Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A busca do vice ideal

A busca do vice ideal

27/07/2018 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Os partidos têm pouco tempo para fechar suas chapas.

Pelo menos dois candidatos – Geraldo Alckmin (PSDB) e Jair Bolsonaro (PSL) – estão em dificuldade para definir os candidatos a vice em suas chapas. O primeiro vê fazer água o seu acordo com o empresário Josué Gomes, filho do vice de Lula, e o segundo já teve pelo menos três nomes dados como certos e não confirmados.

Os partidos têm pouco tempo (até 5 de agosto) para fechar suas chapas, que deverão ser registradas até o dia 15. O vice, embora seja posto de expectativa de substituição do titular, é importante justamente pelo destino dos eleitos. A história republicana registra oito vice-presidentes que governaram o país, inclusive o atual, Michel Temer.

O primeiro vice-presidente após a proclamação da República, Floriano Peixoto, assumiu em 23 de novembro de 1891, quando o presidente Deodoro da Fonseca foi obrigado a renunciar. Nilo Peçanha tomou posse em 14 de junho de 1909, na morte do presidente Afonso Pena. Delfim Moreira assumiu no dia 15 de novembro de 1918 em lugar do presidente Rodrigues Alves, acometido pela tuberculose, que o mataria em 16 de janeiro.

Café Filho sucedeu Getúlio Vargas, no seu suicídio, em 24 de agosto de 1954. João Goulart assumiu em 7 de setembro de 1961, em lugar de Janio Quadros, que renunciou. José Sarney tomou posse, em 15 de março de 1985, substituindo Tancredo Neves, internado na véspera, que morreria a 21 de abril. Itamar Franco assumiu em 29 de dezembro de 1992, em razão de impeachment de Fernando Collor, e Michel Temer, no dia 31 de agosto de 2016, no afastamento de Dilma Rousseff.

Há, também, o caso de Pedro Aleixo, vice de Costa e Silva, que deveria ter assumido em agosto de 1969, quando o presidente sofreu uma inabilitante trombose cerebral, mas foi impedido, assumindo o governo uma junta militar.

Esses e outros episódios na história dos vice-presidentes demonstram a importância do posto no ordenamento institucional brasileiro. Escolher um bom vice é tão importante quanto a definição do presidente, pois o vice poderá substituí-lo, até definitivamente.

O ideal seria que do grande número de pré-candidatos à presidência saíssem também os postulantes a vice. Esse é o momento dos que não vislumbram a possibilidade de passar ao segundo turno comporem com o concorrente viável mais alinhado aos seus ideais.

O reconhecimento da própria inviabilidade poderá ser um importante instrumento para ajudar o país na busca do governante representativo. Como alguém que também poderá governar, o bom é que o vice-presidente também tenha capital eleitoral para oferecer à chapa em disputa...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves