Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A importação do lixo hospitalar

A importação do lixo hospitalar

25/10/2011 Dirceu Cardoso Gonçalves

O criminoso esquema que fez chegar ao Brasil os carregamentos de lençóis ensangüentados descartados por hospitais norte-americanos, merece toda a atenção das autoridades e a mais severa investigação.

É preciso saber com detalhes se o comprador brasileiro foi enganado ou sabia do que se tratava e – mais que isso – desvendar a técnica usada para burlar as leis e os mecanismos de controle. Também levantar a quanto tempo esse crime vem sendo praticado e quais as suas conseqüências, como a existência de possíveis pessoas ou locais contaminados pelo uso do material. Feito isso, promover o mais completo e justo processo de penalização dos responsáveis. É inadmissível importar lixo hospitalar ou qualquer outro rejeito que possa ocasionar riscos à saúde da população. O Brasil de hoje possui uma vasta legislação com severas normais para a destinação do lixo dos hospitais, farmácias e ambulatórios. Esse material tem de receber tratamento especial e não pode ser descartado em aterros comuns com o restante do lixo das cidades.

Logo, não há a menor possibilidade de se admitir a importação de material contaminado de outros países. As autoridades sanitárias têm o dever de verificar todos os pormenores da entrada do material encontrado em Pernambuco, inclusive dos tecidos já colocados para comercialização, e apurar responsabilidades. Os lençóis, fronhas, travesseiros e outros materiais utilizados em hospitais pode e deve ser reciclado em lavanderias e esterilizadores próprios para a reutilização no estabelecimento ou descartados de forma segura e eficiente. Nunca poderão ser comercializados a terceiros e muito menos “exportados”. O que ocorreu foi uma afronta e nós, os brasileiros, não podemos nos calar.  Além da ação rigorosa das autoridades locais em relação aos esquemas que importaram esse material impróprio ou o adquiriram junto aos hospitais nacionais, há que se esperar comportamento idêntico do governo e das autoridades norte-americanas em relação aos responsáveis pela comercialização e embarque do material supostamente contaminado para o Brasil.

Quem vende lixo hospitalar também poderá vencer rejeitos radioativos e uma série de outros “lixos” que fazem mal à saúde da população. E se o fazem para o Brasil, um país com certa estrutura, legislação e base científica para rejeitar esses produtos, com toda certeza, também devem estar direcionando esse material criminoso aos países extremamente pobres e subdesenvolvidos, numa ação desumana que merece todas as reprimendas. O reaproveitamento do lixo hospitalar é um grave problema de saúde pública e um crime contra a humanidade. Esse procedimento pode promover o alastramento de moléstias que a ciência se esforça para combater. O mínimo que os responsáveis por essa prática podem merecer é a cadeia. E as instituições que não monitoram adequadamente a destinação de seus rejeitos têm ser condenadas, no mínimo, a responder pelos danos causados pela sua incúria e assumir os curtos da reparação...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves* é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes