Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A Democracia, infelizmente, venceu!

A Democracia, infelizmente, venceu!

02/11/2014 Roberto Lacerda Barricelli

Presenciamos a festa da democracia, que serve apenas aos que idolatram o estado e dele querem tomar posse, deixando para nós a ressaca.

A democracia é o sistema que institucionaliza o lobby de grupos de interesse ligados aos “donos” do estado, sejam as tais “minorias oprimidas”, como também empresários amigos do rei. A verdade é que a democracia permite a captura do estado por esses grupos e a utilização desse para promover agendas totalitárias. Na democracia uma minoria organizada é capaz de dominar toda a maioria e transformá-la em uma grande massa de manobra, separada em grupos distintos. É a ditadura das minorias pro0movendo a ditadura de uma pseudomaioria.

A desculpa é a promoção dos direitos dos grupos minoritários, contudo, deixam de fora dessa equação justamente a menor minoria existente: o indivíduo. Não há mais indivíduos sob o regime democrático. Ou você pertence a algum grupo, e de preferência um daqueles que tem a prioridade e amizade do rei, ou será forçosamente jogado em algum grupo, catalogado de acordo com os interesses daqueles que dominam a democracia. Obviamente o catálogo conta com os seguintes grupos: “elite branca”, “burguês”, “coxinha”, “fascista” (?), “machista”, “intolerante” (??), “nazista” (???), “reacionário” e “capitalista”.

Esses são os principais, que podem se subdividir de acordo com a necessidade dos catalogadores, imperadores da desonestidade, a tal ponto, que se você é contra o estado, então, você é fascista (sendo que o fascismo é “tudo pelo estado e para o estado, nada fora do estado”), se você defende determinados valores és intolerante (e serás espancado, achincalhado, etc, por pessoas de determinados grupos apenas por discordarem de você, mas tu que és o intolerante) e se fores contra a ideologia dominante, então, serás nazista (mesmo sabendo que o nazismo é filho de tal ideologia e com ela compactua, sendo exatamente o oposto do que tu defendes).

Esta é a grande e maravilhosa democracia, onde a vontade de uns se sobrepõe a vontade de todos os demais, ignorando-se os valores e desejos individuais. Onde 50,00001% decidem quem governará os demais 49,99999% (na verdade, basta 50% mais 1, ou seja, 50 milhões mais um decidem quem governará os demais 49.999.999). Perceba que não há a opção de não ser governado por ninguém, não há a opção de governar-se a si mesmo, pois és obrigado a escolher alguém que sequer imagina que tu existes, para decidir por você o que é melhor para ti, como se essa pessoa que sequer sabe da vossa existência e ficará praticamente inacessível a ti, seja capaz de decidir por você melhor do que você.

Este sistema necessariamente conduz a um estado totalitário, ao socialismo, através da democratização de tudo e de todos. A democracia no máximo nos dá o direito de tentar escolher nosso algoz, correndo o risco de ter que aceitar que ele seja escolhido por outra pessoa, como ocorreu nestas eleições, com 51% dos eleitores impondo sobre os demais 49% quem deve governá-los, independente da vontade destes. Isso sem contar os 20% que se absteram e os 6% entre brancos e nulos, que claramente não escolheram nenhuma das opções disponíveis. No fim, você não tem sequer o direito de não querer ser governado por ninguém.

*Roberto Lacerda Barricelli é Jornalista, Assessor de Imprensa do Instituto Liberal e Colunista do Clube Farroupilha, Club Miss Rand e Liberdade em Foco.



O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder


O gato que caiu dentro das latas de tinta

Todas as histórias começam com Era uma Vez… A minha não vai ser diferente.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre