Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A infância e o extraordinário legado de uma boa escola

A infância e o extraordinário legado de uma boa escola

08/09/2018 Jacir J. Venturi

Na infância o cérebro faz mais que o dobro de conexões em comparação a qualquer outro período.

Depois de quase 5 cinco décadas como professor e gestor escolar, e com fulcro em muitas leituras, se meu neto tivesse a oportunidade de estudar em uma escola de excelência somente numa única fase da vida escolar, e esta escolha fosse minha, não seria no Ensino Médio, tampouco na Universidade, mas sim no período dos 3 aos 8 anos de idade.

Neurocientistas afirmam que na infância o cérebro faz mais que o dobro de conexões em comparação a qualquer outro período da vida. Um especialista do tema, Rodolfo Canônico, em entrevista à Gazeta do Povo, em 20/07/18, corrobora: “As conexões cerebrais que se formam nos primeiros anos podem ser um fundamento forte ou fraco para aquelas formadas posteriormente. Além disso, a saúde física e mental, as habilidades sociais e as capacidades cognitivas e linguísticas que se desenvolvem nos primeiros anos de vida são importantes para a vida escolar e profissional, além da vida comunitária em si.”

Em uma excelsa instituição de ensino, a criança encontra um estimulante ambiente alfabetizador que facilita o ingresso ao mágico mundo das letras. A contação de histórias e as leituras têm efeitos benfazejos para toda uma vida, bem como o encorajamento à reflexão sobre o mundo que a cerca.

Ao interagir e dialogar, o nosso pequeno desenvolve a linguagem, o raciocínio e a argumentação, enriquecendo-se de novas palavras. Ademais, as pesquisas indicam que até os 8 anos é a fase da vida que o cérebro tem maior plasticidade para aprender uma segunda língua. Tão relevante quanto é o ritual de passagem para o encantador mundo da Matemática com suas atividades lúdicas, jogos e brincadeiras que exigem algum tipo de raciocínio lógico.

No cerne de todo esse processo, fundamental e indispensável é o papel do professor. Por que, nas últimas avaliações internacionais, os alunos dos países asiáticos têm se destacado? A resposta é consensual: na infância, as crianças dessas nações têm professoras e professores – valorizados, respeitados e adequadamente capacitados – apaixonados em contar e ler histórias, entusiastas pelo ensino da Matemática de forma aprazível e sem decorebas, com uma sincera curiosidade que é naturalmente transmitida aos educandos.

Dada a importância que se reveste nos dias atuais, vale destacar que a boa escola também contribui para o desenvolvimento de hábitos alimentares diversificados e salutares, que têm reflexos positivos por toda uma existência, e é oportuno rememorar um pensamento de Napoleon Hill: “se tens saúde, não diga que a vida não te deu uma oportunidade”.

Diminui, ainda, o risco de a criança integrar as estatísticas de excesso de peso na população, que pela gravidade já é denominado por alguns pesquisadores como a epidemia do século e nos EUA causou uma queda – embora leve – na expectativa de vida de seus cidadãos em 2016. E tanto lá como cá, o sobrepeso acomete cerca de 30% das crianças.

Ademais, uma descoberta feita pela Universidade de Nova York revela que a gula surge por volta dos 5 anos, pois até os 3 ou 4 anos, em geral, os pequenos possuem um mecanismo de autorregulação cerebral que limita o volume de alimento a ser consumido.

Não menos importante, numa escola de excelência o nosso infante – príncipe ou princesa – aprende, por meio do convívio escolar com os amiguinhos, as regras básicas de cooperação, o respeito ao espaço do outro e os compromissos com horários, tarefas e normas. E ao nosso rebento são reforçados os bons valores familiares e lhe é propiciado um ambiente de acolhimento e afeto, cuja sensação de bem-estar resultante inunda a arquitetura cerebral de endorfinas e serotoninas que estimulam seu desenvolvimento.

Uma frase atribuída a Freud ensina que “criança é o pai do homem” – ou seja, nós, adultos(as), consciente ou inconscientemente, agimos muito de acordo com uma escala de valores construída na infância por meio de ensinamentos, exemplos e experiências vividas, sem negar as influências do nosso DNA.

Nesse sentido, existe atualmente uma maior compreensão das famílias e escolas de que, especialmente na fase dos 3 aos 8 anos, é grande a relevância dos estímulos neuropsicomotores, os quais definem boa parte das habilidades necessárias para uma vida adulta de realizações profissionais e bons relacionamentos. E o que se clama hoje é que as novas descobertas da neurociência adentrem ainda mais o espaço escolar.

* Jacir J. Venturi é Coordenador na Universidade Positivo e membro do Conselho Estadual de Educação, foi professor da UFPR e PUCPR.

Fonte: Jacir Venturi



Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).


Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


Propaganda eleitoral antecipada

A propaganda para as eleições neste ano só é permitida a partir do dia 16 de agosto.


Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.


O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.