Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A greve dos oportunistas

A greve dos oportunistas

07/06/2018 Bady Curi Neto

A paralisação dos caminhoneiros despertou amor e ódio da população.

Várias pessoas defenderam o movimento como legítimo, dizendo que o preço do combustível não poderia sofrer tamanha oscilação em razão do valor do barril do petróleo internacional.

Outros enxergaram a greve como abusiva, atingiam setores da sociedade que ficavam reféns dos caminhoneiros e das empresas de transportes. Hospitais, escolas, serviços públicos e etc., tiveram suas rotinas alteradas em razão do não fornecimento de combustíveis, alimentos, medicamentos, enfim tudo aquilo que depende de ser transportado.

Vivenciou-se nos últimos dias um verdadeiro caos social. O governo, pressionado, negociou com a classe e tomou as providências emergenciais cabíveis e possíveis para debelar a paralisação.

Alguns políticos, da turma do quanto pior melhor, insuflaram o movimento, com pessoas totalmente divorciadas da atividade de transporte, tentando transformá-lo em um movimento político e não de classe, o que é lastimável.

Fato é que a nação não pode se tornar refém de nenhuma classe trabalhadora, mesmo que suas reivindicações, à primeira vista, possam ser justificáveis. Não é plausível o adiamento de cirurgias em hospitais, a falta de oxigênio, fechamento de postos de saúde, falta de alimentos, falta de combustível para a segurança pública, apenas para citar alguns exemplos, ocasionados pela paralisação desordenada dos transportadores.

Apesar de favorável à todas as manifestações, desde que ordeiras e livres, não coaduno com a sua imposição. Inconcebível o fechamento de estradas impedindo o direito de ir e vir da população que nada tem com aquela manifestação.

Agressões são um verdadeiro despautério àqueles que não aderiram ao movimento ou aqueles que se deram por satisfeitos pelas medidas governamentais e pretendem voltar as suas atividades. Nestes casos, se o uso da força se fizer necessário, que seja a força estatal, para impedir este tipo de coação.

Agora, em uma atitude oportunista, vendo as consequências do desabastecimento de combustíveis e a paralisação do transporte de cargas, os funcionários da Petrobras e suas subsidiárias pretendiam pegar carona no caos social, anunciando uma greve (paralização de 72 horas), de natureza ”política-ideológica”, como dito pela Advocacia-Geral da União (AGU), certo que o Sindicato dos Petroleiros fazem reivindicações outras, a exemplo do pedido da demissão do presidente da Petrobras, que não de cunho trabalhista.

Instado a decidir sobre a greve, o Tribunal Superior do Trabalho (TST), através de liminar deferida pela M. Maria de Assis Calsing, a impediu, afirmando que "Beira o oportunismo a greve anunciada, cuja deflagração não se reveste de proporcionalidade do que poderia, em tese, ser alcançado com a pauta perseguida e o sacrifício da sociedade para a consecução dos propósitos levantados".

Sobre a decisão o coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), José Maria Rangel, afirmou que "a categoria não se intimidará", desrespeitando a decisão do TST. É de se perguntar: que direito de liberdade é este daqueles que impõem a greve por coação aos colegas de profissão ou daqueles que não respeitam as decisões judiciais?

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Assessoria e Marketing



O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder


O gato que caiu dentro das latas de tinta

Todas as histórias começam com Era uma Vez… A minha não vai ser diferente.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Apesar da polarização radical, brasileiros não abrem mão da Democracia

Desde as eleições presidenciais de 2018, temos percebido a intensificação da polarização política no país, com eleitores cada vez mais divididos.

Autor: Wilson Pedroso