Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A importância de empoderar nossas meninas

A importância de empoderar nossas meninas

11/08/2019 Vivian Wolff

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.

Quando falamos de mercado de trabalho e carreiras do futuro, quatro campos surgem com frequência nas listas dos mais promissores: Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática – ou o que os americanos chamam de STEM.

Fica fácil entender o porquê dessas áreas estarem em alta quando pensamos nos avanços recentes em Neurociência, conectividade, TI, robótica, nuvem, programação, algoritmos, games e por aí vai.

Meninos e meninas com um futuro promissor pela frente têm a chance de escolher uma dessas áreas e muito provavelmente alcançar valores universais almejados como estímulo intelectual, reconhecimento, liderança e uma boa fonte de renda.

Iniciam ao mesmo tempo nos estudos, com as mesmas ilusões e vontade de dar certo. No entanto, pouco a pouco, somente os meninos ficam ou se destacam.

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.

Estudos mostram que mesmo quando as meninas tiram melhores notas em matemática do que os meninos, eles se mostram muito mais seguros quanto à aprendizagem da matéria do que elas.

Muitas meninas são desencorajadas até pela própria família a se achar boas em assuntos não considerados “femininos”.

Pesquisadores de Yale revelaram que, ao avaliar um cientista feminino e um masculino com as mesmas qualificações, o homem tende a ganhar mais pontos e tem preferência na contratação.

E mais: quando perguntados sobre salários, os entrevistados consideraram uma oferta salarial para a mulher quatro mil dólares inferior ao do que ofereceriam ao homem.

As perspectivas de trabalho em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática estão em pleno crescimento e só tendem a aumentar.

E a realidade é que, se não empoderarmos nossas meninas, teremos um padrão de futuros profissionais femininos desistindo de tentar carreiras nessas áreas.

É preciso dar a elas um sistema global de suporte que começa em casa, passa pela escola e termina no mercado de trabalho.

Temos que ajudá-las, desde cedo, a desenvolver habilidades comportamentais e emocionais para definir metas, vencer obstáculos e seguir adiante nos estudos escolhidos.

Mesmo que todos ao redor digam que é um terreno “masculino”. É preciso passar valores de mãe para filha, como autoestima, segurança, respeito, confiança e empatia.

Valores que ressaltam o feminino e, ao mesmo tempo, formam uma base sólida para que uma menina possa crescer acreditando em si mesma e no poder de suas escolhas.

Ao chegar na universidade e nos primeiros postos de trabalho, essas jovens precisam de referências e mentoras, alguém que venceu no meio de um mar de desencorajamento e testosterona, e que pode servir de modelo para as próximas gerações.

O poder feminino é transformador e não deve faltar em nenhuma área promissora do futuro.

* Vivian Wolff é Coach de Vida e Carreira pelo Integrated Coaching Institute (ICI).

Fonte: Flávia Vargas Ghiurghi



O que combina com a liberdade e a vida

Todo ser humano deveria ter direito, desde o berçário, à moradia, à alimentação, à saúde, aos estudos, à segurança e ao transporte.


A história sempre se repete

Quando não me apetece ler, folheio os livros da minha modesta biblioteca. Leio umas linhas e torno a fechá-los. Montaigne – se não estou em erro, – fazia o mesmo.


O marketing do Brazil com o profissionalismo do Brasil

O marketing do Brasil não é trabalho para amadores.


O coração, morada do amor e dos sentimentos, é terra que ninguém pisa

Qual coração não guarda seus segredos? Fantasias, desejos?


Achegas para obter uma biblioteca

Conta-se, que certa manhã, Camilo, estando na Praça Nova, no Porto, encontrou negociante seu conhecido, sobraçando grande quantidade de livros.


A tragédia da vida ecoa na arte

Há 75 anos, uma guerra dividia almas e famílias.


Serro: 318 anos de história

Neste mês de janeiro a tricentenária cidade do Serro chega aos seus 318 anos.


Insight sobre a sua carreira profissional

Atualmente, a taxa de desemprego em nosso país ficou em 11,8% no trimestre encerrado em setembro, atingindo 12,5 milhões de pessoas, conforme dados do IBGE.


Educação Inclusiva para quem?

Há algumas décadas, nosso país já pensa na educação de pessoas ditas como “com deficiência”.


Muita calma em 2020!

Todo fim de ano vemos o tradicional corre-corre de festas, confraternizações, as luzes decorativas iluminando as cidades e mais pessoas e veículos transitando pelas cidades.


Férias: como ficam as crianças de pais separados?

Com o fim de um relacionamento (casamento ou união estável), quando há filhos, os pais buscam constantemente dividir o tempo de convivência com as crianças, pensando no bem-estar delas.


Vaidade ou necessidade?

A cada passo lemos, nos jornais, que tal figura pública ou conhecido político, teve que corrigir o currículo, porque incluiu habilitações, que não possuía.