Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A história se repete

A história se repete

06/11/2015 Luiz Carlos Borges da Silveira

A política uma vez mais povoa o cenário com acontecimentos que não são inéditos e como sempre negativos e desmoralizantes.

A presidente Dilma Rousseff negocia Ministérios como se tão alto cargo seja simples moeda de troca em momento de crise administrativa e fraqueza de comando; barganha também com o Congresso para saciar a volúpia fisiológica de partidos, bancadas, grupos e até parlamentares individualmente, negociando no varejo com integrantes da base aliada como se a coalizão governamental não seja um compromisso com a boa governabilidade.

E mais, a presidente usa a liberação de emendas orçamentárias a parlamentares aliados em troca de apoio a projetos do governo. Enquanto isso, corre na Justiça um dos grandes processos de corrupção que transferiu dinheiro público e de empresas estatais para partidos, candidatos e campanhas eleitorais de governistas.

No governo Lula da Silva foi arquitetado e executado formidável esquema de corrupção para compra de congressistas corruptos e chantagistas que ameaçavam o governo visando benesses escusas à custa do erário. Lula loteou Ministérios, e quando faltaram pastas aos fisiológicos criou tantas mais até chegar a trinta e nove - alguns Ministérios totalmente desnecessários e perfeitamente inúteis.

E tantas outras coisas erradas foram feitas, a maioria ainda bem nítida na memória do povo. Para evidenciar que os males são endêmicos e inerentes à classe política, recentemente foram divulgados tópicos do diário do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em que faz não apenas um desabafo, mas alerta contra os maus políticos e maus brasileiros.

Lembra que também teve de negociar Ministérios, sofreu fogo amigo (“Estou cansado de ser atacado por forças dos meus amigos do círculo íntimo”, escreveu), enfrentou crise financeira que ameaçou o Plano Real e teve ameaça de CPI.

Sabe-se que FHC foi compelido a distribuir benesses a parlamentares aliados e por fim ouviu a maldita palavra “impeachment”. Em seu diário o ex-presidente desabafa: “Este é o Brasil de hoje, onde a modernização se faz com a podridão, a velharia.”

Assim era o Brasil no tempo de FHC e, lamentavelmente, é o Brasil destes dias. Isto exige reflexão e, quanto possível, protestos veementes por mudanças de atitude. Sim! Por que seguidas gerações de políticos e governantes agem contrariamente aos princípios éticos de honestidade, moralidade e decência, embora preguem o contrário?

Por que a podridão permanece na política? É preciso acabar com a nefasta prática do toma lá dá cá e cooptação imoral exercida pelos governantes.

Se manifestações pacíficas e protestos nas ruas não surtem efeitos e não sensibilizam, se indignação não remove a podridão enraizada, terá o povo de valer-se de argumentos mais incisivos? É bom pensar nisto. Está na hora de evitar que essa história continue a se repetir.

* Luiz Carlos Borges da Silveira é empresário, médico e professor. Foi Ministro da Saúde e Deputado Federal.



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques