Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A automação do trabalho gera desemprego?

A automação do trabalho gera desemprego?

17/11/2017 Eduardo Banzato

Esta é uma questão sempre debatida em treinamentos de automação, produtividade, robótica, etc.

Para falar sobre "trabalho", vale destacar que a palavra tem origem latina ("tripalium" - "tri" - três e "palum" - madeira - antigo instrumento de tortura), ou seja, trabalhar tinha o significado de “ser torturado”.

Pouco a pouco o termo evoluiu, caracterizando as atividades cansativas e que demandam grande esforço físico. Hoje, o "trabalho" possui muitos significados, mas, essencialmente, retrata os esforços (físicos e/ou intelectuais) para se atingir resultados específicos.

Atualmente, em um mercado de oportunidades escassas, onde a disponibilidade de profissionais é maior que a oferta de trabalho, qual é o papel sugerido para aqueles que estão empregados? Como contribuir com sua prosperidade e, principalmente, com aqueles que estão em busca de uma oportunidade? Trabalhar com eficiência? Desenvolver competências?

Ficar atento e indicar vagas aos amigos? Recomendar profissionais? Promover relacionamentos nas redes sociais? Como o trabalho pode ser analisado sob diferentes perspectivas, é um tema que gera polêmica ao redor do mundo.

Se você é um trabalhador e descobre uma forma de alcançar o resultado sem a necessidade de seu trabalho (ex.: mudança do processo, automação etc.) o que acha que deverá acontecer com você? Somente um investidor ou gestores muito ruins demitiriam um profissional que tem a capacidade de gerar resultados sem a necessidade de seu próprio trabalho, concorda?

Aliás, se isso acontecer com você, conte esta história na sua próxima entrevista de emprego e garanto que você não demorará muito a se recolocar em alguma empresa mais inteligente e que te dará melhores oportunidades de prosperar.

As empresas (investidores) inteligentes, que valorizam esta competência, não fazem isso por uma questão de solidariedade, mas sim por que visualizam que você poderá ajudar a empresa a gerar mais resultado com menos esforço (trabalho). E sabe o que acontece com as empresas que adotam este tipo de atitude? Elas crescem e disponibilizam mais e mais TRABALHO.

Ignorância Sistêmica

Antes de falar sobre ignorância, vale destacar que a mesma se caracteriza apenas pelo “estado de quem não possui conhecimento, seja por falta de estudo, experiência ou prática”. Não é nenhuma ofensa! Eu mesmo sou ignorante em muitos assuntos.

Por isso, destaco que é uma ignorância muito grande dizer que determinadas empresas que automatizaram ou continuamente melhoram seus processos, só ampliaram o número de funcionários graças ao seu crescimento orgânico e que a automação e/ou a produtividade só geraram desemprego... eu chamo isso de ignorância sistêmica.

É a visão limitada da demissão local sem considerar a contratação global. Novamente, com muito respeito, se você ainda é um ignorante sistêmico na questão da competitividade, produtividade, automação etc., estude mais, tente ter a visão do todo (holística) e reflita a respeito de eliminar a necessidade de seu trabalho. Enfim, sucesso e vamos em frente!

* Eduardo Banzato é diretor do grupo IMAM, que há 37 anos atua na área editorial, de consultoria e treinamento em logística.



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli