Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A Engenharia como antídoto para o desemprego

A Engenharia como antídoto para o desemprego

18/03/2021 José Manoel Ferreira Gonçalves

A debandada da Ford com suas fábricas do Brasil escancarou um dos grandes problemas, cada vez mais crônico, de nossa economia: o desemprego entre a mão de obra qualificada.

Mercedes-Benz, Sony e diversas outras empresas baseadas em tecnologia já haviam anunciado o fim de suas respectivas unidades fabris, engrossando as estatísticas desanimadoras sobre a oferta de postos de trabalho na indústria.

Segundo a CNC, Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, o Brasil perdeu 17 estabelecimentos industriais por dia nos últimos cinco anos.

Em 2020, a indústria atingiu o menor nível de participação no PIB brasileiro em toda a história –apenas 11,2%. É a chamada desindustrialização.

Especialistas da CNI, Confederação Nacional da Indústria, defendem que já estamos vivendo uma segunda onda desse processo desde meados da década passada.

A oferta de subsídios e outras medidas macroeconômicas adotadas pelo Brasil nos últimos anos não surtiram efeito. Há tempos o governo peca ao optar por essa forma primária de se fazer presente na briga global por competitividade.

Subsídios são apenas um entre muitos outros fatores – mais sólidos – que atraem investimentos, tais como a já citada mão de obra qualificada, geolocalização, um forte mercado consumidor, sistema tributário moderno e estabilidade jurídica.

O Brasil é um país continental, que no passado recente exigiu notáveis esforços de infraestrutura e engenharia para se integrar e crescer.

Voltar a investir nessas iniciativas, em grandes projetos de transporte, energia, saneamento e logística, é o caminho para termos uma nova era de desenvolvimento.

Àqueles que acreditam que o Estado não tem condições de assumir esse papel de indutor de investimentos, é preciso contrapor que o país possui, sim, os recursos que poderiam ser investidos em infraestrutura, como a poupança interna, a balança comercial positiva e nossas bilionárias reservas cambiais.

Com relação aos técnicos e engenheiros, eles são resilientes e estarão prontos para contribuírem, voltarem a ser protagonistas de um Brasil vibrante e gerador de oportunidades.

Algumas das possibilidades que saltam aos olhos e que estão aguardando a vontade política de nossos governantes para gerar empregos:

Ferrovias – há no país 8.534 km de ferrovias abandonadas, 51.530 km de ferrovias planejadas e apenas pouco mais de 10.000 km de ferrovias ativas – ou precariamente ativadas.

Toda essa malha aguarda um projeto sério de investimento para voltar a funcionar, inclusive como opção ao transporte de cargas e passageiros, reduzindo a dependência do país do modal rodoviário.

O investimento anunciado com as duvidosas prorrogações de concessões que só interessam a poucos representa uma migalha do enorme potencial do setor ferroviário.

Indústria petrolífera – temos tecnologia de águas profundas pioneira. Além da Petrobras, há cerca de 5 mil empresas privadas criadas em torno da indústria do óleo & gás.

Indústria aeronáutica – apesar do momento delicado para o transporte via aérea, o país possui seu próprio Vale do Silício em torno da Embraer, e é altamente competitivo nessa área.

Tecnologia agrícola – envolve milhares de pesquisadores e é responsável por inúmeros avanços de repercussão mundial (em São Paulo, o governador parece estar disposto a desmantelar esse nicho de excelência).

O próprio Instituto Butantã, que nos enche de orgulho no combate à pandemia, é outro exemplo: criado em 1901, é o maior produtor de vacinas do Hemisfério Sul.

Em resumo: sem projeto nacional de desenvolvimento, não há empregos. Sem engenheiro, não há desenvolvimento sustentável!

* José Manoel Ferreira Gonçalves é engenheiro, jornalista, advogado, professor doutor, integrante do Engenheiros pela Democracia e presidente da Ferrofrente.

Para mais informações sobre engenharia clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Vervi Assessoria



Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.


O que a inveja desperta em você?

Inveja é um sentimento de natureza humana que se caracteriza por ódio ou rancor em relação a algo de bom que o outro tem, e você não.


“Os bem-comportados podem sair”

Havia na empresa onde trabalhei quase quarenta anos, o costume, enraizado na tradição, de não abandonar o local de trabalho, sem o chefe do departamento, dizer: “Podem sair!”


Dados sobre religião entre jovens nos USA

As religiões cristãs no ocidente têm motivos para preocupação diante de um crescente número de ‘sem religião’ entre as novas gerações.


Tecnologia e EPIs

Áudio e vídeo inteligente para a segurança de colaboradores de infraestrutura crítica.