Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A evolução dos mercados

A evolução dos mercados

30/07/2014 Francisco A. M. Sant’Anna

O auditor independente também precisa se desenvolver profissionalmente promovendo o mesmo ao seu pessoal.

Em função da premente necessidade do mercado em receber informações financeiras sempre mais especificas e qualitativas para tomada de decisões, cada vez mais, como se pode constatar na última década, as empresas fazem uso maciço de tecnologia para suportar a elaboração de seus planos estratégicos e consequentemente para gerir seus processos em todas as suas fases mais importantes quais sejam no âmbito de compras, produção, custeio, vendas, pessoal, financeiro, contábil e de divulgação, entre outros.

Um exemplo disso é a crescente utilização dos sistemas integrados de gestão empresarial, que eficaz e apropriadamente amarram dados já inseridos em vários módulos, objetivando a geração de informações detalhadas sobre qualquer área ou situação da Companhia. Ao lado de toda esta evolução tecnológica, infelizmente avoluma-se também a complexidade das fraudes e o consequente uso da contabilidade para fins ilegítimos.

Frente a este cenário desafiador e em constante mutação encontra-se o auditor independente que, além da manutenção permanente e atualizada de seus conhecimentos técnicos face aos pronunciamentos contábeis cada vez mais profundos e específicos, também precisa se desenvolver profissionalmente promovendo o mesmo ao seu pessoal e trabalhar com ferramentas adequadas para acompanhar esta evolução. Abordemos então, entre vários aspectos importantes de um serviço de auditoria de qualidade, três relevantes, em que o auditor independente deve promover uma abordagem moderna, objetivando o acompanhamento deste processo evolutivo em seus clientes:

Fase de Planejamento dos Serviços: Nesta fase, que por direcionar toda abordagem do serviço em todos os seus estágios é bastante sensível, é imprescindível lançar mão cada vez mais do conhecimento profundo prévio dos negócios de seus clientes e consequentemente de seus principais e mais impactantes riscos para a arquitetura do planejamento de cada fase da auditoria. Não se permite hoje ao auditor iniciar um planejamento de auditoria sem entender profundamente todos estes aspectos.

Fase de Desenvolvimento dos Serviços: Já no desenvolvimento dos serviços de auditoria o auditor independente deve sempre estar focado na avaliação da qualidade dos controles dos seus clientes, para isto se suportando do conhecimento e das premissas e definições desenvolvidas na fase de planejamento. A base para confiança ou não em determinados controles e os respectivos testes de auditoria derivados serão parte fundamental para a conclusão dos serviços.

Outro fator importante nesta fase são as ferramentas de auditoria, que devem ser construídas com alta tecnologia de tal forma a suportar com bastante segurança a finalização dos testes. Como exemplo cito o uso presente do processo de analytics para coletar as mais diversas informações, compara-las, extrair dados, efetuar subseleções para analises categóricas e consequentemente auxiliar na conclusão quanto à adequação razoável dos valores apresentados em diversas contas selecionadas para testes.

Capacitação Técnica do Auditor e de seu Pessoal: Tão importante quanto os outros aspectos já citados, é a capacitação do auditor e de seus profissionais para a execução dos serviços num mercado em franca evolução, pois por mais que se busque eficiência com profissionalismo nas fases de planejamento e desenvolvimento dos serviços, sem a bagagem técnica necessária os resultados serão consideravelmente afetados.

Para isso, o Ibracon – Instituto dos Auditores Independentes do Brasil tem contribuído com o mercado, com suas discussões e análises dos respectivos pronunciamentos contábeis, com a construção e emissão de Comunicados Técnicos, bem como pelo relacionamento com órgãos reguladores e oferta de treinamentos para educação profissional continuada. O auditor independente, além de ter que estar sempre atualizado tecnicamente, deve se preocupar em continuamente treinar seu pessoal para em conjunto desenvolver serviço e alta qualidade.

* Francisco A. M. Sant’Anna é Diretor Nacional de Comunicação do Ibracon – Instituto dos Auditores Independentes do Brasil.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.