Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A arte de servir na era digital

A arte de servir na era digital

02/12/2018 Fábio Camara

A arte de servir é um projeto dentro de si.

Antes de todas as coisas, servir ainda é uma habilidade exclusivamente humana e depende do quanto o individuo está em unidade consigo mesmo. Por “unidade consigo” podemos definir como saber encontrar a si mesmo, saber se amar, entender a unicidade, a exclusividade e a irrepetibilidade.

É inútil buscar fora para convencer os outros, a arte de servir é um projeto dentro de si, somente você faz como ninguém. É quando se faz algo com identidade, proporcionando uma experiência única e dando uma dimensão de valor. É como o conhecimento, aumenta com a sua utilização, ou seja, quanto mais ensinamos, mais aprendemos.

Por exemplo, se o seu projeto de natureza é ensinar, você dará aulas autênticas, terá um jeito original de mostrar conteúdo de valor para os seus alunos. Depois, poderão ser tantos meios, e-Learning, YouTube, Quizlet, Skype, Instagram Live e etc. Entretanto são apenas meios.

Há muita confusão para identificar em si próprio este projeto interno único. De certa forma, esta cisão de si consigo mesmo é uma autossabotagem de se objetificar para ser aceito no meio em que se vive. Eu me anulo, pareço com todos e todos gostam de mim.

Este projeto interno único é simples de se perceber, é sempre aquilo que se faz sem a dimensão tempo espaço consciente. Em outras palavras, é uma ação que te envolve tanto que você não percebe que as horas passaram, não percebe a fome, o sono, o cansaço, a doença. Você simplesmente faz como se não houvesse outra coisa a fazer no mundo naquele momento.

Quero ressaltar a importância da palavra único na arte de saber servir. Porque é um, é uno, é uma coisa só que você faz como ninguém. Como nos ensinaram os antigos romanos: aquele que é extroverso em muitas coisas é inferior em cada uma delas. A vida, temos apenas uma. Enquanto se escreve uma carta não se consegue escrever contemporaneamente outras dez.

Na era digital

Estamos numa era de escala global, de pensamentos massificados, onde quantidade conta mais do que qualidade. Escrevo isso sem juízo de valor, apenas contextualizando o cenário digital. Ao certo, é um novo modelo de negócios que surge e parece ser inevitável.

Como consumidor digital, meu prezado leitor, atenção ao vício da vídeo-dependência. Ainda hoje observei atentamente um ônibus cheio e realizei que todos os passageiros, inclusive os que estavam de pé, estavam com um pequeno monitor na mão – smartphone – consumindo conteúdo rápido, leve e superficial.

Se isso te distrai, é uma consciência correta, pois geralmente serve apenas como distração. Se isso te influencia, aí temos um ponto: analises preditivas fundamentadas em comportamentos de dados históricos não irão substituir a intuição. Na prática, somente você sabe o que é melhor para si mesmo aqui e agora. Nenhum robô com inteligência artificial e com técnicas de aprendizado de máquina irá substituir a sua pessoal capacidade de escolher o melhor para si mesmo. Exceto se você se tornar um robô como comportamento e consciência, apesar de continuar humano.

De outro lado, se você quer servir e este modelo de negócios digital é um meio para a realização do seu projeto, podemos nos prevalecer com inteligência. Afinal, como o não compreendido Maquiavel nos ensinou, os fins justificam os meios.

Os autores do livro “Customização em Massa, 6 passos para conquistar o cliente”, Edward J. Fern, Norma S. Wolfe e Willian S. Postma, trazem-nos pensamentos de base para a compreensão de que – apesar de um meio massificado – cada pessoa impactada deve se sentir como se fosse uma experiência exclusiva.

Na prática, seus meios de comunicação, produção e operação devem convergir para desejos individuais de consumidores que cada vez mais procuram experiências personalizadas.

Por exemplo, uma aula pode ao mesmo tempo ser disponibilizada como videoaula, podcast e texto (artigo ou e-book). O que é importante compreender: os meios digitais estão disponíveis para todos, são meios competitivos igualmente entre todos, portanto seu diferencial será acompetência do conteúdo.

Conclusivamente, o bem-sucedido digitalmente terá foco em qualidade – a competência do conteúdo – e na quantidade através da capacidade de fazer relação com tantos meios, tantos influenciadores, tantos distribuidores do seu conteúdo. Desejo-te sucesso em suas iniciativas digitais.

* Fábio Camara é CEO da Fcamara.

Fonte: Agência NoAr



O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho