Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A escola do seu filho fala inglês?

A escola do seu filho fala inglês?

29/03/2013 Cíntia Maria Falaschi

Ensino de inglês: este é um tema que certamente vem fazendo – e fará cada vez mais – parte das preocupações de quem trabalha com educação no futuro próximo.

As famílias começam a acompanhar mais de perto o trabalho realizado e os resultados do ensino de inglês. Pode ter certeza: a pressão vai aumentar. Há muitas razões para isso. Um conjunto de fatores, como a globalização acelerada, a derrubada de fronteiras e territórios provocada pela comunicação on-line, a demanda dos negócios internacionais, a inclusão crescente de cidades brasileiras em roteiros planetários de moda, esportes, música – tudo isso vem tornando o inglês muito mais do que um verniz cultural.

Trata-se de um pré- requisito verdadeiro para a inserção na cultura contemporânea. Bem, e o que a escola tem com isso? Tudo! Preparar para a vida, para o mundo, para o trabalho, qualquer que seja o nome que se dê à missão da escola, agora também implica formar jovens proficientes no uso do idioma no qual é fechada a imensa maioria dos negócios internacionais e se produzem 90% dos papers científicos.

O problema é que até hoje os colégios se limitaram a um protocolar ensino de inglês, sem qualquer aferição de qualidade. Raríssimas são as escolas que estimulam seus alunos a buscar certificados de proficiência reconhecidos, como o PET (Preliminary English Test) ou o FCE (First Certificate in English), ambos de Cambridge, até porque sabem que os objetivos do trabalho realizado são mesmo pouco ambiciosos, do ponto de vista acadêmico.

Agora, a dinâmica do mundo não permite que isso continue assim, e o inglês tende a se tornar tão valorizado quanto as demais disciplinas do currículo escolar. O mesmo acontecerá também na rede pública, só que em um ritmo mais lento, claro.

Não é possível mudar esse quadro do dia para a noite, mas é hora de começar. Escolas que oferecem bom ensino de idiomas são aquelas que conseguem incorporar um pouco da cultura de outros países em nossa própria cultura, que produzem vivências, situações práticas e significativas para os alunos.

É preciso formar equipes afinadas, estabelecer objetivos, integrar o inglês ao projeto pedagógico e dedicar efetiva prioridade ao tema, hoje relegado a um espaço menos nobre na grade horária. É tempo de começar a pensar neste assunto, que pode enriquecer a escola do ponto de vista cultural e vir a se tornar até mesmo um interessantíssimo diferencial competitivo.

*Cíntia Maria Falaschi é suporte pedagógico de língua inglesa do Ético Sistema de Ensino, da Editora Saraiva.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.