Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A hora do impossível, é agora

A hora do impossível, é agora

24/03/2009 Dirceu Cardoso Gonçalves

Um dos destaques da semana foi o firme pronunciamento do presidente Lula pelo fim do bloqueio dos EUA a Cuba.

"Vamos fazer política pensando no século 22" - conclamou o mandatário brasileiro, em Nova York, onde aconselhou todos a "deixarem para trás os anos 60", quando foi imposto o bloqueio à ilha de Fidel e, em conseqüências, ocorreram muitas ações que deixaram a América Latina e outras partes do mundo agastadas com os EUA, então, um dos principais atores da temerária Guerra Fria. Nestes últimos 40, 50 ou 60 anos - tempo longo para uma vida humana mas apenas um instante na cronologia da sociedade - vimos muitos acontecimentos "impossíveis" se concretizarem. O muro de Berlim foi construído e derrubado, a URSS desmoronou, as Alemanhas unificaram-se, as ditaduras do Cone Sul esfacelaram-se, Franco e Salazar (ditadores da Espanha e Portugal) morreram e seus regimes idem.

Os EUA, de tradição racista, hoje têm como presidente um negro de origem muçulmana  e largamente aceito pelo mundo. No Brasil, José Sarney e Defim Neto, expoentes dos governos militares, tornaram-se peemedebistas. Lula saiu da condição de condenado pela LSN para se tornar um popular e reeleito presidente da República e, agora, Dilma Roussef, ex-guerrilheira ativa, tem hoje as condições objetivas para ser a nova chefe de Estado, a primeira do sexo feminino. Tudo isso, felizmente, sem guerras nem derramamento de uma só gota de sangue. As Forças Armadas (que alguns pensavam não terem jogo de cintura para suportar tantas mudanças) permanecem no estrito cumprimento de suas funções, e o país caminha em plena democracia. Dói ouvir alguns mal informados dizendo terem saudade do tempo do autoritarismo.

Eles não deveriam representar nada naquela época, pois se fossem alguém comprometido com o pais, certamente estariam defendendo a democracia e os bons comportamentos sociais, jamais a exceção. Nenhum regime é perfeito, mas a democracia reserva ao povo o direito de protestar e lutar para conseguir aquilo que lhe pareça de direito. O Brasil de Sarney, Collor, Itamar, FHC e Lula é, sem dúvida, uma nação democrática. O povo tem tido a oportunidade de manifestar suas idéias sem sofrer retaliações. Mas, todos precisamos estar atentos para conseguir que nossos movimentos façam a sociedade evoluir. De nada adiantará fazer grande alarido sem nenhum avanço.

Temos de aproveitar o tempo em que ocorrem mudanças consideradas "impossíveis" por décadas, para avançar e conseguir melhores condições de vida para a população. Não podemos ficar apenas marcando passo! Temos de acabar com a impunidade, essa seiva  da corrupção que grassa no país, consertar o sistema penitenciário, dar melhores condições de trabalho e salário para o funcionalismo e exigir que cada um cumpra e faça cumprir suas atribuições. Acorda, mundo! Acordem Brasil e América Latina. Vivemos o tempo dos impossíveis. Se alguém nos disser que não dá para fazer, temos todo o direito e a obrigação de tentar concretizar. E se der ???

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)



O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho