Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A câmera como testemunha

A câmera como testemunha

06/06/2011 Dirceu Cardoso Gonçalves

O diretor da repartição pública, o governador, o prefeito e o deputado foram filmados recebendo propina. A babá foi pilhada agredindo a criança e o cuidador batendo no velhinho sob seus cuidados.

O ladrão acabou reconhecido através das imagens das câmeras de segurança, as mesmas que registraram brigas em escolas, linchamento em portas de estabelecimentos e outros distúrbios. Isso sem falar das milhares de multas aplicadas eletronicamente todos os dias, nas ruas e rodovias brasileiras, a veículos cujos motoristas cometem infrações. As câmeras, cada dia mais eficientes e baratas, tornaram-se um valioso coadjuvante da segurança. Milhares de crimes que já levaram seus autores para trás das grades teriam passado impunes sem a presença da câmera de monitoramento ou de equipamentos (inclusive telefones celulares) operados com a finalidade de combater os delitos.

Se um dia tivermos todas as vias públicas monitoradas, a estrutura de segurança será mais eficiente e as polícias terão um grau de resolutividade infinitamente maior, com a utilização de efetivo menor tanto de policiais quanto de veículos, armamento, combustíveis e outros insumos.  “O preço da liberdade é a eterna vigilância”, dizia Thomas Jefferson, o terceiro presidente norte-americano, que governou de 1801 a 1809, citado ao longo dos tempos por muitos outros, inclusive por brasileiros, em momentos críticos. Jamais poderia imaginar o autor que, passados mais de 200 anos, sua tese ainda seria muito válida e, principalmente, contaria com a força do registro eletrônico de som e imagem. A tecnologia está disponível. Basta, agora, aplicá-la de maneira produtiva.

As muitas reclamações de mau atendimento em serviços públicos, especialmente nos pronto-socorros e hospitais, onde a vida está em jogo, deixariam de existir se a estrutura dispusesse de câmeras de monitoramento permanente. Os funcionários necessariamente atenderiam bem a clientela e esta, por sua vez, não exorbitaria. De quebra, a administração ainda teria um rico material para estudar e aperfeiçoar os métodos de trabalho. O equipamento seria da mesma valia em repartições policiais, salas de aula, sessões de concorrência ou licitação pública e outras atividades que envolvem a prestação de serviço e o dinheiro do povo. Com o filme, ficariam mais difíceis a corrupção, a desídia e os maus tratos. O serviço e a comunidade seriam os grandes beneficiados.

O Brasil possui uma invejável estrutura de leis, mas não dispõe de meios para exigir o seu cumprimento. A câmera instalada como testemunha dos procedimentos em todas as repartições e pontos de atendimento ao público pode ser um grande inibidor de maus procedimentos. Ela poderá proteger o interesse de todos os indivíduos sob seu foco mas, em contrapartida, deles também exigirá comportamento correto, moral e ético. Tudo o que a sociedade necessita para se desenvolver...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes