Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A finalidade e controle das ONGs

A finalidade e controle das ONGs

13/08/2019 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.

Diante do impasse entre o governo federal e o Fundo Amazônia, que recebe recursos da Alemanha e da Noruega, estados da região (Pará, Amazonas e Mato Grosso) buscam parcerias diretas e sem interveniência federal com doadores internacionais para financiar ações de combate ao desmatamento.

O Fundo, criado em 2007, ensejou a troca de farpas entre a chanceler alemã Angela Merkel e o presidente Jair Bolsonaro, na véspera da reunião do G-20, e ainda rende mal-estar.

Há muitos anos questiona-se a presença de ONGs internacionais na região. Além de se encontrar muita gente falando outros idiomas na floresta e suas cercanias, é notado o grande embarque e estrangeiros nos voos com escalas em Manaus, parte desses passageiros acompanhados de índios.

Daí as narrativas de intromissão estrangeira na área e, até, as desconfianças quanto a um plano de internacionalização em marcha.

Teme-se, ainda, na possibilidade de infiltração do crime organizado ou de trustes para a exploração ilegal e predatória de nossos recursos minerais e outras riquezas.

A presença de ONGs (Organizações não Governamentais) em território brasileiro vem desde os anos 50. Levantamento do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), de 2002, o último disponível, diz que naquele ano o país contava com 276 mil fundações privadas e associações sem fins lucrativos.

Incluem organizações religiosas, hospitais, escolas, universidades, associações patronais e profissionais, entre outros. Hoje se estima haverem aproximadamente 300 mil.

Durante os governos militares essas instituições abraçaram a tese política da redemocratização e 62% delas foram criadas nos anos 90, já no período de democracia plena. Entre 1996 e 2002, o setor cresceu 175%, indo de 105 para 276 mil ONGs.

O grande problema não é o numero de ONGs, mas elas respondendo por trabalhos de competência do Estado e, dessa forma, com acesso a recursos públicos.

O ideal seria atuarem supletivamente onde o Estado encontra dificuldade para operar. Logo, o mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções, até mesmo serem cooptadas pelo crime.

Todas devem ser mantidas de forma a prestarem serviços comunitários e sem fins lucrativos. Também precisam se localizar estritamente dentro do propósito estabelecido em seus estatutos e de forma a não conflitante com as atribuições e obrigações do Estado.

Não há razão para manter entidades funcionando, mesmo que sem fins lucrativos, sob bandeiras antagônicas à legislação e aos objetivos estatais.

Erram os que pregam o fim das ONGs. A necessidade é mantê-las sob controle,  distantes da utilização por grupos de pressão ou criminosos e, principalmente, de exploração ou atividades de cunho político-ideológico.

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.