Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O desafio de preparar jovens para profissões ainda inexistentes

O desafio de preparar jovens para profissões ainda inexistentes

25/03/2019 Arno Krug

Acreditamos que a sala de aula é o melhor local para a iniciação ao bom uso da tecnologia.

O desafio de preparar jovens para profissões ainda inexistentes

A Geração Alpha, das crianças nascidas a partir de 2010, vive a Quarta Revolução Industrial e é de extrema importância que as escolas saibam lidar com as mudanças sociais e comportamentais promovidas pelo advento dessa revolução. Um dos principais impactos da evolução tecnológica na sociedade é que, em muitas profissões, seres humanos foram substituídos por máquinas. Operador de telemarketing, contador, condutor de trem e metrô e atendente de estacionamento são atuais exemplos de cargos que, em breve, deixarão de existir. Em contrapartida, conhecimentos avançados em tecnologia serão essenciais para possíveis profissões do futuro como gestor de desenvolvimento de negócios de inteligência artificial, analista de cibercidade, gerente de equipe humanos-máquinas e construtor de jornadas de realidade aumentada — exemplos apontados em um relatório do Center for the Future of Work, estabelecido pela Cognizant Technology Solutions.

Além disso, de acordo com a pesquisa Carreiras do Futuro, realizada pelo Programa de Estudos do Futuro (Profuturo), da Fundação Instituto de Administração (FIA), as profissões mais promissoras para os 10 próximos anos pertencem às áreas como Sustentabilidade, Infraestrutura, Recursos Humanos e Tecnologia da Informação (TI). Dados de um recente estudo do The Future of Jobs Report apontam que 65% das crianças da Geração Alpha, que já vivem a Quarta Revolução Industrial — em que as linguagens de computadores, inteligência artificial e a convergência de objetos com a internet fazem parte do mundo moderno e globalizado — terão profissões que ainda não existem e esse é um dos desafios que as instituições de ensino precisam superar durante a formação dessas crianças e jovens.

Sendo a internet — e tudo o que a engloba — o carro-chefe de tantas transformações, é imprescindível que metodologias de ensino passem a incluí-la de diversas formas. O mundo globalizado do século XXI certamente exige um tipo de profissional muito distinto daquele predominante em períodos anteriores. Neste novo contexto, as capacidades de aprendizado constante e de inovação tornam-se centrais, uma vez que as situações a serem solucionadas são muitas vezes inéditas e dependem, portanto, da capacidade de adaptação daqueles envolvidos em sua resolução. Dessa forma, a escola passa a ser um estabelecimento que deve fomentar a criatividade, a autonomia e a capacidade de autoaprendizagem crítica de novos saberes e habilidades.

A metodologia de ensino canadense, por exemplo, estimula o comportamento ativo durante o processo de aprendizagem e, nesse contexto, a tecnologia é uma grande aliada porque possibilita a utilização de uma série de recursos, desde os mais familiares ao grande público, como o emprego da internet para a realização de pesquisas rápidas no próprio contexto da aula, até aqueles ainda pouco conhecidos, como aplicativos que revelam o movimento das placas tectônicas por meio de recursos audiovisuais ou óculos de realidade virtual, que podem simular ambientes geográficos distantes a fim de permitir uma observação mais direta.

De fato, o ambiente escolar precisa motivar os alunos para introduzi-los a uma realidade não tão distante e que promete se transformar rapidamente. Acreditamos que a sala de aula é o melhor local para a iniciação ao bom uso da tecnologia, pois tudo o que acontece ali está sob supervisão do professor, que também tem a missão de inspirar os alunos a explorar o mundo além dos muros da escola, além de contribuir para o desenvolvimento da sociedade.

* CEO da Maple Bear Canadian School, Arno Krug é graduado pela UFSC em varejo e negócios, e possui especializações no assunto pela Columbia Business School e FAE, além de ter atendido a cursos de Educação Executiva e Estratégia Disruptiva na Harvard Business School

Fonte: Markable Comunicação



Veja as profissões que estarão em alta

Quais as profissões que prometem marcar forte presença no mercado? Existem profissões que se destacam e que devem ter uma boa procura durante o ano de 2019.

Veja as profissões que estarão em alta

Comece a investir com o salário de estagiário

Quem investe, multiplica o que tem e tem sempre!

Comece a investir com o salário de estagiário

3,8 milhões de brasileiros tem os aplicativos como principal fonte de renda

“O trabalho pelo aplicativo é muito útil, pois gera uma entrada de renda.

3,8 milhões de brasileiros tem os aplicativos como principal fonte de renda

Cuiabá-MT: 1.238 vagas na área de saúde

Com reajuste, salários oferecidos estão acima da média nacional. Para Técnico de Enfermagem são 470 vagas imediatas.


Pequenos negócios criam quase 300 mil empregos em 4 meses

Levantamento foi feito pelo Sebrae, com base em dados do Caged.

Pequenos negócios criam quase 300 mil empregos em 4 meses

Instituto é criado para incentivar o empreendedorismo

Iniciativa foi idealizada por 34 empreendedores de renome nacional e visa ajudar jovens e estudantes carentes.


Está procurando emprego? Cuidado com as mensagens de phishing

De acordo com relatório da Kaspersky, a procura por emprego pode ter colocado muitos pessoas como alvo de esquema sofisticado de roubo de dinheiro.

Está procurando emprego? Cuidado com as mensagens de phishing

Petz prevê abertura de 500 vagas este ano

Profissionais para atuar em banho e tosa no setor de estética estão entre os mais procurados pela rede de pet shop.


Efetivação de estagiários: quando deve ocorrer?

Encerramento do contrato com o estudante ainda gera dúvidas entre os gestores.

Efetivação de estagiários: quando deve ocorrer?

Setores de drones e geotecnologias esperam gerar 100 mil empregos

Os dois setores movimentarão no Brasil em 2019, R$ 1,5 bilhões

Setores de drones e geotecnologias esperam gerar 100 mil empregos

Censo 2020 vai contratar 234 mil trabalhadores temporários

A contratação dos profissionais depende de aprovação prévia em processo seletivo simplificado

Censo 2020 vai contratar 234 mil trabalhadores temporários

Empresas são obrigadas a contratar estagiários?

Entenda as regras impostas por lei para a atividade voltada aos estudantes.

Empresas são obrigadas a contratar estagiários?