Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A importância de uma economia ajustada e em rota de crescimento

A importância de uma economia ajustada e em rota de crescimento

29/04/2024 Gino Paulucci Jr.

Não é segredo para ninguém e temos defendido há anos que um parque industrial mais novo, que suporte um processo de neoindustrialização, é capaz de produzir mais e melhor, incrementando a produtividade da economia como um todo, com menor consumo de energia e melhor sustentabilidade.

O processo de desindustrialização no Brasil, que ocorre há décadas, se acentuou com a pandemia da Covid-19.

Segundo os dados extraídos do Banco Mundial a participação do setor manufatureiro no PIB (Produto Interno Bruto) atingiu novas mínimas históricas, indicando ainda que a indústria continua perdendo protagonismo na economia brasileira. Em 1984 a indústria de transformação representava 34,27% do PIB e em 2022 apenas 11,12%.

Trata-se do menor percentual desde 1947, ano em que se inicia a série histórica das contas nacionais calculadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A série mostra que a indústria vem sofrendo um retrocesso quase contínuo desde o início dos anos 2000, evidenciando tanto as dificuldades de competitividade como também de recuperação das perdas provocadas pela crise da Covid-19.

As causas são muitas e complexas, vão desde o custo Brasil, da falta de qualificação da mão de obra, chegando ao baixo nível de investimento produtivo - a chamada Formação Bruta de Capital Fixo - FBCF, que nunca foi tão baixa.

Sabemos que o investimento produtivo e a atualização tecnológica são necessários para que a indústria mantenha-se competitiva frente a seus competidores e concorrentes em âmbito mundial.

O que temos assistido é a economia brasileira perdendo a batalha da competitividade e da produtividade, mas os números indicam que a perda de relevância do setor industrial no PIB é um fenômeno mundial e estrutural.

Nas últimas décadas, em diversos países do mundo, a diminuição do peso do setor manufatureiro tem sido acompanhada por um avanço de setores de serviços destinados a atender uma demanda cada vez maior por atividades como serviços de tecnologia e informação, serviços pessoais, de saúde e educação.

No Brasil, no entanto, o processo de desindustrialização tem sido há tempos classificado como "prematuro", por se dar numa velocidade mais rápida do que a verificada em outras economias e por ocorrer antes de o país ter atingido um maior nível de desenvolvimento e de renda per capita.

Por essa e outras razões temos defendido a criação de uma política industrial articulada, que promova a transformação da estrutura industrial, com a melhoria na taxa de formação bruta de capital fixo, o avanço da digitalização, da transição energética, da descarbonização, da transformação nos modelos de negócios das empresas para que resulte num forte aumento da produtividade e da competitividade da economia e a consequente inserção nas cadeias de globais de valor.

Por isso temos apoiado as ações vinculadas a NIB – Nova Indústria Brasil e participado e contribuído ativamente no Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial, o CNDI.

Consideramos fundamental que haja uma economia ajustada e em rota de crescimento. A agenda de combate aos itens que compõem o chamado “Custo Brasil” deve continuar a ser enfrentada.

Devemos continuar persistindo na agenda das “reformas estruturantes”, de forma a remover os entraves à competitividade.

Com uma indústria mais produtiva e competitiva ganha o Brasil e a sociedade. Apoiamos a implementação das ações propostas com responsabilidade, metas claras preestabelecidas e transparência, de forma que o Brasil avance com uma nova estrutura produtiva que possa contribuir para a resolução de nossos graves problemas econômicos e sociais.

A aprovação pelo Congresso Nacional dos projetos que fazem parte da NIB, entre eles a “Depreciação Acelerada” e a criação da “Letra de Crédito do Desenvolvimento (LCD)” são elementos importantes para a competitividade do setor industrial, que nos trazem otimismo e contam com todo o nosso apoio.

* Gino Paulucci Jr é engenheiro mecânico, empresário e presidente do Conselho de Administração da ABIMAQ.

Para mais informações sobre indústria clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Vervi Assessoria



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques