Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A importância da China no crescimento brasileiro

A importância da China no crescimento brasileiro

18/05/2012

Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior (Mdic), o volume total de comércio entre Brasil e China em 2011 foi de US$ 77,1 bilhões, contra US$ 56,3 bilhões em 2010.

Nesse mesmo período, o nosso superávit comercial com os chineses mais que dobrou, saltando de cerca de US$ 5 bilhões para aproximadamente US$ 11 bilhões. Enviamos para aquele país anualmente mais de US$ 40 bilhões, principalmente em minério de ferro, petróleo e soja. Esses números dão bem a dimensão do que representam para o Brasil os negócios com a China, que, de resto, com seu crescimento na casa dos 10% registrado nas últimas três décadas, tem sido um sustentáculo para a economia global.

Uma análise da Revista Exame, ainda em 2011, mostrou que, considerando os últimos dez anos, sem o “efeito China” no preço das commodities, o Brasil teria um déficit de US$ 25 bilhões no saldo de sua balança comercial. As exportações de commodities foram as grandes responsáveis pelo desenvolvimento econômico do Brasil nas últimas décadas, isso é um fato.

Esse papel de relevo deve continuar, mesmo com a diminuição do ritmo chinês de crescimento previsto para este ano. Não há nada errado em exportar commodities, principalmente enquanto o mercado continuar aquecido e for vantajoso para o Brasil. Por outro lado, parte do empresariado tem reclamado de uma desaceleração da indústria e de um aumento do consumo interno de produtos importados.

Diante desse cenário, e de um avanço do PIB de 2,17% (em contraste com o de 7,5% em 2010), abriu-se o sinal verde para que as indústrias, algumas das quais operando no negativo, começassem a pedir por medidas de salvaguarda e apontassem os produtos importados como os grandes responsáveis. No entanto, é consenso entre os especialistas em comércio internacional que a perda da competitividade na indústria se deve principalmente ao chamado “Custo Brasil”, representado pela elevada carga tributária.

Somem-se a isso os custos da energia, da logística, dos encargos trabalhistas, do investimento, do real supervalorizado e os gargalos da infraestrutura e tem-se o quadro completo do verdadeiro “vilão” a ser combatido. Assim, se por um lado, o governo brasileiro age corretamente ao buscar um fortalecimento da indústria e um mercado competitivo, vem lançando mão de uma série de medidas protecionistas que, ao tentarem criar uma espécie de reserva de mercado para os produtores nacionais, não atacam o cerne do problema.

Podem, inclusive, criar mais dificuldades do que soluções, ao diminuírem ainda mais a concorrência e, portanto, a competitividade do setor industrial no futuro. Em 2010 a China se tornou o maior investidor estrangeiro direto do Brasil. Em 2011 o país ocupou o 4º lugar mundial em investimento produtivo.

O governo precisa saber responder de modo mais maduro à complexidade do comércio e tirar melhor proveito dessa parceria estratégica, estabelecendo políticas para canalizar esses aportes em áreas como produção de manufaturas e setor de infraestrutura, entre outros. Ao mesmo tempo, é preciso oferecer um ambiente que incentive a produtividade e a inovação para as empresas instaladas aqui. E não será protegendo o mercado que irá conseguir isso.

* Geraldo Ferreira é diretor geral da Cathay, subsidiária da Asia Pulp and Paper (APP) no Brasil.



Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira