Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O “subemprego” nos Estados Unidos que vem salvando as famílias brasileiras

O “subemprego” nos Estados Unidos que vem salvando as famílias brasileiras

02/08/2021 Daniel Toledo

Eu vi uma matéria publicada em um grande veículo de imprensa que me chamou bastante atenção nos últimos dias.

O texto traz uma análise sobre um mercado bastante em alta nos Estados Unidos, mas que o brasileiro insiste em chamar de subemprego, que são faxinas e tudo o mais que envolve o mercado doméstico.

Além disso, há também outro ponto que gerou certa polêmica nas redes sociais, que foi o fato de uma ex-participante de um programa de reality oferecer uma vaga de emprego para empregada doméstica, mas ela deveria fazer inúmeras tarefas. O desespero por este tipo de profissional era tanto, que ela chegou a oferecer até cinco mil dólares. Na prática, nos Estados Unidos não funciona bem assim. Cada um atua e executa em determinada função e o que a atriz queria era algo como ela tinha no Brasil.

E na América tem de tudo e oportunidade para todos, exceto nessa situação acima. Por isso, recebe diariamente uma enxurrada de pessoas carregando esperanças de dias melhores, de uma nova vida. E em meio a essa multidão estão os brasileiros. Excelente trabalhador, ele vai se virar ainda mais quando é imigrante e principalmente quando pisa nos Estados Unidos. Ele passa a trabalhar em dois, três, quatro, cinco empregos e se conseguir, até seis, afinal é preciso ganhar dinheiro para viver e pagar as contas e é nessa ciranda que ele começa a entender que quanto mais se trabalha, mais se ganha porque o resultado começa a aparecer.

E é justamente isso que frustra o Brasil. As pessoas não conseguem enxergar o resultado do trabalho. Isso simplesmente não acontece, o dinheiro acaba antes do final do mês e aquilo que vai entrar não paga os custos. Essa é a vida do brasileiro médio, que apenas sobrevive e quando precisa comprar algo, só o faz por meio do parcelamento, sobrecarregando o empresário que tem que lidar com compras a prazo, e aí é ladeira abaixo... juros, cheques especiais e cartão de crédito estourado. Haja esperança!

Todo esse cenário caótico tem servido como cartão de embarque para outros países e continentes. Muitos brasileiros têm conseguido viver, viajar, pagar as contas se valendo dessas ocupações consideradas erroneamente de subempregos. Vou dar um exemplo: se você quer uma empregada doméstica ou faxineira, por exemplo, vai precisar desembolsar de 80 a 150 dólares para um trabalho de três horas e não estou falando de limpeza pesada, daquelas de esfregar rejunte, lavar banheiro como o pessoal no Brasil gosta. Refiro-me a apenas a passar pano, limpar por cima, arrumar uma cama ou outra e acabou. Precisa passar roupa? É à parte.

Quem encara tudo isso acaba tendo um modelo de negócio lucrativo em mãos porque essa mesma pessoa pode atender diversas casas em um mesmo dia, porque são três horas no máximo em cada residência, o que pode resultar em 240 dólares por dia. Em um mês, vinte dias trabalhando, são 4.800 dólares que ela pode ganhar por mês fazendo esse tipo de trabalho. Com esse valor é possível sustentar, num padrão médio, uma família de três até quatro pessoas nos Estados Unidos e ter um ótimo poder de compra.

Mas se essa pessoa for casada, ajudar com uma segunda renda e ganhar aproximadamente mais 4 mil dólares, estamos falando em quase dez mil dólares por mês familiar, ou seja, esse padrão de vida sobe muito e, além disso, vai permitir uma sobra de caixa muito grande. Isso vai permitir pagar um aluguel de 2 mil dólares porque na maioria dos estados, você vai conseguir uma casa muito boa por este preço. Mais carro e outras coisas, vai acabar gastando cerca de seis mil dólares por mês para ter uma qualidade de vida muito boa para sustentar os dois filhos, manter o casal e, principalmente, ter uma perspectiva de vida.

Os brasileiros, ao se depararem com a evolução de quem tem a coragem de meter o pé na estrada, se frustram ainda mais, mesmo aqueles com diplomas de nível superior que, convenhamos, só servem para pôr na parede porque o mercado de trabalho está subvalorizando o profissional qualificado. Querem o melhor funcionário possível pelo menor preço e isso tem feito com que muitos brasileiros querem sair do país e buscar melhor sorte em outros países.

Infelizmente o Brasil está perdendo muitos profissionais, sejam aqueles que são pouco qualificados, com diplomas ou até com mestrados e doutorados. A verdade é que todos querem, ou estão pensando, em deixar o país porque não estão encontrando a mínima possibilidade de progresso, de crescimento. Por isso, a busca desenfreada por alternativas. Para se ter uma ideia, só em fevereiro deste ano o nosso escritório recebeu mais de 300 solicitações e reuniões de famílias querendo saber como iniciar um processo migratório.

* Daniel Toledo é advogado da Toledo e Advogados Associados especializado em Direito Internacional.

Para mais informações sobre Empregos clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Toledo Advogados Associados



Os impactos que o ensino à distância na pandemia levou para jovens em início de carreira

Especialista em capacitação profissional alerta sobre os efeitos que os últimos 17 meses remotos podem ter na vida profissional dos jovens brasileiros.

Os impactos que o ensino à distância na pandemia levou para jovens em início de carreira

Com avanço digital, profissão de corretor de imóveis cresce 60% no país

De janeiro a agosto de 2021, cerca de 2.467 novos corretores de imóveis obtiveram o registro no CRECI para atuar na profissão.

Com avanço digital, profissão de corretor de imóveis cresce 60% no país

Minas Gerais teve o segundo melhor saldo de emprego no acumulado de 2021

Serviço e indústria somaram mais da metade do saldo gerado pelos pequenos negócios mineiros nos quatro primeiros meses do ano.

Minas Gerais teve o segundo melhor saldo de emprego no acumulado de 2021

Luandre tem 500 vagas para auxiliar de operações em Contagem

A Luandre, uma das maiores consultorias de RH do Brasil, tem 500 vagas abertas para auxiliar de operações, em Contagem, Minas Gerais.


Startup de viagens corporativas abre 20 vagas em Minas Gerais

A perspectiva é que a travel tech Onfly termine 2021 com uma movimentação de R$ 40 milhões e R$ 1 bilhão transacionado em 2024.


Grupo Ri Happy abre mais de 100 vagas temporárias em Minas Gerais

Varejista de brinquedos anuncia contratação para o período do Dia das Crianças em Belo Horizonte, Betim, Contagem, Juiz de Fora, Pouso Alegre e Uberlândia.


Precisamos ensinar a pescar e ir além

Ao ler um artigo assinado pelo Dep. Alexis Fonteyne, resolvi escrever este texto usando, inclusive, partes da publicação.

Precisamos ensinar a pescar e ir além

Empresa de tecnologia abre mais de 300 vagas em todo o Brasil

Oportunidades de trabalho são voltadas a engenheiros, contadores, profissionais da área Comercial e Recursos Humanos.


Mercado Livre contratará mais de 6 mil pessoas até o final de 2021

Em abril, a empresa superou as expectativas de contratar em 2021 a soma de 12 mil funcionários.

Mercado Livre contratará mais de 6 mil pessoas até o final de 2021

Maioria dos estudantes universitários brasileiros busca por vagas de trabalho remoto

Pesquisa Universum, realizada com 32 mil estudantes universitários em 2021, revela que para 83% dos entrevistados a modalidade de home office é mais atrativa.

Maioria dos estudantes universitários brasileiros busca por vagas de trabalho remoto

Mercado de trabalho: adesão ao modelo híbrido ou retorno ao presencial?

Impacto da pandemia no mercado de trabalho possibilitou que empresas testem novos formatos de trabalho, que devem se manter no longo prazo.

Mercado de trabalho: adesão ao modelo híbrido ou retorno ao presencial?

Currículo tradicional ou vídeo no Tik Tok?

Um ponto muito importante e que nem todos consideram é a descrição dos seus objetivos profissionais.

Currículo tradicional ou vídeo no Tik Tok?