Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A importância do suporte jurídico preventivo nas empresas

A importância do suporte jurídico preventivo nas empresas

20/06/2013 Joanna Paes de Barros e Oliveira

É verdadeira a afirmativa de que “a prevenção é o melhor remédio”, principalmente quando se trata do aspecto jurídico no ambiente empresarial.

Somos reconhecidos internacionalmente pelo avanço e modernidade das nossas leis. Em legislação comparada, podemos afirmar que nosso Código de Defesa do Consumidor (CDC) e os dispositivos de lei ambiental são referência mundial. Por outro lado, a produção legislativa tem um contrassenso.

O Brasil tem incontáveis edições de leis diárias que dificultam o acompanhamento, inclusive dos profissionais da área jurídica. Cita-se, a exemplo, a edição diária de um sem número de leis, normas e regulamentos no ramo de direito tributário. A excessiva regulação da iniciativa privada submete o empresário a novas e cotidianas obrigações jurídicas.

São leis trabalhistas, tributárias, previdenciárias, ambientais, consumeristas, entre outras, que sempre representam um acréscimo no custo para as empresas. Há que mencionar que muitas delas caem por terra posteriormente, quando têm sua constitucionalidade questionada, após o empresário já ter arcado com os custos e tempo para adaptação de suas atividades produtivas e empresariais às exigências legais. Outro cenário que merece ser levado em consideração é o congestionamento do Poder Judiciário.

A discussão judicial dos direitos e obrigações, em qualquer aspecto, contratual, trabalhista, empresarial, é morosa e muitas vezes a solução final perde sua efetividade pelo decurso do tempo. Por isso, é tão comum ouvirmos que “mais vale um mau acordo que uma boa demanda”.

No aspecto administrativo, a realidade não é outra. É notório, por exemplo, que o Brasil é um dos países em que o procedimento para a abertura de uma empresa é um dos mais burocráticos e custosos. Por todos esses motivos acima elencados, se torna imprescindível a assessoria jurídica nas empresas. Demanda-se do profissional do direito estar cada vez mais próximo e conhecer o ambiente empresarial do seu cliente, tanto quanto do próprio gestor do negócio.

Tanto no planejamento da atividade empresarial quanto na antecipação e previsão dos riscos e contingências, a assessoria jurídica tem se mostrado vital à saúde da empresa, pois com a dinâmica alcançada pela globalização, o mercado atual não perdoa os empresários que não antevêem riscos em sua atividade econô ;mica. Por isso, cada vez mais, as empresas têm evoluído quanto à aceitação da importância do suporte jurídico preventivo. É seguro que os custos advindos da consultoria preventiva são muito menos impactantes do que os gastos no processo contencioso.

Além do prejuízo à imagem da empresa, muitas vezes causados pela repercussão das ações trabalhistas e ambientais, por exemplo. É desaconselhável a postura da maioria dos empresários que só procuram uma assessoria jurídica quando se mostra inevitável: quando há uma ação judicial em trâmite. Nesse caso, os custos para a empresa são maiores, com percentuais altos, dependendo do valor da ação.

Quando a empresa conta com assessoria jurídica é bem diferente, o custo é menor, muitas vezes calculado mensalmente, e há um acompanhamento constante das demandas ativas, constando a data provável do término de uma ação, a probabilidade de êxito e a antecipação dos gastos, o que facilita o planejamento do empresário para arcar com eventuais condenações.

Um exemplo recorrente que vivenciamos é o cliente nos consultar quando tem um contrato descumprido pelo seu fornecedor para ingressarmos com uma demanda judicial. Não acompanhamos a negociação e muitas vezes a própria confecção e celebração do contrato! A própria ação pode ficar prejudicada pela inobservância dos requisitos do contrato.

Além disso, com a assessoria jurídica, o empresário tem segurança em relação aos negócios praticados de modo a não acarretar penalidades pelos órgãos fiscalizatórios e mesmo pelo Poder Judiciário. E, ainda, sempre que o empresário tiver dúvidas em como proceder determinado ato, como, por exemplo, demitir um funcionário, pagar os impostos devidos, iniciar uma atividade produtiva, poderá consultar a assessoria que irá lhe emitir um parecer com as ações corretas a serem tomadas.

Tudo para garantir que o empresário atue dentro da legalidade, evitando multas administrativas e demandas judiciais.

*Joanna Paes de Barros e Oliveira é sócia do escritório Schmidt, Dell Agnolo, Candello & Paes de Barros Advogados.



A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.