Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A árdua tarefa de acertar as dívidas

A árdua tarefa de acertar as dívidas

31/08/2012 Luciano Duarte Peres

Ser um endividado hoje é uma tarefa complicada.

Além de sofrer as dificuldades de ter seu nome no SPC ou Serasa, o consumidor tem que ficar atento às cobranças indevidas, aceitar juros altíssimos e ainda passar horas no telefone escutando mensagens eletrônicas na tentativa de um contato direto para sanar a dívida ou fechar um acordo.

As dificuldades não param por aí. Depois de transferido algumas vezes, quando o endividado enfim consegue resultado, as dificuldades passam a um novo patamar, a negociação dos valores cobrados e juros agregados. As renegociações são feitas caso a caso, mas nem sempre é possível chegar a um valor viável para o consumidor.

Volta-se, então, ao ponto inicial. Na tentativa resolver as pendências, a procura por um novo crédito é outra opção comum. Neste caso, a briga é na hora de analisar liberação de microcrédito. As instituições bancárias possuem critérios de avaliação de risco do empréstimo que verificam dados como idade, empregabilidade, salário, comprometimento da renda com parcelamentos e histórico de pagamentos.

Até o volume de investimentos do consumidor na financeira e as consultas de crédito em um curto período são analisadas pelas instituições. Os clientes com mais de 30% da renda comprometida com dívidas, por exemplo, são considerados de alto risco pela probabilidade de inadimplência.

Seguindo os modelos estatísticos, as chances reais de um endividado conseguir adquirir crédito são ínfimas, deixando-os fora do contexto de aprovação. Mas, não seriam estes consumidores os que mais precisariam de crédito? Os consumidores que poderiam aproveitar a redução dos juros bancários estão apenas gastando seu tempo na tentativa, sem sucesso, de acertar as dívidas.

Luciano Duarte Peres é advogado especialista em direito bancário e presidente do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor Bancário (IBDConB).



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.