Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A crise do século XX em 2022

A crise do século XX em 2022

21/06/2022 Henrique Raskin

O ano de 1939, que marca o início da Segunda Guerra Mundial, também carrega consigo outros dois significados para as Relações Internacionais.

Primeiramente, é o ano em que se publica “Vinte Anos de Crise”, obra de Edward Carr que inaugura a ciência contemporânea da política internacional; em segundo lugar, e em decorrência dessa obra, seria também o ano em que se encerraria, finalmente, o século XIX.

É natural se mostrar confuso frente a essa última afirmativa, uma vez que, oficialmente, o século XIX teria terminado em 1900, ou seja, trinta e nove anos antes.

No entanto, repousa aí a importância da obra de Edward Carr às Relações Internacionais: ele teria sido o primeiro a compreender que a vontade dos líderes políticos em prolongar a ordem internacional do século anterior, no ilusório projeto da Liga das Nações, não apenas teria forjado como vivo um mundo que não existia mais, como também teria provocado a guerra mais extrema já vista – o último suspiro, saturado, do passado.

Recuperar o Edward Carr de 1939 e retratar a expansão da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), como o pano de fundo da Guerra na Ucrânia, em 2022, talvez não sejam tópicos tão distantes um do outro, ainda que eles estejam separados pelo período de quase um século – curiosamente.

A OTAN, da qual não tanto se falava nas últimas décadas, retornou aos noticiários, também como um suspiro anacrônico: a aliança militar estaria motivando a Rússia a invadir a Ucrânia, antes que ela aderisse à organização de defesa mútua; a Finlândia e a Suécia, que optavam por tradicional neutralidade na região, passariam a rever tal posição, ao oficializar pedido de entrada ao acordo – coisa que não se viu nem na Guerra Fria.

O suposto anacronismo se dá pelo fato de que a assinatura originária do Tratado do Atlântico Norte, em 1949, remonta o término da Segunda Guerra Mundial, quando a União Soviética, uma das grandes potências a derrotar Hitler, passou a ser vista como forte ameaça à Europa Ocidental e aos Estados Unidos da América, também vitoriosos na guerra.

Trata-se, portanto, de uma aliança político-militar que reconfigura as relações entre os Estados na direção de uma Guerra Fria que se formava a partir de dois polos: de um lado, os Estados Unidos, superpotência ocidental que encabeçaria a OTAN; de outro, a União Soviética, que expandia sua influência na Europa centro-oriental a partir do Pacto de Varsóvia, de natureza análoga à da OTAN.

A ordem internacional, orientada a partir das duas novas alianças militares, concluía, de fato, aquela ordem que se prolongava desde o século XIX e que culminava na Segunda Guerra, pautada ainda pela liderança dos tradicionais países europeus.

Evidência disso é que o desfecho da guerra não teria sido conquistado por eles, mas pelos Estados Unidos da América e pela União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), que detinham capacidades econômica e militar superiores.

São eles que definirão a dinâmica política do novo século (já quase em sua metade) e que transformarão a sociedade internacional a partir de novas ideologias e tecnologias, sobretudo militares.

Questiono, assim, se, hoje, não cometemos o equívoco que Edward Carr havia atribuído aos vinte anos de crise entre as guerras mundiais, de negação da nova ordem que ascendia.

Não seria isso o que fazemos quando continuamos interpretando, em 2022, a expansão da OTAN ao Leste Europeu com as lentes políticas oriundas do século da Guerra Fria?

O que observamos, é que não há mais União Soviética, tampouco Pacto de Varsóvia; não há a mais ameaça que Stalin representava ao ocidente – mesmo que Putin busque desestabilizar sua zona de influência; do mesmo modo, os próprios Estados Unidos não são mais consenso enquanto potência no bloco ocidental. Por que, então, ainda enxergamos o mundo com os olhos do século XX?

A ciência das Relações Internacionais, criada por Carr como uma ciência realista, instiga-nos a abandonar as ilusões e o conforto de interpretar o mundo a partir apenas do que nos é conhecido; obriga-nos a aceitar as transformações – manifestas nas ascensões e nos declínios das potências que, apenas no passado, lideravam.

Infelizmente, se Carr estiver correto, a negação e a resistência em aceitar as mudanças não evitarão que elas aconteçam.

Foi o que vimos com o declínio da Europa ocidental, que perdeu o posto de liderança internacional a duras penas. Hoje, adentramos uma nova ordem internacional, própria ao século XXI, que ainda é incerta.

Sabemos, porém, que se continuarmos olhando para trás, também teremos nossos vinte anos de crise pela frente.

* Henrique Raskin é doutor em Filosofia e coordenador do curso de Relações Internacionais na Universidade Positivo (UP).

Para mais informações sobre Relações Internacionais clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Central Press



Economia Verde

Um dos termos da moda, a "resiliência", é uma nomenclatura emprestada metaforicamente da física, significando as alterações que certos corpos adquirem a partir de pressões e forças exteriores.


O futuro do setor bancário: entre o digital e o tradicional

Os bancos estão passando por uma considerável mudança no Brasil com a entrada de novos tipos de competidores.


Os dados estão maiores… e mais inteligentes!

Ter um banco de dados próprio sempre foi um recurso valioso para qualquer empresa.


Falar em público não é um bicho de sete cabeças

Em todos os momentos de nossa vida, precisamos nos “vender” e apresentar o melhor de nós e de nossas ideias, seja para nossos familiares e amigos, seja para nossos colegas de trabalho, clientes ou mesmo líderes.


Shows milionários, circo no lugar de pão ao povo

O emprego de quantias milionárias de dinheiro público na contratação de artistas para a atração e agrado do público em ano eleitoral é um disparate e verdadeiro crime contra a população que sofre com a falta de serviços e recursos básicos de obrigação dos governos.


O que fazer para tornar uma empresa franqueadora

O processo de franquia de uma empresa nem sempre começa da forma correta.


A Justiça Eleitoral é confiável?

As polêmicas levantadas pelo presidente da República e seus correlegionários sobre o processo eleitoral têm sido constantes, e acabam por criar em uma parcela da população um clima de incerteza sobre a confiabilidade das eleições e das instituições envolvidas.


A revolução do mercado não dá opções: ou muda ou morre!

Com o perdão da força de expressão no título deste artigo, é preciso dizer que ele traz mais verdades do que excessos. O mercado mudou radicalmente.


Polícia x Criminalidade

Novamente assistimos pelos jornais de todo o país e nas redes sociais, a nova operação da Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro que resultou na morte de 12 pessoas e um policial ferido no olho por estilhaços.


Efeito pandemia: mercado de seguros é alvo da catalização da transformação digital

A pandemia da COVID-19 acelerou novos movimentos de migração de consumidores para o universo online, gerando um salto catalizador para a transformação digital.


Sic transit gloria mundi: o ex-juiz virou réu

Sic transit gloria mundi (toda glória no mundo é transitória), era utilizada no ritual das cerimônias da coroação papal até 1963.


Os riscos do homeschooling para a educação básica no Brasil

O homeschooling ou ensino domiciliar é uma modalidade que se pretende aplicar na educação básica do Brasil.