Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A importância da sucessão empresarial familiar

A importância da sucessão empresarial familiar

07/03/2011 João Rafael Furtado

Grande parte das sociedades empresariais que surgem no Brasil têm vida curta. Segundo pesquisa divulgada pelo IBGE, de cada 100 empresas abertas no Brasil em 2007, 24 encerraram suas atividades no ano seguinte. Segundo o estudo, de um total de 464.700 mil empresas que iniciaram suas atividades em 2007, 353.500 mil (76,1%) continuavam no mercado em 2008. As outras 111.200 (23,9%) já tinham encerrado suas operações.

Várias são as razões que tentam justificar essa estatística (alta carga tributária, falta de profissionalismo, competição acirrada etc.). Todavia, é necessário reconhecer o inegável sucesso de alguns empreendimentos que conservam crescimento estável e duradouro ao longo dos anos. Nessas sociedades, seus proprietários uniram a oportunidade do negócio às boas práticas de gestão empresarial, que viabilizaram manter seu negócio “vivo” de forma continuada.

Porém, todo o trabalho desenvolvido pelos sócios dessas empresas é levado à prova quando se trata da sucessão da direção da sua empresa por entes familiares. Nessas situações não é incomum o acirramento das relações familiares que há muito tempo pareciam “estáveis”. Esse acirramento é motivado pelo direcionamento de um ou mais sócios para que a sucessão do grupo seja formalizada para uma pessoa do seio familiar que não goza da unanimidade dos sócios do empreendimento.

O problema ainda se agrava quando o pretenso sucessor do negócio familiar não tem a capacidade técnica para gerir o negócio, até então lidado por seus pais, em prejuízo dos executivos ou funcionários com a expertise do negócio.

Em um cenário como esse, a consequencia quase inevitável é a briga entre os atuais sócios e diretores da empresa, ocasionando lesões e prejuízos irreparáveis à sociedade, levada, muitas vezes, à bancarrota.

Porém, toda essa situação pode ser evitada. É necessário a sociedade que pretende fazer sua sucessão se preparar para esse importante passo. Acreditar que a sucessão ocorrerá naturalmente é correr risco completamente dispensável ao mundo dos negócios.

A contratação de profissional para facilitar o diálogo sobre a sucessão da empresa familiar (coach) é o primeiro passo. Identificar os pontos fortes, as fraquezas, qualidades e defeitos dos possíveis sucessores, bem como da própria sociedade, é ferramenta indispensável à boa sucessão.

Vencida essa etapa, o profissional do Direito exerce papel definitivo para a sucessão empresarial familiar. Ele redigirá os documentos que possibilitarão a sucessão e definirá regras claras entre os sucessores e seus pais que agora não fazem mais parte da direção da sociedade (modificação em contratos e estatutos sociais, regimentos internos, acordos societários etc.).

Além disso, ao profissional do Direito caberá demonstrar os melhores caminhos para guiar a sucessão empresarial, isto é, aqueles que representem segurança para a sociedade e seus sócios de forma menos onerosa (compra, cessão, doações de ações ou quotas; redução ou aumento do capital etc.).

Não há dúvida de que, para uma empresa familiar ter sucesso o amor, respeito e união devam existir. Mas o profissionalismo também é indispensável.

* João Rafael Furtado é advogado especialista em Processo Civil




Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre


Inteligência Artificial Generativa e o investimento em pesquisa no Brasil

Nos últimos meses, temos testemunhado avanços significativos na área da inteligência artificial (IA), especialmente com o surgimento da inteligência artificial generativa.

Autor: Celso Hartmann


Oppenheimer e Prometeu

Quando eu saí do cinema após ter visto “Oppenheimer” a primeira vez, falei para meu filho: “É Oscar de Melhor Filme, Melhor Ator, Melhor Ator Coadjuvante”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Interferência política e a desvalorização da Petrobras

Recentemente, o presidente Lula chamou o mercado de voraz por causa das quedas no valor das ações da Petrobras equivalentes a aproximadamente 60 bilhões de reais.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins