Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A falta d´água e a canalhice governamental

A falta d´água e a canalhice governamental

21/01/2015 Wellington Fontes Menezes

O silêncio é um grande catalisador de votos e apoios "ignorantes".

Duas décadas de gestão tucana em São Paulo, que tanto os paulistanos e paulistas se apaixonam e não sabem votar em outra coisa para o Palácio dos Bandeirantes, desencadearam na maior crise hídrica da história do estado.

Sim, temos um governo covarde, omisso e mentiroso que parece nunca assumir suas responsabilidades e adora proferir mentiras se utilizando da Grande Mídia, o braço midiático da direita brasileira. O governador Geraldo Alckmin se tornou um mentiroso compulsivo que quase toda a Grande Mídia abaixa a cabeça, capaz de mentir o quanto puder e até empossou um Secretário de Segurança com elos diretos com máfias ligadas ao crime organizado. Nesta esteira do silêncio oportunista e interesseiro, todos os escândalos da era tucana são imediatamente abafados.

Com o criminoso sucateamento da SABESP, empresa estatal de água responsável pelo fornecimento do precioso líquido, foi transferida para os bolsos dos consumidores todos os prejuízos possíveis e assim, a “culpa” da falta de água, no discurso do cinismo governamental, seria do usuário “irresponsável” (ou seja, quase toda a população!). Quanto as tais vicejantes demagogias, ninguém fala nada ou, quando fala, de forma muito tímida e, há um sensível constrangimento em falar "alguma coisa" que deponha contra o governador, algum tucano e sua base aliada.

No confronto de partidos dominantes na esfera política, se o PT empossa alguns de seus estercos de vaca em cargos de alta patente, o PSDB é campeão da categoria do ilusionismo midiático do excremento bovino com cara de "grandes administradores". O silêncio é um grande catalisador de votos e apoios "ignorantes". Muito pior que os conchavos corruptos da Petrobras, cujo interesse de criar uma situação de calamidade universal em meio a olhos gordos de privatização desta empresa estatal, a questão da água em São Paulo é a prova cabal que um governo pode ser tanto desonesto quanto também parte significativa de sua sociedade.

Não temos santos, mas temos um bando de pessoas que na sua profunda ignorância e estupidez política, esquece o fato de que viver em sociedade é estar em solidariedade com o Outro. O PSDB não é um partido bobo (e jamais foi) e sabe que somente ganha eleições criando uma poderosa blindagem midiática ao seu favor. A condução do playboy mineiro do Aécio Neves foi uma prova cabal que a mídia pode injetar qualquer excremento bovino com alguma grife para o eleitorado, e, no senso de orfandade e desconexão política atual, o mesmo se apaixonar e até quase conduzir o tucano ao cargo público de máxima expressão.

A podre classe dirigente e elitista pavimentada nos Jardins, Higienópolis e arredores também faz seu papel, ou seja, é do seu seio que articula o gerenciamento da “Realpolítik” aplicada para toda a sociedade. De resto, temos o resto, e para quem reclamar esta aí a nossa polícia altiva, pronta a receber com porretadas os pobres, os fragilizados e os de “fora do consenso”. A crise da água é a crise da canalhice de uma elite egoísta, míope e arrogante que pouco se importa com o planejamento estratégico da sociedade.

Não se importa sobre os avisos de longa data a respeito dos problemas hídricos que fatalmente iriam ocorrer (e de fato, agora os paulistanos que não pertencem a elite econômica sentem as convergências, pois que tem dinheiro, jamais falta água e tampouco recursos para subornar prefeitos e funcionários estatais). Contra o estigma do “complexo de vira-latas”, não somos incompetentes por falta de tutano, mas é oportuno enfatizar que temos enraizado uma elite relativamente homogênea com o profundo desprezo pelo presente e futuro dos que mais necessitam da presença do Estado.

Tal como a patológica doença tucana, o PT também vem se alastrando com sua metástase proto-conservadora, com medidas cada vez mais neoliberais, cosméticas e inócuas para o real desenvolvimento do país como prática de construir uma sociedade menos desigual. O conservadorismo das políticas públicas em grande parte se torna desgastadas e, em médio prazo, se tornam obsoletas, situação observada em vários setores da sociedade. Por exemplo, soa patética a ação midiática da Prefeitura de São Paulo de gestão petista ao tentar se autopromover em cima de extensos e perdulários corredores para uma ínfima parcela de ciclistas da classe média paulistana.

Como se o maior problema da cidade são as trilhas para os andadores de “magrelas”. É inegável que tendo tantos problemas viscerais nas periferias da complexa cidade e com dilemas mais graves para serem trabalhados. É preocupante um “PT cosmético” iludido com o desejo de atrair os holofotes da grande mídia, resultado em um objeto de desejo eleitoral e que, por si só, já bastaria para as pretensões do partido. É gravíssimo tal comodismo reacionário! Por sinal, o PT se consagrou como um partido de lutas de trabalhadores e a sua atual cúpula precisa reconsiderar urgentemente suas ações governamentais e voltar-se ao sentido histórico partidário o qual foi arduamente construído.

A crise política é também uma crise dos valores da política, onde a nitidamente o desgaste a ação governamental e o descolamento da realidade. A falta de água nos domicílios paulistas é o exemplo de como um país de detém o privilégio de ter uma das maiores regiões de água doce do mundo conseguiu tornar suas torneiras secas. É assustador a mediocridade e a ganância destas podres elites políticas que infestam e desarticulam um sentido mais solidário e emancipador da democracia brasileira. A demagogia é o extrato da canalhice arquitetada e programada.

Se falta água na sociedade paulistana e em regiões interioranas, falta ainda mais caráter e dignidade ao comando das políticas socioeconômicas tanto em São Paulo, quanto no restante do país. Para evoluir para um patamar com mais dignidade, cabe um profundo reconhecimento que a política não poderá ser orientada pela falta de horizontes e somente por uma espécie de incessante desejo sexual eleitoreiro.

Diante deste horizonte pouco trivial e muito desalentador, é preciso reconstruir o sentido da política dentro e fora das saletas de demagogos políticos matreiros e oportunistas. A sociedade, em particular as classes mais fragilizadas, precisa estar mais próxima do sentido emancipatório da política para não ser engolida por aqueles que somente se utilizam da política para a manutenção mesquinha do status quo reinante.

*Wellington Fontes Menezes é Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista (UNESP).



A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.