Portal O Debate
Grupo WhatsApp

5 motivos para não trocar seu blog pelo Facebook

5 motivos para não trocar seu blog pelo Facebook

02/08/2012 Denis Zanini

Verdadeira mania nacional, com mais de 50 milhões de usuários, o Facebook tem monopolizado as atenções corporativas quando se trata de atividades online.

Notícias, campanhas promocionais, tudo é desenvolvido pensado na plataforma de  Mark Zuckerberg. Todas as empresas querem estar no Facebook e não é sem razão. No mundo, o tempo médio de permanência do usuário no FB gira em torno de 6 a 7 horas por mês.

No Google Plus, esse período não chega a 5 minutos. O restante de tempo, budget e conteúdo é dividido (ou copiado) entre Twitter, Youtube, Pinterest e afins. Com essa monopolização do Facebook, até mesmo os blogs, precursores dessa febre de redes sociais no início da década passada, andam meio esquecidos no Brasil.

Tem empresa que nem site usa mais, só a fanpage, o que é um equívoco grosseiro. Manter o blog atualizado, em sinergia com outras mídias, é prioritário para que sua empresa esteja sempre em evidência.

Abaixo, listamos 5 razões para não trocar seu blog pelo Facebook:

1)  Indexação no Google: 90% das buscas online no país são feitas no Google. Portanto, é obrigatório ter um site ou blog otimizado. Blogs são ótimos indexadores. Qualquer vírgula postada já fica visível para o buscador. Já o Facebook é um péssimo indexador (vocês achavam que o Sergei e o Larry iam dar esse mole pro Zucka?). Só o domínio principal da empresa no Facebook é indexado pelo Google. O conteúdo postado lá, não.

2) Perenidade: um blog é para sempre. Seu tempo de existência depende somente do seu criador/administrador. Se a plataforma em que ele for desenvolvido acabar, é só fazer a migração para um outra. Sem contar que o blog pode ter um domínio próprio. Já o Facebook e outras mídias sociais vivem sob o  constante risco de se tornarem obsoletos. Vide os exemplos do Orkut, MySpace, Second Life... Tudo que é ou foi postado nas redes pode um dia ser sumariamente esquecido ou deletado.

3) Sinergia: o blog é um verdadeiro agregador de mídias sociais. Nele você consegue, com facilidade, embedar vídeos do Youtube ou do Vimeo, pinar infográficos, curtir uma fanpage, conferir as últimas tuitadas, indicar sites, disponibilizar posts para serem compartilhados por email, Digg, Delicious ou outras ferramentas.  Ou seja, o blog é fundamental para gerar tráfego e conteúdo para todas as redes em que a empresa está presente.

4) Atenção exclusiva: uma fanpage tem um sério concorrente interno, criado pelo próprio facebook: a barra de atualização dos feeds e de amigos online do internauta, que fica do lado direito da tela. Para o internauta desviar o foco e clicar em algo mais atraente, não é preciso muito. No blog, a partir do momento que a empresa "capturou" o internauta, não existe nada, numa mesma tela, que o distraia. É o one to one em estado bruto.

5) Liberdade: por fim, o blog lhe oferece liberdade. A empresa pode colocar uma animação em flash, mudar todas as cores, toda a diagramação, escrever de cabeça pra baixo, enfim, o que der na telha. No Facebook, somos escravos do regulamento da rede e da diagramação da Timeline.  Logicamente,  as abas e os aplicativos ajudam um pouco a sair dessa camisa de força, mas elas não se comparam à liberdade de um blog. Até com relação ao conteúdo.

Portanto, a recomendação é usar o Facebook mas não se esquecer de atualizar seu blog. Lembre-se: até 2 anos atrás quem mandava nas mídias sociais no Brasil era o Orkut...

* Denis Zanini é consultor de marketing digital.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.