Portal O Debate
Grupo WhatsApp

À deriva

À deriva

26/04/2020 Daniel Medeiros

A sensação de ficar sem ajuda é, primeiramente, claustrofóbica. Tudo começa com uma incredulidade, um espanto com aquela nova situação.

Você diz pra si mesmo: não, não é possível. É lógico que eu vou encontrar alguém pra me ajudar.

Tenho vários amigos, eles vão compreender a minha situação, amigo é para essas coisas. Uma mão lava a outra e, afinal, é uma coisa passageira, em dois ou três meses eu que vou estar emprestando pra eles.

Quando passa essa fase - e ninguém que você esperava ajudou - vem a raiva, uma raiva profunda contra todos.

Daí você diz, ou pensa, pra poder dizer mais alto: “gente mesquinha, um dia vai acontecer com eles e aí quero estar de camarote pra ver a cara deles; gente covarde, nem pra vir me falar, manda o filho dizer que não está, desliga o telefone, inventa desculpas e depois sai com a família no carrão pra jantar fora. Nunca mais quero falar com eles. Não preciso dessas falsas amizades”.

Nesse momento, sem aviso ou convite, vem o desespero. É a parte mais asfixiante. Você já gastou a reserva de emergência, o gás tá no fim, as crianças pedem isso e aquilo, a prestação da escola já venceu há dez dias, o condomínio, a luz.

Você se olha no espelho e pergunta: e agora? Toma banho, põe a melhor roupa e vai atrás de um fiapo de esperança que é uma indicação de um conhecido de um conhecido de um cara que precisa de alguém para um serviço rápido, quem sabe.

Mas você sabe que não tem a qualificação para esse serviço, vai lá para se humilhar e pedir uma chance. No fim da tarde você volta e sabe que amanhã não haverá mais nada.

É hora de começar a vender por qualquer preço tudo o que tem e pagar as contas e ganhar um respiro. A vida, definitivamente, deixa de ser a mesma. Você vai ter de queimar sua caixa de ferramentas para aquecer a noite e amanhã, bom, amanhã seja o que for.

Nesse estágio, começa um enrijecimento na percepção das coisas. É como se a alma ficasse cinzenta e invadisse com essa cor toda a forma de vida.

Você ainda anda, come, fala, mas há uma perda definitiva de substância afetiva, esperançosa. Você não crê que isso seja mais possível.

Agora, o contato é só com os aproveitadores, os pulhas, que compram seus bens por um quarto do valor e ainda fazem cara de maria mãe de jesus, e pagam com cheques de terceiros, dizendo: “é o que eu tenho, o cheque é quente, você que sabe, é pegar ou largar”.

E você pega, já pensando que vai dar pelo menos pra manter os meninos na escola por mais um mês antes de tirá-los de lá, o condomínio que se lasque, a prestação do carro, quem sabe dá pra empurrar pra frente, nem que venda por nada.

Na esquina, há um sem teto e agora você olha pra ele com certa simpatia em vez da aversão dos bons tempos.

Também os dois moleques do semáforo, limpando os vidros dos carros e recebendo xingamentos, “vagabundos”, “tirem as mãos do meu carro”, “marginais”, você sente uma certa compaixão.

Aquelas ideias que você adorava, de que quem quer consegue tudo na vida e que você gostava de recitar nos encontros de domingo na frente do seu cunhado pobretão; a máxima de que tudo o que você tem foi com seu esforço e que nunca precisou da ajuda de ninguém que você esfregava na cara do sogro mão de vaca (e que se recusou a ajudar de novo, lembrando da frase), tudo isso agora cai por terra.

Você chega no último estágio da sua transformação, que não tem nome, não tem forma, você nunca sentiu uma sensação como essa.

Você virou aquele que você nunca olhou, nunca ajudou, nunca teve compaixão ou solidariedade. Você agora é somente mais um brasileiro invisível.

* Daniel Medeiros é doutor em Educação Histórica e professor no Curso Positivo.

Fonte: Central Press



Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins