Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A conscientização da sociedade no trânsito

A conscientização da sociedade no trânsito

22/06/2017 Carlos Santana

Estatísticas indicam que 94% dos acidentes fatais são decorrentes de falhas humanas.

O número de acidentes nas estradas do Brasil é preocupante: mais de 41 mil pessoas morrem todos os anos, vítimas de acidentes fatais, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Estatísticas indicam que 94% dos acidentes fatais são decorrentes de falhas humanas. Todos os anos, instituições não governamentais e o poder público discutem medidas variadas para educar e mobilizar motoristas, pedestres e ciclistas e para alertá-los sobre o perigo de adotar condutas imprudentes no trânsito.

Nesse sentido, destaca-se o movimento Maio Amarelo, lançado pelo Observatório Nacional de Segurança Viária há quatro anos, e que, em 2017, teve o período mais frutífero. Com o objetivo de conscientizar a população sobre a necessidade da construção de um trânsito seguro para a preservação da vida, a campanha contou com a adesão de todos os Departamentos Estaduais de Trânsito do país, além de diversos órgãos de diferentes setores da sociedade civil.

Neste ano, o Maio Amarelo promoveu o tema “Minha Escolha Faz a Diferença”, que destacava a proibição do uso do aparelho celular ao volante, do consumo de álcool antes de dirigir, e incentivava o respeito aos limites de velocidade, o uso do cinto de segurança, entre outras atitudes.

A sociedade, sentindo-se vítima e responsável pelas casualidades decorrentes da insensatez no trânsito, abraçou o movimento. Dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF) demonstram que houve uma redução de 25% no número de mortos no trânsito na primeira quinzena de maio de 2017, em comparação com o mesmo período do ano passado, e uma redução de 8% no número de acidentes.

Soma-se a esses esforços, o trabalho dos agentes do Detran por meio de blitze educativas, palestras, atividades lúdicas, além da grande divulgação por parte da mídia, tinham o intuito de levar o cidadão a questionar o comportamento no trânsito. Destaca-se também o papel dos Centros de Formação de Condutores (CFCs), que trabalham para estimular uma conduta altruísta e para preparar e formar motoristas que priorizem a segurança sempre que estiverem com as mãos no volante.

Nesse sentido, são peças fundamentais os instrutores de autoescolas e os simuladores de direção veicular, pois promovem a condução responsável por meio de práticas em diferentes expoentes que exigem do motorista percepção e cuidado.

Hoje já é possível que o aluno vivencie a experiência de conduzir e manusear o celular ao mesmo tempo ou de reproduzir o estado de embriaguez no volante, por exemplo, o que reforça a nocividade dessas ações e fortalece os ensinamentos dos instrutores.

A cultura brasileira, já acostumada com maus hábitos, carece de um processo compreensivo e profundo de reeducação nas estradas. Valores de respeito ao próximo, ensinados a todos como premissa de uma convivência harmônica, são condições indispensáveis para melhorar as condições do trânsito.

O Maio Amarelo já mobilizou pessoas de 23 países, nos cinco continentes. No Brasil, os números mostram que o cidadão entendeu a causa. Que na continuidade do ano mantenha-se a construção de um trânsito mais humanizado, a fim de reduzir as perdas e casualidades nas ruas, estradas e rodovias do país.

* Carlos Santana é empresário, advogado e tem experiência profissional de mais de 12 anos no segmento de trânsito e veículos.



Saúde e Compliance na era da Governança de Riscos

Os desafios e pressões enfrentados pelo setor de Saúde devido à crise da Covid-19 terão efeitos significativos sobre a necessidade, já inerente ao setor, de aumentar o nível de maturidade de programas de Governança, Riscos e Compliance (GRC).


Inovação no plano de saúde corporativo atrai e retém talentos

A pandemia provocou a transformação de diversos setores, incluindo o de plano de saúde corporativo.


Aviso e anúncios nas redes sociais

Ao abrir, hoje, a minha rede social para ver as publicações de meus amigos, deparei, varado, com aviso, informando-me que certa matéria, colocada por mim, era parcialmente falsa.


Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.