Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Do que vale um salário alto quando o emprego é incerto?

Do que vale um salário alto quando o emprego é incerto?

25/05/2023 Marcela Zaidem

Um mercado em alta de contratação de pessoas nunca foi e nunca será um problema.

Do que vale um salário alto quando o emprego é incerto?

Do ano passado para cá, uma onda tsunâmica vem atingindo milhares de funcionários do setor de tecnologia, no Brasil e no mundo, demitidos em massa como se essa fosse a mais nova trend do TikTok. 

O que pouco tem se falado é que, na verdade, esse movimento é uma espécie de autorregulamentação do mercado: a falta de planejamento e austeridade financeira das companhias nos tempos de vacas gordas - uma cultura arriscada das big techs e das startups -, agora está sendo cobrada no período de vacas magras. O problema é que quem está pagando essa conta é o trabalhador. 

Até recentemente, as lideranças das startups solicitaram que a área de Pessoas contratassem profissionais de tecnologia na mesma velocidade e intensidade que abrimos o nosso celular e solicitamos informações ao Google. A gestão ligava para o RH e ordenava: ‘quero contratar meia dúzia de desenvolvedores back-end e analista de dados’. Em um mundo de 5G, hiperconexão, inteligência artificial, internet das coisas, realidade virtual e até mesmo do finado metaverso, como não apostar na mão de obra tecnológica? Tudo era tecnologia.

E havia um agravante: dinheiro de sobra no mercado. Fundos de venture capital, pre-seed, seed, rodada A, B, C, investidor anjo. Era todo dia uma manchete de aportes milionários em empresas e em ideias. 

Isso, obviamente, criou uma forte competição por profissionais, em especial os de tecnologia, mas não se limitando a eles, o que resultou em salários irreais e turnovers inimagináveis, pois um programador que entrasse em uma empresa ganhando tanto, três meses depois recebia uma proposta de outra companhia para ganhar dois tantos. E depois três tantos - e o céu era o limite. 

O resultado é que as empresas lançaram mão de uma estratégia impiedosa: com dinheiro no bolso, passaram a contratar por quilo nas mais diversas áreas, com diretrizes de remuneração extremamente agressivas, sem ter necessariamente uma função específica para toda o time contratado mas, muitas vezes, buscando apenas acumular capital humano e não ter seus projetos atrasados por causa da grande rotatividade no quadro de funcionários - o que nem sempre era a realidade.

Um mercado em alta de contratação de pessoas nunca foi e nunca será um problema. A questão é que isso gerou um cenário autofágico de baixa produtividade, redundância de posições, salários especulativos e desníveis entre cargos e experiência exigida. Some-se a isso a discussão sobre o trabalho remoto versus presencial e a pressão imposta à área de Pessoas para atrair os melhores do mercado e temos as condições para a tempestade perfeita.

O problema, para essas empresas, é que no Brasil há lei. Especificamente, a 5.452 de 1º de maio de 1943, popularmente conhecida como Consolidação das Leis do Trabalho - ou CLT, uma querida. E ela é bem clara quando diz que salário dado não pode ser reduzido. Sem condições de sustentar o ciclo de expansão, espremido agora por uma projeção econômica menos otimista, os executivos se viram diante de uma única alternativa: cortar de vez o excedente, demitindo colaboradores com a mesma facilidade de quem exclui um app do celular. 

Assim que o tsunami passar, deixando para trás a terra arrasada, será hora de refletir e absorver os aprendizados, que não são poucos. Empresas precisam encontrar modelos de gestão mais eficientes, sem inchar as estruturas organizacionais. A área de Pessoas não pode ficar refém de outros departamentos, devendo posicionar-se contra práticas que levem à ineficácia - sim, estamos falando de RH orientado a dados. Ao governo, cabe encontrar soluções econômicas e legislativas que protejam aqueles que perdem seus empregos. E os mais afetados, os trabalhadores, devem olhar para os processos seletivos com distanciamento, acreditando menos nos encantos de vagas maravilhosas e pesquisando mais sobre a cultura organizacional, o cuidado com o caixa e o histórico das companhias. Em alguns casos, será necessário dizer não a algumas delas.

Por fim, é importante destacar que, embora a crise dos grandes layoffs esteja afetando principalmente a indústria de tecnologia, são profissionais de todas as áreas que estão sendo vitimados pelo ciclo vicioso gerado quando se tem dinheiro demais e gestão de menos. 

* Marcela Zaidem, é diretora de Pessoas na G4 Educação, edtech com foco em formação executiva.

Para mais informações sobre emprego clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Mention



Procura por vagas de Jovem Aprendiz cresce 65% em janeiro

As profissões de auxiliar administrativo e recepcionista também estão entre as mais buscadas pelos candidatos no início do ano.

Autor: Divulgação


O que as empresas procuram: 5 habilidades essenciais

Com o início do novo ano, é natural que os colaboradores reflitam sobre o que o mercado de trabalho espera no próximo ano.

Autor: Divulgação


Você sabe o que é empregabilidade e como obtê-la?

Especialista comenta por que a "employability" é tão importante na hora de conquistar uma nova posição.

Autor: Divulgação

Você sabe o que é empregabilidade e como obtê-la?

A semana de quatro dias e os impactos para empregadores e empregados

Jornada de trabalho reduzida é um modelo que tem despertado interesse e discussões no âmbito jurídico.

Autor: José D’Almeida Garrett Netto


Vagas de estágio são aliadas no início da carreira

Escolher a área de atuação ideal abrange um conjunto de fatores, como a identificação com as tarefas e as perspectivas de crescimento.

Autor: Divulgação


Qualidade de vida e bem-estar no trabalho muito além da exigência legal

A busca pela excelência nas organizações vai além do desempenho financeiro.

Autor: Raquel Roth

Qualidade de vida e bem-estar no trabalho muito além da exigência legal

As razões para milhares de demissões no mercado de tecnologia

O retorno das demissões em massa em grandes empresas de tecnologia pegou o mercado de surpresa nestes primeiros dias de 2024.

Autor: Gustavo Alonge

As razões para milhares de demissões no mercado de tecnologia

Só talento não é suficiente – é preciso perseverança

A persistência está intimamente relacionada com o próprio desenvolvimento pessoal e a superação.

Autor: David Braga


A queda de braço continua em 2024: home office ou presencial?

Será que os executivos ao redor do mundo de fato estão preparados para os novos tempos?

Autor: David Braga


Minas registra 140 mil empregos com carteira assinada em 2023

Atração de investimentos tem ampliado a empregabilidade no estado.

Autor: Divulgação


O Nube disponibiliza 10.251 vagas de estágio

As oportunidades são para todos os níveis, ensino médio, técnico e superior.

Autor: Divulgação


Usina Coruripe oferece cerca de 100 vagas no Triângulo Mineiro

Entre os cargos disponíveis estão auxiliar de produção agrícola, mecânico industrial, motorista borracheiro, analista de RH, eletricista automotivo.

Autor: Divulgação