Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A importância de empoderar nossas meninas

A importância de empoderar nossas meninas

11/08/2019 Vivian Wolff

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.

Quando falamos de mercado de trabalho e carreiras do futuro, quatro campos surgem com frequência nas listas dos mais promissores: Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática – ou o que os americanos chamam de STEM.

Fica fácil entender o porquê dessas áreas estarem em alta quando pensamos nos avanços recentes em Neurociência, conectividade, TI, robótica, nuvem, programação, algoritmos, games e por aí vai.

Meninos e meninas com um futuro promissor pela frente têm a chance de escolher uma dessas áreas e muito provavelmente alcançar valores universais almejados como estímulo intelectual, reconhecimento, liderança e uma boa fonte de renda.

Iniciam ao mesmo tempo nos estudos, com as mesmas ilusões e vontade de dar certo. No entanto, pouco a pouco, somente os meninos ficam ou se destacam.

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.

Estudos mostram que mesmo quando as meninas tiram melhores notas em matemática do que os meninos, eles se mostram muito mais seguros quanto à aprendizagem da matéria do que elas.

Muitas meninas são desencorajadas até pela própria família a se achar boas em assuntos não considerados “femininos”.

Pesquisadores de Yale revelaram que, ao avaliar um cientista feminino e um masculino com as mesmas qualificações, o homem tende a ganhar mais pontos e tem preferência na contratação.

E mais: quando perguntados sobre salários, os entrevistados consideraram uma oferta salarial para a mulher quatro mil dólares inferior ao do que ofereceriam ao homem.

As perspectivas de trabalho em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática estão em pleno crescimento e só tendem a aumentar.

E a realidade é que, se não empoderarmos nossas meninas, teremos um padrão de futuros profissionais femininos desistindo de tentar carreiras nessas áreas.

É preciso dar a elas um sistema global de suporte que começa em casa, passa pela escola e termina no mercado de trabalho.

Temos que ajudá-las, desde cedo, a desenvolver habilidades comportamentais e emocionais para definir metas, vencer obstáculos e seguir adiante nos estudos escolhidos.

Mesmo que todos ao redor digam que é um terreno “masculino”. É preciso passar valores de mãe para filha, como autoestima, segurança, respeito, confiança e empatia.

Valores que ressaltam o feminino e, ao mesmo tempo, formam uma base sólida para que uma menina possa crescer acreditando em si mesma e no poder de suas escolhas.

Ao chegar na universidade e nos primeiros postos de trabalho, essas jovens precisam de referências e mentoras, alguém que venceu no meio de um mar de desencorajamento e testosterona, e que pode servir de modelo para as próximas gerações.

O poder feminino é transformador e não deve faltar em nenhuma área promissora do futuro.

* Vivian Wolff é Coach de Vida e Carreira pelo Integrated Coaching Institute (ICI).

Fonte: Flávia Vargas Ghiurghi



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli