Portal O Debate
Grupo WhatsApp


R$ 0,20 e o plano real da cidadania

R$ 0,20 e o plano real da cidadania

25/06/2013 Mauricio Stainoff

Assim como vencemos a inflação, venceremos a politicagem e a corrupção. A referência ao plano que acabou com a inflação está muito distante de qualquer partido político, pois acredito que a única diferença entre eles são as letras depois do "P".

Há quase 20 anos, a maioria dos brasileiros não suportava mais conviver com a inflação, desencantados depois de muitas promessas não cumpridas e representadas por planos econômicos, a maioria não acreditava que haveria solução para a inflação. Com uma boa ideia somada às necessidades de uma economia estável, conseguimos acabar com aquele flagelo.

O Brasil começou a mudar para melhor. A maioria de nós já não suporta mais o modelo adotado pela classe política brasileira, políticos distantes dos interesses dos brasileiros, que só se mexem para resolver seus interesses e a cada ano tornam-se mais arrogantes. Além da indiferença, pois parecem e se comportam como semideuses, somos tratados como se fossemos seus servos e de forma irônica tomam decisões estranhas e contrárias aos desejos de quem os elegeu.

Os recentes fatos que vêm ocorrendo no país mostram claramente a disposição da maioria: a população quer mudanças. As passeatas que varrem o país de norte a sul demonstram que é possível transformar o Brasil, acabar com a politicagem rasteira, com os interesses pequenos e de poucos, com a corrupção e o mau uso do dinheiro público. Os pequenos empresários, que são a maioria, apoiam as manifestações e pedem mudanças.

Se compararmos as mudanças na economia, as que ocorreram há 20 anos, com a recente mudança de postura da população, com a demonstração de cidadania, acredito que as atuais passeatas são como a antiga URV, elas representam o choque inicial e deveremos conviver com elas durante algum tempo, o que for preciso para que aqueles que elegemos entenderem que as exigências são para valer. Não podemos permitir que alguns poucos vândalos e bandidos infiltrados nas passeatas, atrapalhem a magnífica demonstração de cidadania da população.

Como também precisamos ficar atentos e evitar que aproveitadores coloquem-se como líderes ou salvadores da pátria, aqueles que começam a afirmar que sempre defenderam o correto, porém, as ações passadas os desmentem. A atual demonstração de cidadania e força não pode fracassar e ser transformada em um novo Plano Cruzado, aquele do Sarney. Vamos continuar com independência, mudar o Brasil e entregar um país melhor para os nossos filhos.

*Mauricio Stainoff é presidenta da FCDLESP – Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo.



Enfrentando o luto diante da pandemia

A perda de um ente querido já é dolorosa por si só, e diante dessa pandemia, ao passarmos pelas etapas sem velório e funeral, se torna mais dolorida.


O Papa e a homossexualidade

O Papa Francisco declarou que as uniões homossexuais devem ser legalmente reconhecidas.


O PIB e os processos migratórios do ensino superior

As vidas de Alexandre e Letícia se encontraram quando se conheceram em uma grande universidade particular da capital paranaense – ela cursava Comunicação e ele, Engenharia.


Falsos profetas da renda variável

Os juros sempre foram altos no Brasil.


Mutilações Subjetivas: Holocausto Escolar

Indignar-se! Envergonhar-se! Esperançar-se! Já dizia o poeta Walter Franco, “viver é afinar o instrumento (que somos nós!), de dentro pra fora, de fora pra dentro”.


Longevidade e perspectivas na oncologia

As campanhas como Outubro Rosa e Novembro Azul têm o papel essencial de alertar a população para as doenças oncológicas.


Um verdadeiro estadista

Agora, aos 85 anos, completados em maio, a pandemia fez com que Mujica decidisse pela renúncia a um cargo que, como explicou, exige muito contato com a população.


A participação política dos profissionais da educação

Precisamos ser voz daqueles que não tem voz, usar nossa influência para que os parlamentares saibam que sem o voto, eles não podem continuar na vida pública.


O Líder da Consciência Empresarial Humanizada

Iniciei este trabalho sem muita clareza sobre o tema “Quem são os nossos líderes no mundo novo?”.


Aprender português com o Eça

Não sou filólogo nem purista, nem sequer escritor. Limito-me a ser modesto cronista, e deixo fugir – para minha vergonha, – calinadas, que muito me desgostam.


Uma paz ruim é melhor do que uma boa guerra

Em uma edição recente de um jornal, o Embaixador do Azerbaijão fez um esforço para justificar a agressão de seu país – a guerra mais feroz por enquanto do século XXI – contra Nagorno-Karabakh.


O stress e a inadimplência

O cenário econômico brasileiro não é dos melhores.