Portal O Debate
Grupo WhatsApp


R$ 0,20 e o plano real da cidadania

R$ 0,20 e o plano real da cidadania

25/06/2013 Mauricio Stainoff

Assim como vencemos a inflação, venceremos a politicagem e a corrupção. A referência ao plano que acabou com a inflação está muito distante de qualquer partido político, pois acredito que a única diferença entre eles são as letras depois do "P".

Há quase 20 anos, a maioria dos brasileiros não suportava mais conviver com a inflação, desencantados depois de muitas promessas não cumpridas e representadas por planos econômicos, a maioria não acreditava que haveria solução para a inflação. Com uma boa ideia somada às necessidades de uma economia estável, conseguimos acabar com aquele flagelo.

O Brasil começou a mudar para melhor. A maioria de nós já não suporta mais o modelo adotado pela classe política brasileira, políticos distantes dos interesses dos brasileiros, que só se mexem para resolver seus interesses e a cada ano tornam-se mais arrogantes. Além da indiferença, pois parecem e se comportam como semideuses, somos tratados como se fossemos seus servos e de forma irônica tomam decisões estranhas e contrárias aos desejos de quem os elegeu.

Os recentes fatos que vêm ocorrendo no país mostram claramente a disposição da maioria: a população quer mudanças. As passeatas que varrem o país de norte a sul demonstram que é possível transformar o Brasil, acabar com a politicagem rasteira, com os interesses pequenos e de poucos, com a corrupção e o mau uso do dinheiro público. Os pequenos empresários, que são a maioria, apoiam as manifestações e pedem mudanças.

Se compararmos as mudanças na economia, as que ocorreram há 20 anos, com a recente mudança de postura da população, com a demonstração de cidadania, acredito que as atuais passeatas são como a antiga URV, elas representam o choque inicial e deveremos conviver com elas durante algum tempo, o que for preciso para que aqueles que elegemos entenderem que as exigências são para valer. Não podemos permitir que alguns poucos vândalos e bandidos infiltrados nas passeatas, atrapalhem a magnífica demonstração de cidadania da população.

Como também precisamos ficar atentos e evitar que aproveitadores coloquem-se como líderes ou salvadores da pátria, aqueles que começam a afirmar que sempre defenderam o correto, porém, as ações passadas os desmentem. A atual demonstração de cidadania e força não pode fracassar e ser transformada em um novo Plano Cruzado, aquele do Sarney. Vamos continuar com independência, mudar o Brasil e entregar um país melhor para os nossos filhos.

*Mauricio Stainoff é presidenta da FCDLESP – Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo.



Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.


Um vazio de lideranças

Qual o paradeiro dos líderes? Eles possivelmente estão por perto, mas nós não os enxergamos.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


No tempo da pandemia

Nesta época de quarentena, assisti, pela rádio, à transmissão de cerimónia religiosa: missa.


O Mal

Agostinho dizia que o mal não é um ente em si, porque não é possível que um D’us bom tenha criado o mal.


As palavras que faltam

Há muitas coisas em falta no mundo.