Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A classe esquecida pelo governo

A classe esquecida pelo governo

21/11/2019 Thamires Ferreira

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.

Vemos ao redor do mundo os mais diversos sistemas previdenciários, mas todos eles têm algo em comum: a disponibilização de ajuda financeira a pessoas que precisam se afastar do ambiente de trabalho devido a motivos alheios à sua vontade, como a ocorrência de doenças, casos de invalidez, idade avançada, dentre outros.

No Brasil, o que poucos sabem é que o sistema previdenciário começou a ser desenhado no início do século 20. O processo se deu quando alguns empregados da rede ferroviária da época se uniram e instituíram uma caixa de aposentadoria e pensão mútua.

Gerida pelos próprios empregados, esta caixa só passou a ter intervenção governamental após 1923, com a criação da lei Eloy Chaves. Neste momento, também surgiram os primeiros escândalos relacionados ao uso indevido de recursos previdenciários.

Nos anos 60, o governo passou a utilizar o recurso excedente para financiar projetos que em nada tinham a ver com o sistema previdenciário, como a criação de estádios e construção de Brasília.

Nos anos 80, o sistema previdenciário já estava quebrado. Um dos principais motivos foi a situação econômica do país, que passava por uma de suas piores crises.

Com o desemprego em alta, o Brasil ainda sofria com a grande inflação, que foi agravada por crises externas como a do petróleo.

Certamente, o uso indevido dos recursos da previdência também colaborou para o seu deficit e falência técnica. E com o passar dos anos, e mesmo com as mudanças implementadas, podemos evidenciar resultados paliativos mas nunca definitivos para o problema.

Ficou constatado que sem a intervenção governamental, a previdência conseguia atender as necessidades econômicas e financeiras de seus contribuintes, sem a necessidade de complementação da renda mensal de forma independente.

Desde as mudanças realizadas pelo Estado, uma pessoa com uma demanda financeira acima de seis mil reais mensais precisa planejar a sua projeção de renda futura por meio do uso de reservas.

Coincidência ou não, esta classe é a mais onerada pelo governo, no que diz respeito ao imposto sobre a renda anual tributável na pessoa física que é de 27,5%.

Isso sem entrar no mérito de que essa é uma classe que normalmente investe fortemente em capacitação, de si mesmo e de seus filhos, para garantir um futuro financeiro mais digno e seguro.

A chamada classe média paga seus impostos para ter direito à educação e saúde, mas acaba tendo a necessidade de pagar novamente no setor privado por estes mesmos serviços, para que assim não seja prejudicada econômica e financeiramente, e tenha que depender dos serviços deficientes prestados pelo Estado.

Com relação à questão privada, a situação também é a mesma: caso a pessoa tenha uma renda de dez mil reais mensais e queira manter o mesmo padrão de vida ao se aposentar ou em caso de doença, é necessário sim, tomar a responsabilidade para si e contratar seguros complementares de proteção de renda e uma previdência privada pois caso contrário, mesmo pagando 27,5% de imposto sobre a sua renda, irá se aposentar com o teto de contribuição, que não ultrapassa R$ 5.900,00.

Felizmente, por mais que poucas pessoas saibam, existe sim no setor privado, seguros que garantem o pagamento total da renda da pessoa em caso de afastamento temporário, mediante atestado ou invalidez definitiva, o que garante o padrão de vida familiar mesmo em caso de uma fatalidade.

A má notícia é que a contribuição ao INSS é obrigatória, limitada a cerca de 5 salários mínimos e em muitos dos casos, pagar o INSS fica mais caro do que ter seguros e previdência para a complementação de renda.

No entanto, este complemento servirá como uma saída para você não ter que escolher entre manter a escola do seu filho em dia ou pagar a prestação do apartamento em caso de problema de saúde, acidente ou necessidade de afastamento do trabalho.

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo. O mesmo entende tanto isso, que beneficia aqueles que contratam seguros em forma de renda e previdência privada no molde PGBL – com a dedução de até 12% da renda bruta na contratação privada destes serviços, independente das outras deduções feitas para a educação, saúde, dependentes, etc… 

Mas cabe a cada um tomar esta responsabilidade para si, buscar investir em sua aposentadoria por meio de previdência privada e não se tornar um dependente do governo.

O conselho é: procure hoje mesmo um assessor financeiro ou um especialista em seguros para ajudar nestes assuntos.

As orientações a respeito, costumam não ter custos e são suficientes para ajudar a garantir a segurança financeira do contribuinte e de sua família.

* Thamires Ferreira é especialista em previdência privada, economista e sócia na Monteverde Investimentos.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes