Portal O Debate
Grupo WhatsApp

À deriva

À deriva

26/04/2020 Daniel Medeiros

A sensação de ficar sem ajuda é, primeiramente, claustrofóbica. Tudo começa com uma incredulidade, um espanto com aquela nova situação.

Você diz pra si mesmo: não, não é possível. É lógico que eu vou encontrar alguém pra me ajudar.

Tenho vários amigos, eles vão compreender a minha situação, amigo é para essas coisas. Uma mão lava a outra e, afinal, é uma coisa passageira, em dois ou três meses eu que vou estar emprestando pra eles.

Quando passa essa fase - e ninguém que você esperava ajudou - vem a raiva, uma raiva profunda contra todos.

Daí você diz, ou pensa, pra poder dizer mais alto: “gente mesquinha, um dia vai acontecer com eles e aí quero estar de camarote pra ver a cara deles; gente covarde, nem pra vir me falar, manda o filho dizer que não está, desliga o telefone, inventa desculpas e depois sai com a família no carrão pra jantar fora. Nunca mais quero falar com eles. Não preciso dessas falsas amizades”.

Nesse momento, sem aviso ou convite, vem o desespero. É a parte mais asfixiante. Você já gastou a reserva de emergência, o gás tá no fim, as crianças pedem isso e aquilo, a prestação da escola já venceu há dez dias, o condomínio, a luz.

Você se olha no espelho e pergunta: e agora? Toma banho, põe a melhor roupa e vai atrás de um fiapo de esperança que é uma indicação de um conhecido de um conhecido de um cara que precisa de alguém para um serviço rápido, quem sabe.

Mas você sabe que não tem a qualificação para esse serviço, vai lá para se humilhar e pedir uma chance. No fim da tarde você volta e sabe que amanhã não haverá mais nada.

É hora de começar a vender por qualquer preço tudo o que tem e pagar as contas e ganhar um respiro. A vida, definitivamente, deixa de ser a mesma. Você vai ter de queimar sua caixa de ferramentas para aquecer a noite e amanhã, bom, amanhã seja o que for.

Nesse estágio, começa um enrijecimento na percepção das coisas. É como se a alma ficasse cinzenta e invadisse com essa cor toda a forma de vida.

Você ainda anda, come, fala, mas há uma perda definitiva de substância afetiva, esperançosa. Você não crê que isso seja mais possível.

Agora, o contato é só com os aproveitadores, os pulhas, que compram seus bens por um quarto do valor e ainda fazem cara de maria mãe de jesus, e pagam com cheques de terceiros, dizendo: “é o que eu tenho, o cheque é quente, você que sabe, é pegar ou largar”.

E você pega, já pensando que vai dar pelo menos pra manter os meninos na escola por mais um mês antes de tirá-los de lá, o condomínio que se lasque, a prestação do carro, quem sabe dá pra empurrar pra frente, nem que venda por nada.

Na esquina, há um sem teto e agora você olha pra ele com certa simpatia em vez da aversão dos bons tempos.

Também os dois moleques do semáforo, limpando os vidros dos carros e recebendo xingamentos, “vagabundos”, “tirem as mãos do meu carro”, “marginais”, você sente uma certa compaixão.

Aquelas ideias que você adorava, de que quem quer consegue tudo na vida e que você gostava de recitar nos encontros de domingo na frente do seu cunhado pobretão; a máxima de que tudo o que você tem foi com seu esforço e que nunca precisou da ajuda de ninguém que você esfregava na cara do sogro mão de vaca (e que se recusou a ajudar de novo, lembrando da frase), tudo isso agora cai por terra.

Você chega no último estágio da sua transformação, que não tem nome, não tem forma, você nunca sentiu uma sensação como essa.

Você virou aquele que você nunca olhou, nunca ajudou, nunca teve compaixão ou solidariedade. Você agora é somente mais um brasileiro invisível.

* Daniel Medeiros é doutor em Educação Histórica e professor no Curso Positivo.

Fonte: Central Press



Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?


Como a tecnologia pode criar uma cultura de reciclagem

Diante das diversas transformações no mundo dos negócios e no modelo de atendimento aos consumidores, empresas de todos os segmentos estão sendo obrigadas a buscarem soluções que permitam acelerar a inovação e a eficiência de seus negócios.


As regras essenciais para o uso de vagas de garagem em condomínios

A garagem traz para o condômino segurança e comodidade para os moradores.


Como usar a sua voz para compartilhar as suas ideias?

Você já se perguntou quantas palavras fala diariamente?


A jornada de inovação dos caixas eletrônicos

Quando os primeiros caixas eletrônicos chegaram ao Brasil, no início dos anos 1980, a grande novidade era a possibilidade de retirar dinheiro ou emitir um extrato de forma automatizada.


A nota oficial do Presidente da República

Após o excesso de retórica do mandatário maior da nação ocorrida no dia de uma das maiores manifestações já realizadas e vistas pelo povo brasileiro, o Presidente da República, veio a público, através de nota oficial, prestar a seguinte declaração, da qual destaca-se os seguintes parágrafos: