Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A importância de ser alfabetizado em dois idiomas

A importância de ser alfabetizado em dois idiomas

13/11/2012 Cíntia Maria Falaschi

A comunicação móvel torna o mundo cada vez mais globalizado e saber falar inglês hoje é um pré-requisito e não mais um diferencial. Pensando no futuro dos filhos, muitos pais acham que é importante “internacionalizá-los” o mais cedo possível.

E, quanto maior a expectativa dos pais, mais cresce a procura por escolas bilíngues e internacionais e aumenta também o número de instituições que oferecem esses serviços. O primeiro passo a ser dado pelos que buscam esse tipo de educação é entender a diferença das propostas, pois uma escola bilíngue deve seguir as exigências do nosso Ministério da Educação e, portanto, ter currículo e calendário nacionais.

Já as escolas internacionais seguem os padrões de seus países de origem – embora algumas também já atendam aos requisitos da política educacional brasileira. Nas escolas bilíngues, as aulas são ministradas em português e na língua estrangeira, sendo, em geral, o número de aulas no idioma nativo ligeiramente maior.

O que a maioria delas propõe é um currículo forte e diferenciado que proporcione a imersão do aluno no idioma estrangeiro, a fim de que haja desenvolvimento natural da sua habilidade com a segunda língua. Nelas, os alunos têm contato com a cultura do outro país, com novas referências e metodologias de ensino internacionais. Já as escolas internacionais surgiram para atender à demanda de famílias estrangeiras residentes no Brasil, mas não são exclusivas para alunos estrangeiros.

Tanto que, atualmente, são compostas por um número maior de alunos brasileiros. O seu corpo docente é misto e o inglês não é apenas objeto de estudo, mas, sim, um instrumento diário de estudo. Geralmente, escolas assim exigem alguma proficiência em ambas as línguas na admissão do aluno. Nelas, há a coexistência paralela das duas línguas e culturas, com o objetivo de tornar a criança fluente em ambas e também capaz de perceber os contrastes linguísticos e diferenciar os valores culturais de cada uma delas.

É importante ressaltar que, se for alfabetizada em outro idioma, a criança não vai ter a sua identidade cultural abalada. Isso porque as preferências culturais se baseiam muito mais na percepção que ela tem das pessoas que a rodeiam, como pais, amigos e educadores. A construção de sua identidade cultural apóia-se nos valores atribuídos pela sociedade às línguas e culturas relacionadas a elas.

O alto custo das escolas internacionais e bilíngues pode ser um empecilho para muitos, que acabam optando por investir em uma escola convencional e em um curso de idiomas feito à parte. Essa opção também é válida se levarmos em conta que aprender outra língua é um processo complexo e muito individual e que, quando se fala em desenvolvimento infantil, tudo é muito variável.

Outra dúvida frequente é sobre a idade ideal para o ensino bilíngue. Estudos recentes confirmam que existe, sim, uma diferença na organização cerebral de quem é bilíngue desde cedo – antes dos 3 anos – e de quem aprendeu a segunda língua depois dos 10 anos, já alfabetizado na língua pátria. As tendências mais atuais indicam que na primeira infância o aprendizado é mais simples, sem esforço; o cérebro da criança é como uma esponja e ela, na fase da curiosidade, aprende brincando.

Portanto, se for possível, é bom começar cedo, mas sempre levando em conta que o ensino deve acontecer com naturalidade, respeitando o tempo da criança. Caso seja feita a opção pela educação internacional ou bilíngue, o essencial é ter em mente que o ritmo de aprendizado é próprio de cada pequeno. Portanto, não se deve exagerar nas cobranças nem haver sobrecarga de tarefas e tensão.

A criança deve estar à vontade e relaxada (sem alterações no sono e na alimentação), gostar de ir à escola e se divertir com seus colegas (sinais de boa adaptação) e também apresentar um desenvolvimento normal da linguagem, sem nenhum distúrbio aparente de aprendizado. É fundamental perceber que seu filho esteja feliz na escola, seja ela qual for.

Todos nós sabemos que bons costumes, valores e educação são e serão sempre motivos de destaque das pessoas, em qualquer lugar do mundo. Cada família deve controlar a sua ansiedade, pensar e refletir bastante sobre os valores que julga essenciais na escola dos filhos e também ponderar se a bagagem cultural que virá junto com a aquisição do segundo idioma encontra eco nos valores cultivados dentro do próprio lar.

* Cíntia Maria Falaschi é suporte pedagógico de língua inglesa do Ético Sistema de Ensino, da Editora Saraiva.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.