Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A ineficácia do Marco Civil contra a espionagem estrangeira

A ineficácia do Marco Civil contra a espionagem estrangeira

31/10/2013 Camilla Massari Guedes

Após o recente escândalo da espionagem de dados de diversos usuários brasileiros pelos EUA, a presidente Dilma se manifestou publicamente para pedir urgência na votação do Projeto de Lei chamado de Marco Civil, como forma de combater e prevenir a espionagem dos dados de brasileiros. Essa resposta do Governo Federal veio em razão da fragilidade legal que existe na área de proteção de dados, tendo em vista a globalização do acesso à internet.

O que se pretende com essa mudança na lei é a guarda em território nacional dos dados dos usuários de empresas que possuem representação no Brasil, diferentemente do que acontece hoje. Atualmente os data centers das grandes empresas estão espalhados em pontos estratégicos ao redor do mundo, principalmente, a fim de facilitar o tráfego de dados e possibilitar uma conexão mais rápida e eficaz.

Antes da intervenção do Executivo Federal, o Marco Civil nada dispunha sobre a obrigação de guarda de dados em data centers no território nacional e continha somente: disposições sobre guarda de dados de acesso, direitos dos usuários de internet, provisão de conexão, tráfego e guarda do registro de dados e responsabilidade sobre publicações de terceiros. A inclusão desta medida, entretanto, não tem efeito prático na segurança da informação, sendo uma medida ineficaz e meramente burocrática.

Ela é tecnicamente desaconselhável porque tornaria a conexão bastante lenta, uma vez que o tráfego de dados não se restringe apenas às informações de usuário e dados que poderiam estar alocados no mesmo local teriam de ir e voltar várias vezes para disponibilizar a mesma informação. Isto significa que com um clique em uma página de uma rede social, por exemplo, seria necessário o envio de diversas informações de caráter pessoal do usuário e também de outras que não tem necessariamente relação a nenhum dado do usuário (publicidade, informações de terceiros, acesso a aplicativos, etc.).

Os dados teriam q ir e voltar para se cruzar e concretizar aquele clique, com um deslocamento de dados muito maior do que o necessário para se obter o mesmo resultado que temos hoje. Caso a medida seja aprovada e o dados terão de ser armazenados no Brasil e ainda restará um outro empecilho: a fiscalização.

Um banco de dados não é fácil e muito menos barato de se fiscalizar. A tecnologia necessária para isso demandaria um grande investimento em maquinário e principalmente em mão de obra especializada. Vale lembrar que hoje não temos nada implantado neste sentido no Brasil, apenas algumas declarações dos órgãos governamentais de que será criado um órgão regulamentador sobre o assunto, mas nada de concreto foi feito.

A questão da espionagem ultrapassa qualquer limite territorial; a internet é um território global e assim deverá ser visto. Para a proteção de dados (em especial os governamentais, que tanto causaram polêmica) o Executivo, em vez de apoiar a criação de mais uma lei que nada resolve, deveria comandar esforços e investimento em tecnologia para a segurança da informação e, quando muito, acordos internacionais para a aprovação de uma regulamentação mundial de proteção de dados.

*Camilla Massari Guedes é advogada no escritório Carvalho, Testa & Antoniazi Advogados.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.